Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho 4, 2017
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…
Dica de Documentário

"Laerte-se"
2017
Direção: Lygia Barbosa da Silva e Eliane Brum


ÓTIMO DOCUMENTÁRIO DESNUDA UM POUCO DA PECULIAR PERSONALIDADE DE LAERTE PARA O GRANDE PÚBLICO
Algumas pessoas públicas atualmente são tão peculiares que merecem ter a sua história contada. O cartunista e chargista Laerte teve esta honra. Primeiro documentário produzido exclusivamente pela Netflix, "Laerte-se" expõe de maneira muito bonita e honesta um pouco da trajetória de Laerte Coutinho, 65 anos, que, desde 2010, resolveu assumir de vez o seu lado feminino, para choque de alguns, e encanto de tantos outros. A produção traça, respeitosamente, a vida do artista, começando da sua infância, passando pela adolescência, chegando à fase adulta, e chegando ao momento em que ele assume a sua sexualidade e o seu modo feminino de ser de forma plena.



Dirigido por Lygia Barbosa da Silva e entrevistado por Eliane Brum, "Laerte-se" é intimista e não possui pudores quando o assuntos é desn…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Toni Erdmann"
2016
Direção: Maren Ade


FILME SENSAÇÃO NOS FESTIVAIS POR ONDE PASSOU, "TONI ERDMANN" NÃO SUSTENTA O HYPE, E SE MOSTRA UM DRAMA PESADO E POUCO INSPIRADO
Há um sério problema em relação à unanimidade: geralmente, ela esconde o posto do que se diz. Quando algo é excessivamente bem falado, é quase certo de que não é tão bom assim (o contrário também é válido). No cinema, especificamente, não faltam filmes cujo hype é altíssimo, mas, quando assistidos, não passa de um grande engodo (a produção nacional "Aquarius" foi um bom exemplo disso ano passado). Coincidentemente, também do ano passado, tivemos um filme alemão extremamente elogiado, que chegou a concorrer ao Oscar em 2017, mas, que, como em toda unanimidade que se preze, acabou se mostrando uma produção bem mediana. Trata-se de "Toni Erdmann".



O grande problema do longa é que ele tenta ser uma coisa que não é: uma comédia. Mas, tudo bem, vamos supor qu…
Dica de Filme

"O Uivo"
2015
Direção: Paul Hyett


TERROR SOBRE O CONHECIDO MITO DO LOBISOMEN ACERTA AO APOSTAR NA SIMPLICIDADE DA HISTÓRIA, UNIDA A UMA TENSÃO CONSTANTE
Filmes de terror não precisam ser complexos, é verdade, mas, ao mesmo tempo, necessitam do mínimo de eficiência para cumprirem bem o seu papel, que é o de assustar. E, incrivelmente, é este o problema de muitas produções do gênero atuais: elas não assustam. Isso porque muitos, na ânsia de conseguirem o seu intento, investem num clima de suspense que nunca se concretiza, deixando, muitas vezes, o resultado monótono, para só no final tentar surpreender. É, então, que chegamos a "Howl: O Uivo", que, se não reinventa a roda, ao menos é um eficiente exercício de tensão, conseguindo ser um ótimo entretenimento dentro de um subgênero tão desgastado quanto o de "filmes de lobisomen".



A trama tem como ponto de partida a história de Joe, que trabalha como segurança de viagem de trens. Após uma promoção su…
Filme Não Recomendável

"Alien: Covenant"
2017
Direção: Ridley Scott


MAIS UM EXEMPLAR DA CINESSÉRIE "ALIEN" É JOGADO NA VALA COMUM DA FICÇÕES CIENTÍFICAS MEDÍOCRES (MAIS UMA VEZ)
Há casos em que vamos assistir a um filme com a mínima expectativa possível, e nos surpreendemos. Mas, há outros, no entanto, que cumprem a promessa de não oferecerem nada de relevante, e este é o caso de "Alien: Covenant", mais um filme protagonizado pelo macabro xenomorfo, monstro criado pelo artista plástico suíço H. R. Giger. A questão é: depois do hoje jurássico "Aliens: O Resgate", ainda há espaço para a mitologia do Alien no cinema? Como os tempos são outros, o diretor Ridley Scott, que comando o primeiro filme da cinessérie em 1979, resolveu revisitar o seu maior clássico no irregular "Prometheus" (afinal, sabem como é, tudo precisa ser milimetricamente explicado através de de um "filme de origem", um "prelúdio", digamos assim). E, eis q…