Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"The Evil Divide" (2016)
Artista: Death Angel.


Quando se fala em thrash metal nos EUA, os primeiros nomes que veem à mente são, geralmente, os mesmos: Megadeath, Slayer, Anthrax e o tão odiado Metallica. Mas, tem umas bandas aí, mais ou menos da mesma época que essas mais famosas, que sempre fizeram um trabalho de qualidade dentro do estilo, só que sem grande visibilidade (ainda, e por incrível que pareça). Uma dessas boas bandas é o Death Angel, que já tem até um certo tempo de estrada (foi formada em meados de 1982), sendo este "The Evil Divide" seu 8° disco de estúdio.

E, a cada segundo do álbum dá pra perceber que a o tempo de carreira só fez a banda melhorar, e ainda manter uma certa integridade artística. Não esperem, portanto, grandes novidades no som do Death Angel. Mas, mesmo sem inovar, o grupo se mostra bastante coeso, com um disco que, desde já, pode ser considerado um dos melhores do ano (dentro do estilo). Velocidade, peso e harmonia são encontrados em profusão aqui, e já na primeira canção, "The Moth", rápida e certeira, perfeitíssima para uma roda punk.



O alucinante dedilhado inicial de guitarra na música seguinte, "Cause for Alarm", explode numa composição que mais parece uma atualização (para o bem) do Slayer. O ritmo só desacelera na terceira faixa, a intensa "Lost", que, com certeza, deve ficar ótima nos shows. E, hard rock na essência, tem aqueles refrões pra gente cantar junto. "Father of Lies" é mais uma excelente faixa, lembrando o thrash da velha guarda, anos 80, mas, sem soar datado, diga-se. Ah, e o refrão desta também gruda bem na cabeça depois de um tempo.

Com "Hell to Pay", já alcançamos a metade do disco, e (adivinhem?), o álbum continua empolgante. Vocais, guitarras, baixo e bateria no talo, sem descanso. Sem meias palavras. Só um pequeno solo no meio pra respirar um pouco. "It Can't Be This", finalmente, traz um tanto de "sossego", no quesito velocidade, visto que ela é mais cadenciada, porém, não deixa de ser mais pesada por isso. Outra faixa com carisma absurdo. Só que "Breakaway" já vem jogando toda e qualquer calmaria pro alto, com uma canção muito bem executada (e, rápida e raivosa).



"The Eletric Cell" é uma boa faixa, mas, só peca por ser igual demais às outras composições. Mas, o trabalho, ao todo, é tão bom que esse pequeno deslize é relevado. Até porque temos a estupenda faixa que encera o disco, "Let the Pieces Fall", e que é tocada com tanta garra e energia, que só podemos ter uma atitude correta diante do que acabamos de escutar: dar replay no álbum, da primeira à última faixa, sem pular absolutamente uma.

Muito provavelmente ainda não vai ser com este trabalho que a Death Angel terá um enorme sucesso. Não importa. Talvez seja até melhor assim. Afinal, depois de tantos anos, o grupo não perdeu a qualidade (muito pelo contrário). Agora, esperar os próximos trabalhos deles. Se for mais um disco com garra e energia, eu não me surpreenderei.

Link para fazer o download do disco:
http://metaltorrent.ucoz.com/publ/thrash_metal/death_angel_the_evil_divide_2016/2-1-0-1347


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…