Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto 7, 2016
Dica de Disco

"Água Batizada" (2016)
Artista: Negro Leo.


Pra se apreciar certas formas de arte, às vezes, é preciso "bagagem", algum conhecimento prévio, principalmente, das influência que levaram tal artista a conceber uma determinada obra. Por exemplo: escutar esse "Água Batizada", mais novo disco do cantor e compositor maranhense Negro Leo, é viajar no tempo, mais especificamente, na época da Tropicália. Escutá-lo é como jogar um jogo de identificar as referência, que vão desde Mutantes até Tom Zé, passando por Secos e Molhados. Enfim, a nata do período.

É um trabalho aonde a psicodelia reina. E, mesmo assim, Negro Leo, que além de cantar e compor, ainda toca violino, consegue uma incrível unidade, como se esse tipo de som tivesse sido feito especialmente pra ele. Pra quem duvida, basta conferir a introdução progressiva da primeira faixa, "Ritos Confiáveis", para depois ouvir Negro Leo interpretar num tom semelhante ao de Arnaldo Batista. O rap…
Dica de Disco

"Lady in Gold" (2016)
Artista: Blues Pills.


Inegavelmente, um dos melhores momentos do rock foi no final dos anos 60 para início dos 70. Época efervescente, em que surgiram (na medida em que desapareceram também) inúmeras bandas seminais, com discos e shows formidáveis. Janis Joplin, Jimi Hendrix, The Doors, The Who, Led Zeppelin, Deep Purple, Jefferson Airplane, Pink Floyd, Genesis... A lista é interminável, bem como a influência desses artistas para muitos grupos surgidos hoje em dia. Voltar ao passado, ser retrô virou uma espécie de "moda", e se isso é bom ou ruim, vai depender do grau de identidade de cada um.

No caso da Blues Pills, ela surgiu com uma proposta simples e direta: retomar aquele som de vocais femininos calcados no jazz e no blues, em especial, Janis Joplin. Com o seu auto-intitulado primeiro disco, conseguiram fazer algum barulho lá pelos idos de 2014. De fato, o mundo do rock atual se mostrou carente desse som mais orgânico, visto qu…
Filme Não Recomendável

"Esquadrão Suicida" (2016)
Direção: David Ayer.


Pois é, saturou de vez. Entra ano, sai ano, entra temporada, sai temporada, e Hollywood insiste com os filmes de super-heróis. Ok, vamos reconhecer: o mundo dos quadrinhos é fascinante, e possui histórias verdadeiramente complexas, que dariam ótimos roteiros para o cinema. No entanto, há muito tempo que essa categoria de filmes está no piloto automático, e pelo visto, não tem jeito de sair do marasmo tão cedo. As atuais produções baseadas em quadrinhos, simplesmente, não conseguem sair do lugar comum, fazendo de seus produtos algo tão pasteurizado, que até os fãs mais ardorosos acabam não gostando de muita coisa. E, "Esquadrão Suicida" chegou para ser o ápice dessa ruindade que tomou conta dos filmes de super-heróis, recentemente.
Tudo bem que até pela concepção dos personagens e do grupo que eles formam (um bando de criminosos que é obrigado a trabalhar para o governo), era até lógico que a histó…
Dica de Disco

"Momentary Masters" (2015)
Artista: Albert Hammond Jr.


Um álbum solo é sempre um interessante exercício para o ouvinte mais ocasional, que gosta de uma determinado grupo. Curtindo uma banda em específico, às vezes, pouco ou nada se sabe como cada integrante soaria se fizesse algo próprio. E, não raro são os casos em que o resultado sai tão bom quanto seus grupos de origem. É o caso desse disco de Albert Hammond Jr., guitarrista do Strokes. Responsável pelas bases mais barulhentas, com guitarras bastante estridentes, era de se imaginar que um álbum solo dele soasse assim, certo? Porém, não é bem assim.


Logo na primeira faixa, "Born Slippy", percebe-se uma preocupação com melodias assobiáveis, unidas a base guitarrísticas minimalistas, típicas dos anos 80. E, o resultado, acreditem, ficou bom. Tanto é que a segunda música deste disco, "Power Hungry", soa muito com New Order. É quase como um revival sem ser, necessariamente, um revival, já que a …
Dica de Filme

"As Montanhas se Separam" (2015)
Direção: Jia Zhang-Ke.


A olhos vistos, o cinema atual vem perdendo a sutileza, a capacidade de dizer as mínimas coisas nas entrelinhas. Muitos culpam a tecnologia, que acaba super expondo demais as situações, ou então o público, que vem ficando cada vez menos exigente e sem condições de interpretar a metáfora mais simples. Talvez até mesmo a culpa seja de ambas essas situações, e mais um pouco. Porém, à vezes, surge na sétima arte aquele tipo de filme que força o espectador a uma reflexão mais profunda, que verse tanto com o individual, quanto com o coletivo. "As Montanhas se Separam" está inserido nesse grupo.

À primeira vista, aparenta ser aquele tipo de produção calcada em encontros e desencontros de pessoas ao longo da vida. Mas, só parece. Ao longo da projeção, porém, vamos nos deparando com dramas bem intimistas, cujo pano de fundo são as mudanças sócio-culturais que a sociedade anda vivendo, principalmente, de uns…
Dica de Série

"Stranger Things" (2016) - 1ª Temporada
Direção: The Duffer Brothers.


Nada se cria, nada se perde, tudo se copia. É vem sendo a máxima das produções recentes no audiovisual, seja na TV ou no cinema. Ok, que se copie, mas, que, pelo menos, tenham a capacidade de fazer o "feijão com arroz", um produto que seja, minimamente, degustável. O problema é que muitos dos filmes e das séries para TV feitos nos EUA não só recriam o que já foi feito, como fazem tudo mal-feito. Não à toa o mote de Hollywwod agora são o remakes e os filmes de super-heróis, a maioria de medianos pra ruins. Por isso, é gratificante termos uma série como "Stranger Things".
Não se enganem. Ela não traz nada de novo, nem nada de mirabolante. Apenas recria (muito bem) todo um universo que, pra muitos, foi o último grande lampejo de criatividade em Hollywood, que foram os anos 80 em geral. São várias referências a filmes, músicas e toda uma cultura, que, na época, era estigmatizada…