Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril 2, 2017
Dica de Filme

"Flocken: O Rebanho"
2015
Direção: Beata Gårdeler


A CULPABILIZAÇÃO DA VÍTIMA NUM FILME DOLOROSAMENTE ATUAL

Seria ótimo que alguns filmes não precisassem ser feitos, que eles nem sequer fossem cogitados em serem realizados. Não estou falando da qualidade cinematográfica dessas obras, em si, mas, que, pela urgência com que seus temas dialogam com a realidade atual, seria muito bom que esse tipo de filme fosse só cinema de qualidade, e pronto, que ele não incomodasse (tanto) por falar de algo que está aí, na nossa frente, cotidianamente, para nos mostrar o quanto somos atrasados e bárbaros. Dito isto, "Flocken: O Rebanho" trata de estupro. Mas, não só: vemos como se constroi a culpabilização da vítima desse tipo de violência, e como a mulher ainda está distante de qualquer ambiente que lhe seja favorável, seja na Índia, seja na Suécia (país no qual se passa o filme).



O filme não demora muito para mostrar a que veio. No meio de uma festa de casamento onde tod…
Dica de Filme

"As Noites Brancas do Carteiro"
2014
Direção: Andreï Konchalovsky


O ISOLAMENTO SOCIAL COMO BUSCA POR UM SENTIDO MAIOR NA VIDA

Alguns países possuem uma aura maio mística no imaginário popular. É o caso da Rússia. Para o bem e para o mal, após a implantação do Comunismo por lá, bem como a sua participação na Guerra Fria, quase sempre criaram uma polaridade do tipo "ame ou odeie". Nesse aspecto, é até interessante vislumbrar o cinema feito por lá, pois, a despeito dos noticiários tendenciosos, a sétima arte parece dizer mais de uma nação do que os folhetins jornalísticos. E, recentemente, vem surgindo uma ótima safra de filmes russos que provocam o nosso entendimento a cerca do país, ao mesmo tempo que critica com bastante ironia e sutileza o Estado Russo. Foi assim com o incrível "Leviatã". E, foi assim também com este "As Noites Brancas do Carteiro".



O filme começa despretensioso, quase documental, retratando o cotidiano de uma pequena…
Filme Não Recomendável

"A Vigilante do Amanhã: Ghost in the Shell"
2017
Direção: Rupert Sanders


VERSÃO LIVE ACTION DE INFLUENTE ANIME JAPONÊS É PÁLIDA E SEM IDENTIDADE, E CONFIRMA TENDÊNCIA ATUAL DE HOLLYWOOD EM REQUENTAR VELHAS E BATIDAS FÓRMULAS
O ideal seria analisar o filme "A Vigilante do Amanhã: Ghost in the Shell" apenas pelo o que ele é, sem nenhum tipo de comparação, principalmente, com o material original da história (tanto o anime, quanto o mangá). Bem, "seria" o ideal. Mas, a produção não se permite ter méritos próprios, preferindo ficar na zona de conforto tanto do material original, quanto de outras produções clássicas da ficção científica. Além da animação de 1995, encontramos no longa ecos de outros filmes influentes do gênero, como "Blade Runner" e "Matrix", só que sem o mínimo talento para mostrar algo novo, ou, pelo menos, subverter velhos clichês a seu favor. Parafraseando o narrador de "Clube da Luta", o que …
Dica de Documentário

"Precisamos Falar do Assédio"
2016
Direção: Paula Sacchetta


AS VEIAS ABERTAS DE UM PROBLEMA QUE INSISTIMOS EM IGNORAR

Poucas mulheres se propõem a falar do assédio. Umas, porque ainda não perceberam o quanto ele é nocivo numa sociedade machista. Outras, não falam por medo, já que a mulher que se levanta contra esse tipo de violência, logo é estigmatizada da pior forma ("mal comida", "mal amada", "feminazi"..). Já, os homens é que não falam mesmo sobre o assédio. Na posição de "machos", muitos acham que têm direito sobre o corpo da mulheres, e que uma "cantada", por mais desrespeitosa que seja, é, na verdade, um "elogio". Então, cabe a elas se resignarem e aceitarem caladas, e a eles é dado todo o direito a possuir a mulher que desejar (em todos os aspectos).



O documentário "Precisamos Falar do Assédio" é, portanto, a resposta a uma grave demanda: a das mulheres que precisam, ao menos, desa…
Lista

Os 100 Melhores Discos da Década de 80

É quase unanimidade que o último período de criatividade na música se deu na década oitentista. Na verdade, exageros à parte, não sejamos tão fatalistas; muita coisa boa foi feita após esse período. Mas, é inegável que os anos 80 foram bastante interessantes para o mundo da música, apesar dela ter se mostrado propositalmente cafona, brega e espalhafatoso em muitos aspectos (é só conferir o visual de muitas bandas da época, principalmente, as de heavy metal). Em termos de som, também é verdade que o pop um tanto fácil (para as massas) atingiu seu apogeu, atingindo bandas outrora elaboradas, como o Queen e o Genesis, que passaram a fazer algo mais palatável ao grande público. Mesmo assim, foi um período de boa efervescência musical em outros pontos. O pós-punk deprê do Joy Division fez escola, bem como a barulheira alternativa do Jesus and Mary Chain e do Sonic Youth, grupos estes, essenciais para o grunge que surgiria na década seguinte. Por …