Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Café Society" (2016)
Direção: Woody Allen


Para os autênticos cinéfilos, esperar, todo ano, um filme de Woody Allen é certeza de um cinema com qualidade, mesmo quando o baixinho novaiorquino não está, necessariamente, inspirado. Na verdade, o último grande filme dele já tem uns bons 5 anos ("Meia-Noite em Paris"), e, de lá pra cá, mesmo com trabalhos interessantes e acima da média,o diretor parece estar no piloto-automático. Continua inspirado, é verdade, mas, falta ir além, com aquele mesmo pingo de ousadia que o fez realizar a incrível releitura de Dostoiévski em "Match Point", por exemplo. Seu mais recente trabalho, "Café Society", sofre da síndrome "é bom, mas, poderia ter sido melhor".

A trama é puro Woody Allen, cheia de personagens neuróticos, traições amorosas, acontecimentos absurdos do cotidiano e piadas inteligentes. No meio disso tudo, conhecemos Bobby, que, aspirante a escritor, muda-se para Los Angeles a fim de ingressar na carreira cinematográfica com a ajuda do seu tio Phil, produtor de cinema. As coisas saem de rumo quando se envolve com Vonnie, secretária particular de seu tio. Paralelo a isso, vai se envolvendo cada vez mais com a chamada elite do cinema em Hollywood. Logo que chega, Bobby não se enquadra naquele estilo de vida, mas, aos poucos vai sendo cooptado por esse meio.




Só esse enredo já é suficiente para o bom e velho Woody mostrar suas características mais marcantes. O personagem neurótico da vez é Bobby, alter-ego do cineasta, que, mesmo ficando mais sisudo e introspectivo a medida que o tempo passa, mantém um ar meio ingênuo em relação à vida e às pessoas. Mas, o filme também revela outros personagens interessantes, como um dos irmãos de Bobby, que, metido no mundo dos gângsters, sempre resolve suas desavença de maneira um tanto "radical". Já, Phil e Vonnie, mesmo sendo parte imprescindível na trama, não são devidamente explorados, com exceção de alguns diálogos que mostram um pouco da personalidade deles, mas, não mais do que isso.

As piadas aqui estão contidas, porém, quando aparecem, funcionam. As melhores envolvem os pais de Bobby às voltas com as tradições judias, em impagáveis e divertidas conversas. Há também os habitais encontros e desencontros nos enredos de Allen, que proporcionam alguma graça, e dão algum interesse para a história, esta, um tanto fraca. E, talvez esse seja o grande defeito deste filme: sua trama excessivamente simplória, em que os sub-textos não são explorados em sua capacidade devida. Só pra se ter uma ideia: mesmo com um enredo igualmente simples, "Para Roma com Amor" soube expressar muito bem a banalidade e efemeridade das celebridades instantâneas, gerando, com isso, um debate bacana. Em "Café Society", algumas questão nem chegam a arranhar a superfície.




Com a possibilidade desperdiçada de abordar melhor certos temas, o que sobra, ainda assim, acaba sendo bom. Referências ao cinema clássico de Hollywood aparecem aqui e acolá, com Phil, integrado à elite de Los Angeles, usando e abusando de seus contatos com estrelas da sétima arte. O ar cool do local e do período histórico também proporcionam bons momentos no sentido musical, principalmente, quando Bobby passa a gerir o Café Society, um dos lugares mais badalados de Nova Iorque. O jazz, óbvio, impera nessa parte, e é de muito bom gosto, como era de se esperar. 

O que não era de se esperar, e realmente não surpreendeu, foram as atuações. O trio principal de protagonistas (Jesse Eisenberg, Kristen Stewart e Steve Carell) estão apenas "ok" em seus respectivos papeis. Nada de extraordinário, mas, funcionam bem, sendo que, muitas vezes, os coadjuvantes acabam se saindo bem melhor. Já, a direção de Woody está boa e razoavelmente segura, pecando pelo fato da narrativa, muitas vezes, ser acelerada demais. Um pouco mais de desenvolvimento da história cairia bem. Com isso, o filme ficaria mais longo, mas, pelo menos, a trama estaria mais bem resolvida, sem tanta correria nos acontecimentos.




"Café Society" é um filme recomendável? Sim. Afinal, um Woody Allen mediano ainda se destaca em meio ao que está sendo feito hoje em dia. Mesmo assim, falta algo. Não importa se é a ousadia de um "Match Point" ou a leveza desconcertante de "Meia-Noite em Paris", o certo é que Woody já está nos devendo um trabalho verdadeiramente marcante há um bom tempo. Mas, como o baixinho já nos presenteou com verdadeiras pérolas do cinema em outras ocasiões, daremos um merecido desconto a ele. Enquanto isso, estaremos lá, todo ano, assistindo a seus filmes, que, mesmo quando não são uma maravilha, valem o ingresso.


Nota: 7/10


Classificação:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…