Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"Minha Vida em Cor de Rosa" (1997)
Direção: Alain Berliner


Falar de assuntos de gêneros masculino ou feminino, ou, simplesmente, sobre sexualidade, sempre foi tabu. No cinema, por incrível que pareça, não vemos muitos esforços de fugir dos clichês. Tais assuntos, na maioria dos filmes, são tratados de forma sofrida, pesada, tensa, carregada. Portanto, é sempre bom nos depararmos, de vez em quando, com uma produção ingênua e despojada, como "Minha Vida em Cor de Rosa".

Se hoje, falar de um menino que gosta de se vestir de menina (ou vice-e-versa) ainda gera controvérsias, imaginemos isso há quase 20 anos atrás, então. Por isso, o filme já merece aplausos (pela ousadia). Porém, esta produção francesa vai além. Debate, sem lugares-comuns ou preconceitos, um tema que deixa muitos desconfortáveis.



Muito disso se deve ao trato que é dado à estória. Seus realizadores optaram por mesclar realidade e fantasia.  Em muitos momentos, ao mesmo tempo em que Ludovic sofre com o preconceito e à intolerância perante a sua condição, ele também usa a imaginação para encontrar conforto e alento, fugindo de um ambiente violento. Algo parecido com o que "Labirinto do Fauno" fez anos depois (com outro enfoque, claro).

E, as situações aqui, até por se tratar de uma comédia também, são bastante engraçadas e espirituosas. Com isso, o tema sempre é abordado com graça e leveza, mas sem ser superficial. Além disso, não há dramas desnecessários e forçados para que o espectador tenha pena do menino. A construção do personagem dá sintonia e carisma com quem assiste.


O roteiro não justifica o fato dele querer se vestir de menina. Ele apenas quer, e pronto. Quem vai tentar justificar seu comportamento são os pais, que, obviamente, ficam amedrontados com a situação, muitas vezes, maltratando Ludovic. Mesmo as idas a uma psicóloga se tornam ineficazes pelo simples motivo que todos percebem que isso não se trata de uma doença. Pode ser uma fase (ou não). Pode ser um indício de homossexualidade (ou não).

Mas, como é bem sabido o preconceito e a intolerância sempre se mostram latentes nesses casos, e isso se reflete desde o abandono dos amigos à família, até a demissão do pai de Ludovic. Todos atribuem a culpa dessas mazelas a ele. Porém, mesmo sofrendo, o menino se mostra confiante do que quer, e sempre se imagina num mundo encanto, de vestido, até se "casando" com um de seus amigos. Tudo muito delicado e mostrado de forma espontânea.


Trata-se de um filme simples, mas muito eficiente para debater assuntos (ainda) tão "polêmicos". Todos os envolvidos na produção, desde o diretor Alain Berliner, até o elenco bastante coeso, fazem questão de nos apresentar uma discussão muito importante sobre preconceitos sociais e como questões meramente bobas (como um menino se vestir de menina) não influenciam no que realmente interessa.

Enfim, uma aula de tolerância bem divertida, mas relevante.


NOTA: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…