Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"Bloco do Eu Sozinho" (2001)
Artista: Los Hermanos.




O "Angel Dust" dos Los Hermanos. Ou seria o "Sgt. Peppers" dos Los Hermanos? Não importa como queiram tachá-lo. Quebra de paradigmas; teste aos fãs. Sim, meus caros, atitude. Mas, não aquela falsa, da moda, que faz os jovens atuais pedirem uma ditadura militar, por exemplo.

Ousadia. Talvez o último momento da música brasileira em que essa palavra fez sentido. A briga com a gravadora da banda à época (a Abril Music) e a insistência do grupo em lançar o material, mesmo com algumas modificações, não tem paralelo recente na indústria fonográfica daqui.




Teria ido o Los Hermanos longe demais? Provavelmente. E, que bom! De que se valeria a grande arte sem a transposição desses limites? Calculado ou não, o risco em se lançar "O Bloco do Eu Sozinho" foi grande. Resultado imediato: uma legião (enorme) de fãs comprou a ideia da banda, e passou a admirá-los mais.

O negócio é o seguinte: não tem um único hit nesse disco. Tudo bem, vamos nos esforçar um pouco. Talvez a primeira música de trabalho ("Todo Carnaval tem seu Fim") seja a coisa mais fácil que encontraremos aqui. E, percebam que a canção possui belíssimos e elaborados arranjos. Realmente, é um disco que merece atenção redobrada.




Elaboração é a chave do álbum, por sinal. O jogo de palavras e estrofes em "Cadê teu Suin?" é deveras inteligente. "Cher Antoine", cantada quase toda em francês, também se destaca nesse parâmetro bem cuidado que a banda adotou para compor o disco.

As letras estão mais passionais, melancólicas, tristes. Longe da explosão juvenil do álbum de estreia, aqui encontramos maturidade e reflexão em muitos momentos. Alma na bandeja, sem medo de soar egoísta.

"Minha flor serviu pra que você achasse alguém, um outro alguém que me tomou o seu amor" (em "A Flor").

"Eu só a condição de ter você só pra mim, eu sei não é assim, mas deixa" (em "Sentimental").

"Hoje, eu quis brincar de ter ciúme de você, mas sem porquê meu coração me avisou que não fingir na hora de rir" (em "Fingir na Hora de Rir").




A sonoridade das músicas é um caso à parte. Mescla de tudo; de hardcore à samba, de reggae à marchinhas de carnaval. O critério, ao que parece, foi um só: que tais colagens fizessem sentido, em harmonia, onde as canções fossem muito, mas muito bem tocadas. Não à toa, alguns se chocaram ao ouví-lo pela primeira vez.

Irretocável do começo ao final, "O Bloco do Eu Sozinho" foi uma bem-sucedida busca pelo bom gosto na música atual. Sem clichês, afetações; apenas a inquietação de que sabia que podia mais. E, fizeram.

De fato, os notórios barbudos foram longe demais.


NOTA: 10/10.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…