Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro 1, 2015
Especial

10 Discos Feministas Para Comemorar sua Aprovação no ENEM


Você entendeu a questão que citava Simone de Beauvoir? Percebeu que a prova do ENEM estava repleta de ideias diferentes, não podendo ser chamada de "doutrinadora"? Fez uma redação redondinha, supercoerente, posicionando-se a favor do respeito e da dignidade da mulher? Então, minha amiga e (principalmente) meu amigo, estes discos são para comemorar seu ingresso na faculdade.

Bons estudos!


10º
"Sleater-kinney" (1995)
Artista: Sleater-kinney
Destaque do disco: "Real Man"
As mulheres no rock'n roll são raras. No punk, então, poucas têm vez e voz. O grupo Sleater-kinney, formado em Washington, destaca-se por ter uma posição feminista dentro e fora dos palcos. Seus álbuns, frequentemente, denunciam o machismo e a misoginia que ainda imperam na sociedade. E, tudo embalado num som de muitíssima qualidade. Detalhe: continuam na ativa, e fazendo discaços.



"Vengo" (2014)
Artista: Ana Tijoux
D…
Dica de Filme

"Shortbus" (2005)
Direção: John Cameron Mitchell.


As necessidades humanas; tão frágeis e tão desconcertantes, que buscamos por elas com frequência. Pode parecer vaidade, mas, é só carência. Pode ser extravagância, porém, acaba sendo a busca por um sentido real da vida. A corrida pelo prazer, a obrigatoriedade do carnal, das paixões, cada vez precisando ser mais profundas, mais sinceras, mais espontâneas. Em linhas gerais, é mais ou menos disso que trata "Shortbus".

Engana-se quem pensa que se trata de um filme erótico, ou uma mera comédia. Mas, não se culpem; ele foi vendido assim, e justamente por isso, foi um pouco mal-interpretado quando estreou nos cinemas. Só que essa confusão parece ter sido proposital. O diretor (e, também roteirista) John Cameron embalou reflexões bastante dolorosas em cenas leves, despojadas. Durante uma "brincadeira", por exemplo, um dos personagens diz: "Com 11 anos, eu escrevia um diário, e hoje me pego deseja…
Especial 10 Discos que Mudaram a Música Popular com Apenas uma Canção
Existem discos clássicos, em que todas as músicas são simplesmente formidáveis. Mas, há aquele seleto grupo de grandes obras, que foram importantes por causa de apenas uma canção. Sendo influência primordial para as gerações seguintes, uma composição, apenas, pode ter o poder de moldar toda a identidade de um gênero musical. Por isso, esta lista se presta a relacionar essas músicas que foram importantes (dentro do seu estilo), mas sem desmerecer os álbuns aos quais elas pertencem.
Boa viagem...

10º Música: "Thriller" Disco: "Thriller" Ano: 1982 Artista: Michael Jackson Estilo que moldou: pop

Este é um dos raros casos em que uma música ultrapassou a importância do seu som para influenciar outras mídias. É impossível dissociar "Thriller" de seu fantástico videoclipe, praticamente um curta-metragem de terror, dirigido por ninguém menos que John Landis ("Um Lobisomen Americano em Londres"…
Especial
10 Memoráveis Filmes de Terror

Para muitos, sentir medo é algo extremamente insuportável. Mesmo uma mera obra de ficção pode causar temores profundos (quem já não ficou sem dormir depois de ter assistido um filme de terror bastante pesado?). Esta lista procurou citar alguns dos melhores que, explícitos ou não, ainda causam calafrios em muita gente que assiste.


10º
"Poltergeist - O Fenômeno" (1982)
Ok, fazer um filme sobre espíritos malignos pode ter virado moda, mas, no início da década de 80, isso ainda era novidade. Unam-se a isso efeitos especiais bem bolados, uma direção segura de Tobe Hooper (o mesmo que fez "O Massacre da Serra Elétrica") e a mão como produtor de Spielberg. Sim, tudo deu certo nessa produção, que gera um medo autêntico de forças sobrenaturais. A misteriosa morte da atriz mirim Heather O'Rourke, alguns anos após o lançamento de "Poltergeist", só aumenta a aura macabra dele.



"Hellraiser - Renascido do Inferno" (19…
Dica de Filme

"O Casamento de Maria Braun" (1979)
Direção: Rainer Werner Fassbinder.


Por mais que se queira negar, a figura feminina no cinema, com suas honrosas exceções, sempre foi colocada de uma forma distorcida, machista, enfim. Trata-se da velha estória da mocinha que é salva pelo herói de um grande bandido. A personalidade de muitas personagens femininas nos filmes é fraca, limitando-se a ser, às vezes, o alívio cômico de inúmeros enredos. Mas, há aqueles que espantam por mostrarem uma mulher verdadeiramente forte.

Maria Braun está nesse seleto grupo. Em meio à Segunda Guerra, ela se casa com Hermann, por quem nutre um amor, que, apesar do pouco tempo que se conheceram, parece já ser bem consolidado (pelo menos, na cabeça de Maria). Tanto é que, com o desaparecimento dele em combate, ela não desiste de procurá-lo. Atravessa ruínas e mais ruínas, pendurando um cartaz com a foto e o nome de Hermann.



Nesse meio tempo, começamos a vislumbrar o caráter da protagonista, que n…