Pular para o conteúdo principal
Debate Sócio-Político

ESTUPRO: A LINHA (NADA) TÊNUE ENTRE A DENÚNCIA E O ESPETÁCULO

Por Erick Silva.




     "Game of Thrones": cenas apelativas em nome de audiência.


Antes de mais nada, vou confessar que não assisto a série "Game of Thrones", e, muito menos, vi a tal polêmica cena de estupro em seu mais recente episódio. Isso me desqualifica pra falar do assunto? Creio que não, pois algumas coisas são muito óbvias. Tipo: até mesmo os fãs mais ardorosos de "Game of Thrones" admitem que ela exagera na violência explícita. Ora, se há um consenso que existe uma apelação desnecessária em certas cenas dela, é claro que uma sequência de estupro na série não vai ter outra função senão chocar; apenas isso. Portanto, não preciso ter assistido a famigerada cena para entender a intenção por trás disso.

Mas, vamos por partes.

Quando se critica algo assim, rapidamente correm para dizer que se trata de censura. Nesse caso específico, muitos chegaram até a falar que se queira abolir cenas de estupro em séries e filmes. Exageros à parte, é bom que se diga que bom senso não é censura. A arte pode, sim, expor todas as formas de violência (inclusive, o estupro), porém, é realmente necessário "mostrar por mostrar", apenas com o intuito de causar polêmica e, consequentemente, conseguir um pouco mais de audiência?


                                                                               "Irreversível": outro caso de violência como mero espetáculo.


Vejam: o estupro ainda é um problema grave em qualquer parte do mundo. Em certos países, por sinal, ele chega a ser publicamente tolerado, dependendo da cultura da região, onde a mulher é sempre um ser submisso. Mesmo com os recentes avanços, o machismo ainda está impregnado em diversas cabeças por aí, que acham que a mulher é um mero objeto sexual. Portanto, não se trata de proibir cenas de estupro, mas ter a consciência de como mostrá-lo, sem que se torne um espetáculo grotesco.

Para reforçar isso, temos bons exemplos que citarei aqui.


                                                        "Dogville": estupro como parte integrante da trama.


Em "Dogville", o enredo fala de uma mulher misteriosa que chega a um pequeno vilarejo e é acolhida pela população do local. Mas, quando descobrem que ela é procurada até pela polícia, passam a humilhá-la, e um dos moradores chega ao ponto de estuprá-la. Detalhe: como o filme se passa num único cenário, como num teatro, as casas possuem parades "imaginárias". Várias pessoas passam tranquilamente ao lado dessa cena, e só depois nos damos conta da mensagem passada: muitas vezes coisas horríveis se passam bem próximas a nós, e não percebemos.


     "Meninos não Choram": violência de gênero misturada com homofobia.


Outro bom exemplo em que uma cena de estupro é bem utilizada é em "Meninos não Choram". Nele, não é somente esse tipo de violência que é retratada, mas também a homofobia, pois os rapazes que cometem esse ato ficam com ódio por terem sido "enganados" pela menina que se fingiu de menino. Portanto, acaba sendo justificável expor o estupro, pois evidencia o preconceito (ainda latente) da questão da orientação sexual também.


                                                                                                      "Para Sempre Lilya": desconfortro necessário.


Por fim, temos um filme sueco chamado "Para Sempre Lilya", onde tem uma sequência de, pelo menos, uns 10 abusos sexuais contra a personagem principal. Detalhe: a câmera só mostra os homens de frente, no movimento do sexo. É como se o espectador estivesse sendo violentado também. Essa imersão é desconfortável, e mostra a boa intenção do diretor do filme em não fazer do estupro uma cena plástica, e mostrar que se trata de pura violência.

Agora, voltemos a "Game of Thrones".

Pois, bem. Como já é notório que a série exegera no quesito violência, seria até evidente que, uma hora, ela iria passar dos limites em algum ponto. Só que esses limites foram ultrapassados justamente em relação ao estupro, que, como bem demostrado nos filmes que citei (e ainda existem muitos outros), pode ser conduzido sem apelação, sem espetacularização. Talvez o erro de quem assiste a série e se indignou tenha sido não ter reclamado antes das inúmeras outras cenas gratuitas de violência, mas isso também não invalida a crítica que a série, de fato, merece.


                                                             Se é pra mostrar, que seja pertinente.


Alguns argumentam que se trata da violência contra um personagem fictício, enquanto a violência real ocorre todos os dias por aí. No entanto, um personagem, mesmo fictício, é a representação de uma realidade, e, por isso, um retrato do nosso cotidiano. Se expomos um estupro de maneira vazia e apelativa, estamos dando aval para que, na realidade, tratemos esse tipo de violência com desdém, e até com naturalização. Afinal, é notório que, quanto mais crueldade vemos, menos sensíveis podemos ficar em relação à dor alheia.

Não se trata de censura, portanto. Já está provado que cenas de estupro são bem-vindas, mas, contanto que tenham um propósito, e não o mero "choque pelo choque". Com um pouco de inteligência e sensibilidade, dá para mostrar que o estupro é uma das mais bárbaras formas de subjulgar o outro, principalmente quando esse outro é uma mulher. Claro, isso se você não quiser apenas mais alguns números na audiência.

Vai da intenção de cada um.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…