Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Future, Present, Past" (EP) (2016)
Artista: The Strokes.


A indústria fonográfica não é um ambiente nada fácil. Muitas vezes, nem importa tanto o talento musical, e sim, como você sobrevive, dando o que o público quer, e ao mesmo tempo, não perdendo uma certa integridade. O que também é uma faca de dois gumes, pois, ou o artista se reinventa, e corre o risco de ser taxado de "traidor", ou ele permanece fazendo a mesmíssima coisa, e é acusado de estagnação. Há um meio termo? Provavelmente, sim, e o Strokes, pelo visto, está buscando esse equilíbrio.

Começou lançando o seminal "Is This It?", partindo para a boa continuação "Room on Fire", e culminando no competente "First Impressions of Earth". A partir daqui, foram as tentativas de reinvenção. "Angles" e "Comdown Machine" poderiam ser considerados ótimos álbuns caso fossem feitos por uma banda iniciante. Porém, o Strokes já tinha uma certa bagagem, e as experimentações de ambos os discos soaram meio estranhas, ora dando certo, e ora dando muito errado. Para piorar, "Comedown Machine" não teve a divulgação desejada, o que contribui, de certa forma, para o seu ostracismo.



E, eis que a banda está de volta, agora com um EP de apenas quatro músicas , que acaba servindo como um aperitivo para um álbum "cheio", que está para ser lançado em breve. E, ao que tudo indica, agora sim, o Strokes encontrou seu equilíbrio. Este EP abre com a sombria "Drag Queen", que, em muityo se assemelha à new wave anos 80, em especial, Joy Division e Echo and the Bunnymen. E, mesmo assim, não deixa de ter identidade, principalmente, na parte mais pesada, onde pudemos escutar os ecos dos melhores momentos de "Is This It?", o primeiro trabalho. Promissor.

"Oblivius", que está sendo a primeira canção a ser trabalhada na divulgação, jé lembra bastante os pontos altos do terceiro disco, "First Impressions of Earth", com uma guitarra quase dançante, e a voz arrastada e ébria de John Casablancas ditando o tom. Bastante melódica no refrão, também é outra música que denota que muita coisa boa vem por aí, e que o Strokes pode até surpreender num próximo lançamento. A minimalista, e muito bem executada, "Threat of Joy" é outra com forte teor oitentista, mas com roupagem tipicamente "strokeana". O EP se encerra com um dispensável remix para "Oblivius", do qual não vale muito a pena comentar.


Sim, o Strokes caminha a passos firmes para voltar. E, pelo o que podemos observar neste lançamento, em grande estilo. Provavelmente, não teremos um segundo "Is This It?", no entanto, é quase certo que teremos um ótimo disco, que periga ser um dos melhores lançamentos do ano. Pelo menos, a banda tem cacife pra isso. É esperar pra conferir.

Link para o download do EP:
https://kat.cr/the-strokes-future-present-past-ep-2016-flac-t12670721.html


Nota: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…