Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho 18, 2017
Disco Mais ou Menos Recomendável

"Feed the Machine"
2017
Artista: Nickelback


COM UM ROCK, EM GERAL, APÁTICO, O NOVO DISCO DO NICKELBACK EMPOLGA POUCO E ENTEDIA MUITO
Algumas bandas dão motivos suficientes para serem odiadas, como o Creed e o Limp Biskit (afinal, quem ainda suporta essas cópias descaradas do Pearl Jam e o Faith no More, respectivamente?). Já, outras, ganharam "fama" por serem bastante odiadas, mas, verdade seja dita: não mereciam, apesar de também não fazerem por onde se destacaram no cenário atual da música. É o caso, por exemplo, do Nickelback, que se, por um lado, possui um som até competente, por outro, faz aquele velho "mais do mesmo", que nem fede, nem cheira. E, isto está presente em praticamente todos os discos da bandas, e este "Feed the Machine" não é exceção. 


O diferencial, desta vez, (se é que podemos chamar de "diferencial") é que a banda volta, digamos, "engajada", com um trabalho que possui um cert…
Dica de Filme

"Raw"
2016
Direção: Julia Ducournau


DRAMA COM TOQUES DE HORROR NÃO JUSTIFICA TODO O HYPE QUE RECEBEU, MAS, NÃO DEIXA DE SER UMA OBRA INTERESSANTE
Muitas vezes, o hype pode estragar a experiência de se assistir um filme. Algumas obras são tão faladas que acabam despertando mais curiosidade por exageros seja do público, seja da mídia especializada. No caso de "Raw", houve um verdadeiro alvoroço depois que o filme causou um grande mal-estar em alguns espectadores no Festival de Toronto no ano passado, chegando ao ponto de uma ambulância chegar ao local para socorrer quem estava passando mal durante a sessão. Era o motivo que muitos procuraram para taxar "Raw" de "o mais mais perturbador do mundo", e outras coisas do tipo. Porém, tirando-se todo essa expectativa, o que sobra? Um filme, a bem da verdade, muito bom, nada de extraordinário, mas, tampouco, é uma produção extremamente pesada e angustiante, apesar de alguns momentos bem tensos.



Dica de Disco

"How Did We Get So Dark?"
2017
Artista: Royal Blood


DUO BRITÂNICO, AO APOSTAR EM MELODIAS MARCANTES, LANÇA UM DOS MELHORES DISCOS DE ROCK DO ANO 
O rock morreu? Ah, tá! A desculpa para ignorar o que de melhor tem sido feito no estilo atualmente já virou clichê. Não adianta discutir muito com os puritanos "catedráticos" sobre o assunto. Para estes, o rock perdeu a relevância a partir da década de 70. Só que os tempos são outros; precisam ser outros. O rock (do bom) continua a ser feito. E, quem nos presenteia, vez ou outra, com discos estupendos são os novatos, essa gente com gás e talento, mas, que, na maioria das vezes, continuam não sendo devidamente conhecidos. É o caso do duo Royal Blood, formado pelo guitarrista e baixista Mike Kerr e pelo baterista Ben Thatcher.


"How Did We Get So Dark?" é apenas o segundo disco dos caras, e já demonstra uma tremenda maturidade. Apostando num rock básico, garageiro, à lá White Stripes, o Royal Blood conseg…