Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"Minha Vida em Cor de Rosa" (1997)
Direção: Alain Berliner


Falar de assuntos de gêneros masculino ou feminino, ou, simplesmente, sobre sexualidade, sempre foi tabu. No cinema, por incrível que pareça, não vemos muitos esforços de fugir dos clichês. Tais assuntos, na maioria dos filmes, são tratados de forma sofrida, pesada, tensa, carregada. Portanto, é sempre bom nos depararmos, de vez em quando, com uma produção ingênua e despojada, como "Minha Vida em Cor de Rosa".

Se hoje, falar de um menino que gosta de se vestir de menina (ou vice-e-versa) ainda gera controvérsias, imaginemos isso há quase 20 anos atrás, então. Por isso, o filme já merece aplausos (pela ousadia). Porém, esta produção francesa vai além. Debate, sem lugares-comuns ou preconceitos, um tema que deixa muitos desconfortáveis.



Muito disso se deve ao trato que é dado à estória. Seus realizadores optaram por mesclar realidade e fantasia.  Em muitos momentos, ao mesmo tempo em que Ludovic sofre com o preconceito e à intolerância perante a sua condição, ele também usa a imaginação para encontrar conforto e alento, fugindo de um ambiente violento. Algo parecido com o que "Labirinto do Fauno" fez anos depois (com outro enfoque, claro).

E, as situações aqui, até por se tratar de uma comédia também, são bastante engraçadas e espirituosas. Com isso, o tema sempre é abordado com graça e leveza, mas sem ser superficial. Além disso, não há dramas desnecessários e forçados para que o espectador tenha pena do menino. A construção do personagem dá sintonia e carisma com quem assiste.


O roteiro não justifica o fato dele querer se vestir de menina. Ele apenas quer, e pronto. Quem vai tentar justificar seu comportamento são os pais, que, obviamente, ficam amedrontados com a situação, muitas vezes, maltratando Ludovic. Mesmo as idas a uma psicóloga se tornam ineficazes pelo simples motivo que todos percebem que isso não se trata de uma doença. Pode ser uma fase (ou não). Pode ser um indício de homossexualidade (ou não).

Mas, como é bem sabido o preconceito e a intolerância sempre se mostram latentes nesses casos, e isso se reflete desde o abandono dos amigos à família, até a demissão do pai de Ludovic. Todos atribuem a culpa dessas mazelas a ele. Porém, mesmo sofrendo, o menino se mostra confiante do que quer, e sempre se imagina num mundo encanto, de vestido, até se "casando" com um de seus amigos. Tudo muito delicado e mostrado de forma espontânea.


Trata-se de um filme simples, mas muito eficiente para debater assuntos (ainda) tão "polêmicos". Todos os envolvidos na produção, desde o diretor Alain Berliner, até o elenco bastante coeso, fazem questão de nos apresentar uma discussão muito importante sobre preconceitos sociais e como questões meramente bobas (como um menino se vestir de menina) não influenciam no que realmente interessa.

Enfim, uma aula de tolerância bem divertida, mas relevante.


NOTA: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…