Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"INTOCÁVEIS" (2012)





Há filmes que, notadamente, querem dar um passo maior que as pernas. Pretendem falar de assuntos dos mais complexos, mas como muitos de seus realizadores parecem só conhecer leitura de auto-ajuda, o resultado sai bastante pífio. Foi essa Síndrome Pseudo-intelectual que acometeu alguns filmes norte-americanos recentes, como "Prometheus", "Shame" e "Cosmópolis".

No entanto, existem outras produções que partem de uma premissa simples, e se desenrolam em assuntos dos mais pertinentes. Recentemente, do Irã veio o ótimo "A Separação", que partia de uma simples dissolução de um casamento para tocar em assuntos muito abrangentes. "Intocáveis", felizmente, joga nesse time.



A história realmente pode parecer básica, vejam só: Philippe (François Cluzet) é um aristocrata rico que, após sofrer um grave acidente, fica tetraplégico. Precisando de um assistente, ele decide contratar Driss (Omar Sy), um jovem problemático que não tem a menor experiência em cuidar de pessoas no seu estado.

Aos poucos ele aprende a função, apesar das diversas gafes que comete. Philippe, por sua vez, se afeiçoa cada vez mais a Driss por ele não tratá-lo como um pobre coitado. Aos poucos a amizade entre eles se estabele, com cada um conhecendo melhor o mundo do outro.


É a partir desse fio condutor que a história ganha contornos cada vez mais interessantes. Philippe não quer ser tratado como um deficiente, mas apenas como uma pessoa comum com algumas limitações. Por isso, encontra no, aparentemente desajeitado Driss, a oportunidade de se sentir vivo novamente, apesar de passar a maior parte do dia numa cadeira de rodas, dependendo dos outros.

O respeito e a amizade que vai sendo construida entre Philippe e Driss é das mais honestas e cativantes, sem cair no sentimentalismo barato. As situações tristes são realmente tristes, e as engraçadas são realmente engraçadas. Não há gratuidade nos sentimentos retratado, apenas uma sinceridade espontânea.


O feeling dos atores está perfeito, e a direção é tranquila, não pesando a mão em nenhum momento. E, o roteiro, mesmo como um enredo, à primeira vista banal, consegue tocar sutilmente em assuntos como amizade, família, liberdade e felicidade de forma nada panfletária e muito despojada.

Se 2012 foi o ano em que tivemos uma enchurrada de "vergonhas cinematográficas" vindas dos EUA, pelos menos, pra além do Atlântico, assistimos a diversas boas surpresas como "Intocáveis", que, merecidamente, foi a maior bilheteria registrada na França até hoje.


NOTA: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…