Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro 2, 2016
Dica de Disco

"Whore" (2016)
Artista: Mephistofeles


O rock pesado é realmente um estilo bem peculiar. Quem diria que, justamente, na Argentina iríamos encontrar uma banda tão boa quanto o Mephistofeles, que possui o corpo e a alma do Black Sabbath, mas, que não se limita a ser uma mera cópia do clássico grupo britânico? Pois, é exatamente o que temos com esse disco, "Whore". Da sonoridade rasgante das guitarras, passando pelos vocais sombrios, e até a capa "viajada", tudo lembra bastante o grupo do sr. Ozzy "Madman" Osbourne. Mas, para a nossa felicidade de todos os fãs do velho rock'n roll, o que temos aqui são canções que se sustentar por si, mesmo que a influência esteja clara o tempo todo.
Formado em 2013 por Gabriel Ravera nos vocais e guitarras, Iván Sacharczuk na bateria e Ismael Dimenza no baixo (isso mesmo: mais um vigoroso power trio!), o Mephistofeles chega ao seu primeiro lançamento como gente grande, com uma incrível maturidade pa…
Dica de Disco

"The Sun" (2014)
Artista: Somali Yacht Club


Hoje, mais do que nunca, o mundo da música é efêmero. Bandas vêm e vão com velocidade incrível. Algumas engrenam, outras morrem na praia. Muitas nem chegam a ser devidamente conhecidas. Por exemplo: o nome Somali Yacht Club pode soar estranho pra alguns, e, de fato, é. O grupo foi formado recentemente (em 2010), e são ucranianos. Não ajudou muito? Então, que tal dizer que eles fazem um vigoroso pós-stoner, que revitaliza (e muito) o que bandas como Kyuss e Monster Magnet já fizeram? Ok, ainda deve estar meio turvo na mente. Que tal dizer, por fim, que estamos diante de uma mistura azeitada de Blue Cheer com Pink Floyd? Processou? É bem por aí, e mais.
Pra fazer stoner rock, não basta toneladas de efeitos nas guitarras, muito menos, um pseudo-clima viajante. É preciso carisma, entender a estrutura do som que se quer fazer, e elevá-lo à enésima potência. A música tem que ser intensa, emocional, colocar o ouvinte em estági…
Dica de Filme

"Angel-A" (2005)
Direção: Luc Besson


O cineasta Luc Besson já é velho conhecido do grande público por seu jeito de fazer cinema ultra-estiloso (vide "O Profissional", "O Quinto Elemento" e, mais recentemente, "Lucy"). Mesmo com esses filmes tocando em assuntos interessantes, não deixam de ser um tanto superficiais e caricatos em demasia, servido como deslumbre visual, mas, de pouco conteúdo. Nesse contexto, "Angel-A" é uma espécie de "patinho feio" na filmografia de Besson, justamente, por conseguir equilibrar muito bem uma técnica apurada, com sub-textos muito pertinentes e mostrados de forma bem reflexiva.

De cara, acompanhamos André, um pobre diabo que vive endividado e sob constante ameaça de criminosos. É espancado, mal-tratado e humilhado constantemente. Não vê sentido na vida. Acha-se um lixo em forma de gente. Não demora muito para que ele tente se matar, mas, é aí que sua vida também muda. Conhecendo Ânge…
Lista

10 Importantes Desconstruções dos Nossos Paradigmas Culturais


Lugares-comuns fazem parte da nossa cultura. Gostamos de usá-los, pois, geralmente, são ideias muito fechadas, que não exigem muita reflexão. São verdadeiros jargões considerados imutáveis. Quem ousa questionar algum deles, logo é taxado de chato (pra não dizermos algo pior). Mas, será que o mundo está chato mesmo, ou somos nós que nos recusamos a evoluir? Será que não está na hora de revermos certos conceitos, e melhorarmos nossa visão de mundo? Pensando nisso, preparei uma lista básica de 10 paradigmas sociais que ainda persistem, e que já está na hora de caírem por terra (ou, pelo menos, serem bem questionados). Uma ode ao bom debate!

10°
"Lolita" e seus sub-produtos são apologia à pedofilia
Quando o escritor russo Vladimir Nabokov lançou seu mais famoso livro, "Lolita", em 1955, talvez, não tivesse noção do alcance que seu texto pudesse ter na cultura do imaginário masculino, ao erotizar a figura,…
Dica de Disco

"Popestar" EP (2016)
Artista: Ghost


Eis que depois de uma ótima estreia ("Opus Eponymous"), uma continuação não tão inspirada assim ("Infestissumam") e uma grata surpresa ("Meliora"), o Ghost lança seu segundo EP (o primeiro foi o bom "If You Have Ghost"). Não tem muito o que se esperar de "Popestar", além do fato de termos aqui cinco ótimas canções que servem como uma espécie de continuação de "Meliora". Claro, há sempre os fãs de metal xiitas que vão dizer que a banda é poser por se apresentarem maquiados (pelo visto, nunca ouviram falar de Alice Cooper ou Kiss!), ou então de que o som não tem peso suficiente (como se o bom rock precisasse de toneladas de guitarras).
O que importa mesmo é se a música é boa, ou não. E, nisso, o Ghost ganha pontos, queiram ou não queiram os juízes. O EP começa de maneira inspirada com "Square Hammer", com seu refrão grudento, e boa condução instrumental. Segue …