Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"O Jogo da Imitação" (2014)
Direção: Mortem Tyldum


Algumas pessoas passam para a História pelos seus fascinantes feitos, mas pagam um alto preço por isso. Foi o caso de Alan Turing, exímio matemático, criador do computador moderno. De início, trabalhando para o serviço de inteligência britância para decodificar mensagens da Alemanha durante a 2ª Guerra, Turing conseguiu, junto com seus colegas de trabalho, criar uma máquina que resultou, entre outros feitos, antecipar o fim da guerra, devido às informações valiosas que obtia.

Porém, a vida de Turing não foi o que podemos chamar de agradável. Homossexual, nunca revelou tal segredo a ninguém (na época, a homossexualidade era considerada indecência e tratada como crime pela lei). Isso fez com que ele sempre fosse retraído, sendo, por isso, hostilizado pelos outros meninos que estudavam com ele. Turing cresceu sem tato social, mas brilhante na matemática, com uma inteligência ímpar.



"O Jogo da Imitação" vai seguindo os passos de Turing, desde a adolescência até o pós-guerra, quando ele precisa esconder o resultado da sua invenção, devido às exigências do governo britânico. Esse fluxo de tempo funciona bem, principalmente, porque explica muitas das atitudes de Turing, e revela sua tristeza por não ter como compartilhar os benefícios de sua descoberta.

A direção do filme tem aquele rigor que o cinema inglês oferece, com narrativas lineares e planos de câmera bem enquadrados. Mesmo assim, é bom dizer que o roteiro consegue ser bastante humano, fazendo o espectador simpatizar com o personegem principal, e, sem nada forçado, mostrar suas inquietações.


Um bom exemplo dessa postura sóbria do roteiro é quando eles decodificam a primeira mensagem do alto comando alemã, e se sentem compelidos a transmitir essa informação. Turing, ao contrário, pede calma, pois isso faria os inimigos descobrirem que decodificaram sua mensagem. Em qualquer outro filme hollywoodiano, essa sequência seria desnecessariamente histriônica e caricata, transformando-se num "dramalhão". Aqui, não.

A forma como a homossexualidade de Turing é mostrada é outro ponto a favor. Não há "bandeiras" ou "militâncias". Ele é gay, e ponto. Porém, isso será decisivo para o governo britânico encobrir sua descoberta, obrigando-o a passar por um tratamento de castração química. Nossa revolta pelo o que ele passa é absorvida nas entrelinhas, e isso faz muita diferença na parte final do filme.


Jogos de poder e espionagem também entram na trama, mas em nada comprometendo ou tirando o foco aqui, que é como um ser humano excepcional como Turing pode ser engolido pelas conveniências de um sistema ao qual ele desconhece, e como ele precisa "imitar comportamentos", como num "jogo", para poder sobreviver.

Benedict Cumberbatch, que faz o personagem principal, dá um tom ao mesmo tempo arrogante e sensível a Turing, sem nunca exagerar nas partes de maior emoção. Até a quase sempre insosa Keira Knightley está bem no seu papel de Joan, o "par romântico" necessário a Turing, que tentará ser algum suporte a ele, principalmente quando ele já estiver tomado por uma profunda depressão após o "tratamento" da sua homossexualidade.


Mesmo tendo uma estrutura bem "correta", sem tanta ousadia, "O Jogo da Imitação" é um excelente filme, que fala não somente sobre a guerra, mas as adequações sociais e os valores individuais que cada um possui, mesmo que possa ser uma pessoa estranha, ou longe do convencional. Como o personagem mesmo diz: "É de onde menos se espera, que as melhores coisas acontecem".


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…