Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Origins - Vol. 01" (2016)
Artista: Ace Frehley.


A quem diga que o rock morreu. Sim, hoje em dia não parece haver alguma nova banda que daqui há alguns anos se transformará num gigante do gênero. Mas, a prova de que o estilo continua dando lampejos de vida é a insistência dos cânones em fazer boa música. Os velhos dinossauros, vez ou outra, ressurgem pra mostrar como se faz. E, eis que temos um dos discos mais bacanas de rock deste ano a cargo do senhor Ace Frehley, guitarrista de uma das melhores fases do Kiss.

O tempo de estrada fez bem a Ace, que aqui revisita temas de artistas que foram suas influências. Isso mesmo; estamos diante de um disco de covers (e, que covers!). O diferencial é que o guitarrista faz questão de executar versões que repeitam a estrutura original de cada canção, com as características de cada um dos artistas homenageados, mas, sem ser mera cópia. É Ace Frehley distorcendo sua guitarra, colocando muito veneno em cada acorde; coisa de quem tem a experiência necessária de saber o que está fazendo.



O interessante é que o álbum nem começa tão excelente assim, com a boa (mas, apenas correta) versão para "White Room", do Cream. Os slides de guitarra são estridentes, e podemos perceber toda a apurada técnica de Frehley, porém, o problema são os vocais, sem muita emoção. A coisa melhora (muito) com a visceral cover de "Street Fighting Man", dos Stones, que ficou bem idêntica à original, só que com toque mais moderno, e bem mais pesado. E, ela já abre caminho para outra versão arrasa-quarteirão, agora a cargo de "Spanish Castle Magic", do semi-deus Jimi Hendrix.

Não menos genial é o que Ace fez com "Fire and Water", do Free, que permaneceu com sua veia blues rock, mas, com a ajuda de Paul Stanley nos vocais, antigo parceiro de Frehley no Kiss, ela ficou mais encorpada (e, emocionante). "Emerald" é a homenagem do guitarrista ao seminal Thin Lizzy, que aqui teve a participação especial de Slash, que já é um espetáculo à parte. Isso tudo porque ainda está por vir a melhor versão do disco: "Bring it Home", do bom e velho Led, que, nas mãos de Frehley, não perdeu sua aura blues, ficando ainda mais empolgante.


"Wild Thing", assim como "White Room" é apenas uma música bem executada, mas, sem muito carisma, facilmente esquecível depois de ouvida. Voltando aos eixos, Frehley foca na própria casa, fazendo uma versão fantástica para "Parasite", de sua antiga banda, o Kiss. "Magic Carpet Ride", que vem a seguir, começa com uma pequena, mas potente, distorção, para depois mostrar uma música, cujos vocais, lembram um pouco algumas bandas alternativas da virada dos anos 80 para os 90. Ah, e essa canção é originária do Steppenwolf.

Retornando ao Kiss, com "Cold Gin", Frehley forja um clima que nos leva direto ao hard rock dos anos 80, quando sua banda mais famosa lançou clássicos absolutos, como "Creatures of the Night". Nostalgia pura. "Till the End of the Day" é rápida, como a própria versão original do Kinks, e, por fim, mais uma volta ao Kiss, com a soberba "Rock and Roll Hell", que fecha um trabalho despretensioso, mas, muito divertido, com chave de ouro.


Sim, o rock não morreu. Não, este disco não vai "salvar" o estilo. Sim, Ace Frehley mostra que experiência conta muito. E, não, talvez, não tenhamos, esse ano, outro álbum de rock com tanto frescor quanto "Origins". Como é apenas o volume 1, isso dá margem para que venham outras edições. Serão muito bem-vidas. É aumentar o volume, e reviver um tempo em que titãs andavam sobre a Terra.




Nota: 8,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…