Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio 1, 2016
DICA DE DISCO

"Afrociberdelia" (1996)
Artista: Chico Science e Nação Zumbi.


Eis que o visionário "Afrociberdelia" está completando exatos 20 anos agora em 2016. Segundo disco de Chico e da Nação, ele mostrou, mais ou menos, os rumos que a banda iria traçar dali para frente. Não é segredo pra ninguém que "Da Lama ao Caos", mesmo fazendo relativo sucesso, não agradou o grupo, que queria algo menos "roqueiro", menos "pop", e consequentemente, mais voltado às raízes da banda. Por isso mesmo, chamam um velho amigo para produzir o trabalho: Eduardo BID. E, deu muito certo.

Sem as amarras estéticas ditadas pelo produtor conhecido produtor Liminha, responsável pelo trabalho anterior, a banda pôde, enfim, realizar com vontade e folga sua (ainda hoje) incrível mistura de ritmos populares, como côco, maracatu e caboclinhos, com o que de melhor vinha de fora, do afrobeat do Fela Kuti, às guitarras distorcidas do Sepultura. O resultado é um compêndio…
Matéria - Cinema

10 Refilmagens do Cinema Melhores que os Originais


Hoje em dia, virou moda no cinema refilmar boas produções de anos anteriores. Infelizmente, a maioria esmagadora dessas empreitadas é grande um tiro no pé, gerando filmes despropositados e extremamente ruins (as novas versões para "Carrie - A Estranha", "Oldboy" e "Martyrs" exemplificam bem isso). Mas, como toda regra existe graças às suas exceções, houveram aqueles momentos raros na história da sétima arte em que os remakes ultrapassaram os originais em termos de qualidade, tornando-se até mesmo produções com identidade. Portanto, vamos à lista com 10 dessas preciosidades.


10º
Refilmagem: "Os Doze Macacos" (1995)
Original: "La Jetée" (1962)
O curta-metragem francês "La Jetée" já tinha um quê meio surreal, sendo composto quase que exclusivamente de fotografias. O diretor (não menos surreal) Terry Gillian ampliou o conceito pós-apocalíptico do curta, e fez um long…
DICA DE DISCO

"IV" (2016)
Artista: Carlos Santana.


Há nomes na música que, de tantos bons serviços prestados à sua arte, já não precisariam fazer mais nada. Um deles é Neil Young. Outro, é Bob Dylan. O estupendo guitarrista mexicano Carlos Santana se encaixa, facilmente, nessa prerrogativa. Tendo feito um show hipnótico ainda no longínquo primeiro Woodstock, e cravando sua marca como um dos melhores guitarristas de todos os tempos graças ao atemporal "Abraxas", Santana, no últimos anos, galgou um sucesso estrondoso (e, inusitado), devido ao acento pop de discos como "Shaman" e "Supernatural". Mesmo não tendo que provar mais nada, no entanto, faltava mostrar às recentes gerações porque este (agora) distinto senhor sempre foi considerado mestre. E, a resposta veio com "IV".

As duas primeiras canções do álbum ("Yambu" e "Shake It") são um empolgante cartão de visitas, e retomam aquela aura dos primeiros discos do guitarr…
DICA DE FILME

"Um Brinde à Amizade" (2013)
Direção: Joe Swanberg.


Gêneros cinematográficos servem, em princípio, para delimitar gostos e orientar as escolhas do espectador. No entanto, hoje em dia são a "desculpa perfeita" para a falta de criatividade. Qualquer gênero possui os seus clichês, mas, nenhum filme precisa seguí-los à risca. Ao contrário, é sempre gratificante quando assistimos algo que subverte as regras do jogo, e chega a surpreender. Nas seara das comédias românticas, parece que não há mais nada de bom que possa ser feito. Será? Pois, bem: "Um Brinde à Amizade" prova que ainda se pode contar uma boa história assim, e com o frescor da novidade.

Muitos dos méritos da produção se devem ao cineasta Joe Swanberg. Um dos mais promissores nomes da cena independente atual, Joe, desde 2005, já dirigiu mais de 20 filmes, entre dramas, comédias e até um conto de terror. E, todos muito bem conceituados. A diferença dele pra outros diretores pseudo-cults é…
DICA DE FILME

"Capitão América: Guerra Civil" (2016)
Direção: Joe e Anthony Russo.


E, lá vamos nós para mais um filme de super-heróis este ano. Claro, o prognóstico não é dos mais favoráveis, pois, apesar de terem feito sucesso, "Deadpool" e "Batman vs Superman", as primeiras grandes produções do gênero em 2016, mostraram-se bem aquém do esperado (pelo menos, pra mim). Dois filmes que tinham tudo pra injetar alguma ousadia no universo sempre morno dos quadrinhos na tela grande, mas, que cujo resultado final ficou forçado e pouco marcante. O que esperar, então, de "Capitão América: Guerra Civil?

Bem, os dois primeiros filmes do herói, mesmo sendo repletos de defeitos, ainda assim, conseguiram ficar um pouco acima da média, e até ousaram mais em mostrar alguns debates até pertinentes e inusitados para esse tipo de gênero no cinema, como o controle militar, a cultura do medo, etc. Apesar disso, invariavelmente, tais produções sempre desandavam para o bom …