Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"The Brightest Void" (2016)
Artista: Tarja Turunen.


O metal melódico com altas doses operísticas sempre sofreu certo preconceito por parte doas fãs mais xiitas do metal. É quase como se fosse a versão mais "limpa" e "trabalhada" do new metal. Só que, de fato, a cisma tinha (e tem) fundo de verdade, visto que grande parte das bandas apelam demais para os mesmos clichês, não se reinventando a fazendo tudo muito igual. Tarja Turunen, que foi integrante de um grupo cuja vertente era essa (o Nightwish), hoje parece ter evoluído bem mais do que os seus ex-companheiros de banda. Pelo menos é o que demonstra esse seu mais novo trabalho solo.

As composições não perderam certa grandiloquência nos arranjos, mas, em geral, as músicas de Tarja ficaram mais diretas, mas carismáticas, mais empolgantes. E, isso está bem explicitado na ótima trinca que abre o trabalho ("No Bitter End", "Your Heaven and Your Hell" e "Eagle Eye"). Todas não são somente muito bem elaboradas, como também possuem até alguns elementos novos para a carreira de Tarja, como a veio um tanto blues em "Your Heaven and Your Hell". Só por serem diferenciadas na forma e no conteúdo, já estão à anos-luz do que o Nightwish faz hoje em dia.



"An Empty Dream" é um pouco mais experimental, como toques de eletrônica, o que talvez desagrada os seguidores mais ardorosos da cantora. Mas, só o fato de tentar algo diferente já faz como que ela ganhe pontos pela ousadia. Sem contar que a parte operítica da canção é de uma beleza ímpar. A soturna "Witch Hunt" serve para aquele momento de introspecção, tendo uma veia tão eletrônica quanto a composição anterior, só que que um degrau abaixo em termos de qualidade. Nada que seja, necessariamente, irritante, mas, um pouco mais de esmero teria deixado essa música bem melhor.

"Shameless" volta com o peso do metal em grande estilo, numa cadência e ritmo que trasborda competência de toda a banda de Tarja, principalmente, do guitarrista argentino Julián Barret, que emprega belas distorções no som, além de cantar ao lado dela. Ah, e o final ainda revela uma (tenebrosa) surpresa no que se refere aos vocais. Já, "House of Wax", mesmo sendo uma composição competente, é apenas isso mesmo: só competente. Não tem nada a mais que a diferencie das outras, tornando ela a pior música do disco, apesar de não ser ruim, é verdade.



O álbum caminha para o seu encerramento com "Goldfinger", que mesmo tendo a grandiosidade clichê do metal sinfônico mais tradicional, é uma composição mais redonda e audível. E, chegamos ao fim com a derradeira "Paradise (What About Us)", composição em que Traja colaborou no disco "Hydra", do Within Temptation. E, não há melhor canção para encerrar esse disco da Tarja, já que a canção é empolgante demais, e possui um ótimo refrão, fechando o álbum de maneira muito positiva.

Tarja mostra que realmente está se reinventando, e buscando novas vertentes para incrementar ainda mais o seu trabalho. Nessa pisada, quem perdeu mesmo foi o Nightwish, cujos competentes instrumentistas (é bom dizer) poderiam estar fazendo uma tremenda parceira com as novas ideias que Traja Turunen está trazendo para a sua carreira. No final, ela é quem está se sobressaindo (e, muito bem). Que ela continue nessa crescente.

Link para fazer o download do disco:


Nota: 8/10.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…