Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"Minha Vida em Cor de Rosa" (1997)
Direção: Alain Berliner


Falar de assuntos de gêneros masculino ou feminino, ou, simplesmente, sobre sexualidade, sempre foi tabu. No cinema, por incrível que pareça, não vemos muitos esforços de fugir dos clichês. Tais assuntos, na maioria dos filmes, são tratados de forma sofrida, pesada, tensa, carregada. Portanto, é sempre bom nos depararmos, de vez em quando, com uma produção ingênua e despojada, como "Minha Vida em Cor de Rosa".

Se hoje, falar de um menino que gosta de se vestir de menina (ou vice-e-versa) ainda gera controvérsias, imaginemos isso há quase 20 anos atrás, então. Por isso, o filme já merece aplausos (pela ousadia). Porém, esta produção francesa vai além. Debate, sem lugares-comuns ou preconceitos, um tema que deixa muitos desconfortáveis.



Muito disso se deve ao trato que é dado à estória. Seus realizadores optaram por mesclar realidade e fantasia.  Em muitos momentos, ao mesmo tempo em que Ludovic sofre com o preconceito e à intolerância perante a sua condição, ele também usa a imaginação para encontrar conforto e alento, fugindo de um ambiente violento. Algo parecido com o que "Labirinto do Fauno" fez anos depois (com outro enfoque, claro).

E, as situações aqui, até por se tratar de uma comédia também, são bastante engraçadas e espirituosas. Com isso, o tema sempre é abordado com graça e leveza, mas sem ser superficial. Além disso, não há dramas desnecessários e forçados para que o espectador tenha pena do menino. A construção do personagem dá sintonia e carisma com quem assiste.


O roteiro não justifica o fato dele querer se vestir de menina. Ele apenas quer, e pronto. Quem vai tentar justificar seu comportamento são os pais, que, obviamente, ficam amedrontados com a situação, muitas vezes, maltratando Ludovic. Mesmo as idas a uma psicóloga se tornam ineficazes pelo simples motivo que todos percebem que isso não se trata de uma doença. Pode ser uma fase (ou não). Pode ser um indício de homossexualidade (ou não).

Mas, como é bem sabido o preconceito e a intolerância sempre se mostram latentes nesses casos, e isso se reflete desde o abandono dos amigos à família, até a demissão do pai de Ludovic. Todos atribuem a culpa dessas mazelas a ele. Porém, mesmo sofrendo, o menino se mostra confiante do que quer, e sempre se imagina num mundo encanto, de vestido, até se "casando" com um de seus amigos. Tudo muito delicado e mostrado de forma espontânea.


Trata-se de um filme simples, mas muito eficiente para debater assuntos (ainda) tão "polêmicos". Todos os envolvidos na produção, desde o diretor Alain Berliner, até o elenco bastante coeso, fazem questão de nos apresentar uma discussão muito importante sobre preconceitos sociais e como questões meramente bobas (como um menino se vestir de menina) não influenciam no que realmente interessa.

Enfim, uma aula de tolerância bem divertida, mas relevante.


NOTA: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Documentário

"O Ódio na Internet" (2014)
Direção: Rokhaya Diallo e Mélanie Gallard.


Infelizmente, nos últimos tempos, a Internet vem se transformado numa plataforma muito eficiente para disseminar o ódio e a intolerância. Uma das vítimas dessa recente "modalidade" na Rede foi a jornalista francesa Rokkaya Diallo. Muito ativa nas redes sociais, ela sempre expôs muito de sua opinião nelas, e isso sempre gerava discursos enraivecidos contra sua pessoa. A gota d'água foi quando recebeu, via Twitter, uma ameaça de estupro: "Alguém tem que estuprar a idiota da Rokhaya. Assim, o racismo acaba." Em ataques anteriores, Rokhaya ignorou as ofensas. Desta vez, no entanto, decidiu revidar, e foi daí que surgiu a ideia deste documentário.
Primeiro, procurou um advogado para saber que atitude tomar. Surpresa, viu que os trâmites para se denunciar um crime virtual é mais complicado do que se imagina, principalmente, devido à empresa que controla determinada pla…
DICA DE FILME

"Para Sempre Lilya" (2002)
Direção: Lukas Moodysson.


A sociedade e seus excluídos. Marginalizados. Abandonados. Mesmo quando teimam em sobreviver, são hostilizados. A bem da verdade, muito já não nem sequer uma "vida". Nesse panorama desolador, temos filmes brilhantes que retratam esses personagens de maneira bela e não-maniqueísta. "Para Sempre Lilya" é um deles.

O próprio ambiente em que se passa a estória já é desolador: uma antiga União Soviética, onde chove o tempo todo. As pessoas não se ajudam, não estão preocupadas com mais ninguém a não consigo. A mãe de Lilya se enquadra nessa categoria. Muda-se para os EUA com seu novo companheiro, deixando a filha a própria sorte.


De início, Lilya vai tentar morar com uma tia opressora, porém, obviamente, a convivência não dá certo. Vivendo praticamente na miséria, ela não vê outra alternativa a não ser se prostituir para conseguir o mínimo necessário. Seu único alento é a amizade de Volodya, um ga…