Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"I Am the Fire" (2014)
Artista: Gus G.


"Disco de guitarrista" é sempre complicado, pois, geralmente, é tudo mais do mesmo. Aquele som feito pra "fritar", muita técnica, muito malabarismo, muita firula, e quase nenhuma música em si. Mas, claro, existe, aqui e ali, suas honrosas exceções, que fazem um disco ser audível, e, ao mesmo tempo, mostrar todo o talento do guitarrista em questão. Aqui, por exemplo, estamos falando de ninguém menos que Gus G., músico que já tocou com gente do naipe de um Ozzy Osbourne. Ou seja, o home tem bagagem, e demonstra isso em cada acorde desse disco.

O que diferencia "I Am the Fire" de outros trabalhos de guitarristas, é que nele, não temos só músicas cantadas, mas, músicas cantadas com feeling, carisma, emoção. Chegam quase a ser hits, daqueles feitos pra cantar junto em shows por aí. E, pra isso, o que não faltam são convidados especiais, que vão de David Ellefson (Megadeth) até Jeff Scott Soto. O disco, inclusive, começa até meio sem sal, com "My Will be Done", mas, melhora bastante com as duas seguintes, "Blame it on Me" e "I Am the Fire", dois bons exemplos de como um hard rock ganchudo deve ser.


A veloz e pesada "Vegeance" é a primeira instrumental do álbum, e mostra que uma composição não precisa ser monótona para mostrar do que um guitarrista é capaz. Toques de hard e thrash metal fazem desta música um dos destaques do trabalho. A bonita "Long my Down" é uma competente balada, que funciona bem. Não é o grande momento do disco, mas, segura as pontas de forma tranquila. Felizmente, ela é curta, e antecede outra balada, "Just Can't Let Go", esta bem melhor, apesar do vocal um tanto melódico demais.

O peso volta com tudo na arrasa-quarteirão "Terrified", mais uma instrumental que não cansa, e mostra toda a categoria de Gus G. Aí, temos mais um destaque do disco, a sensacional "Eyes Wide Open", pura hard rock anos 80, lembrando os trabalhos mais viscerais do Whitesnake. "Rendemption" é outra canção oitentista, que nos faz recordar sons como o do Van Halen, fase Sammy Hagar. Mais uma musicaça desse disco. "Summer Days", ao contrário, já é mais simples, e remete diretamente a um rock mais moderno e pouco inspirado, com óbvio destaque para a guitarra inspirada de Gus G. "Dreamkeeper" mescla muito bem uma veia ora acústica e calma, ora pesada e intensa. A belíssima balada "End of the Line" encerra tudo de maneira convincente. Belo final.




"I Am the Fire", é, no geral, um disco bem divertido. Não vai revolucionar nada, mas, é tão bem executado que se quer escutar tudo de novo, mostrando que um "disco de guitarrista" não precisa ser chato e pedante. Basta ter boas composições, que o ouvinte vai apreciar de todo o jeito.

Download do disco:
http://geektorrents.com/gus-g-i-am-the-fire-tf3936905.html


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…