Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março 19, 2017
Dica de Filme

"Fragmentado"
2017
Direção: M. Night Shyamalan


MCAVOY (EM ESTUPENDA ATUAÇÃO) E SHYAMALAN (APENAS COMO DIRETOR, E NÃO COMO ROTEIRISTA) SALVAM "FRAGMENTADO" DO DESASTRE

O diretor M. Night Shyamalan, há muito tempo, não entrega um filme realmente bom. O último foi ainda no longínquo ano de 2001, com o interessante (mas, não espetacular) "Corpo Fechado". Voltar à ótima forma da sua brilhante estreia (a cargo de "O Sexto Sentido") parecia algo impossível, já que o resto da filmografia dele é, de fato, constrangedora ("Sinais", "Vila", "A Dama da ÁGua", "Fim dos Tempos" e "O Último Mestre do Ar"). Mas, eis que 2015 trouxe uma luz: o bom "A Visita", que, se está longe de ser memorável, pelo menos, não comprometeu ainda mais a carreira do cineasta. E, finalmente, chegamos a 2017, e seu mais novo filme, "Fragmentado". E, verdade seja dita: aqui, quase que o resultado derrapav…
Dica de Filme

"O Pescador de Ilusões"
1991
Direção: Terry Gilliam



A INSUSTENTÁVEL LEVEZA DA VIDA, POR TERRY GILLIAM

No cinema, um tema pode ser abordado de diversas maneiras, e, muitas vezes, é isso o que delimita se um filme será bom ou não. Isso vai depender muito de seu realizador (ou realizadores). Por exemplo: histórias de superação depois de um trama, de uma tragédia, temos aos montes por aí, e estão tanto em produções de terror, quanto no gênero gospel (só pra se ter uma ideia). Portanto, para se diferenciar num enredo desse tipo é preciso que o filme seja, digamos, no mínimo, peculiar; tão peculiar quanto o seu autor. E, nesse aspecto, o cineasta Terry Gilliam cai como uma luva para realizar essa tarefa. Mais excêntrico do que Tim Burton e Wes Anderson juntos, o ex-Monty Python sempre teve uma filmografia diferenciada, e "O Pescador de Ilusões" é, sem dúvida, uma de suas melhores realizações.



Tudo funciona perfeitamente bem na história, e, em grande parte, graç…
Dica de Filme

"O Rei da Comédia"
1982
Direção: Martin Scorsese


O PRELÚDIO DA SOCIEDADE (DECADENTE) DO ESPETÁCULO

Um tema recorrente na extensa filmografia de Scorsese é a solidão. Desde o clássico "Taxi Driver", até a produções mais recentes, como "Ilha do Medo", o diretor parece ter predileção por personagens deslocados, à margem da sociedade, cuja visão particular de mundo confere a eles o estigma de loucos, mas, que, na realidade, não passam de pessoas com sérios traumas, porém, que não deixam de ter uma certa verdade em suas atitudes. Ao mesmo tempo, são personagens tragicômicos, daqueles que nos causam uma profunda tristeza, ao mesmo tempo que rimos com eles dos absurdos da vida. Esta, em linhas gerais, é a descrição de Rupert Punpkin, protagonista de "O Rei da Comédia", um dos filmes menos conhecidos (e, mais avassaladores) de Scorsese.



Aqui, há um diferencial em relação às demais obras do diretor: a sutileza em criticar a condição humana, na …
Lista

Os 100 Melhores Discos da Década de 90

Muitos dizem que a década de 90, em termos de música, foi o último lampejo de criatividade que tivemos. Compreensível. O impacto de movimentos como o grunge e o manguebeat foram enormes, e a morte precoce de dois ícones daquela geração (Kurt Cobain e Chico Science), sem dúvida, foram sentidas como grandes perdas. Além disso, foram anos realmente movimentados na indústria fonográfica. O grunge, vindo diretamente de Seattle, mostrou que os artistas independentes podiam ter vez e voz no mercado, desbancando, mesmo que momentaneamente, muitos dos "medalhões" da época. O mesmo aconteceu no Brasil, com o movimento mangue, e a ascensão de bandas alternativas, como Chico Science e Nação Zumbi e Raimundos, que conseguiram furar o bloqueio da mídia (infestada, na época, pelo sertanejo, pagode e axé), conseguindo relativo sucesso. Ao mesmo tempo, tivemos a famigerada febre das boys bands, mostrando que nem tudo é perfeito, aonde tivemos inúme…