Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"Tideland" (2005)
Direção: Terry Gillian.


(AVISO: CRÍTICA COM SPOILERS)

Gillian, eternamente lembrado por ter participado do grupo de comédia britânico Monty Phyton, é um exímio arquiteto de imagens. Seus filmes, geralmente, são muito bonitos de se ver, possuindo cenas bastante simbólicas e oníricas. É só recordar, por exemplo, que "O Fantástico Mundo do Dr. Parnassus" e "Os Doze Macacos" são dele. No entanto, são filmes visualmente muito interessantes, mas que pecaram, de alguma maneira, no conteúdo. Por algum motivo, as histórias meio que se perdiam em cenas muito gráficas.

"Tideland", ao contrário, consegue quebrar esse estigma. Sim, as belíssimas imagens e as cenas ultra viajadas continuam aqui, mas convivendo em harmonia com um lado mais humano. Precisou, pra isso, Gillian adapatar o livro de Mitch Cullin, este fazendo refência clara a "Alice no País das Maravilhas" (o livro). Pra quem teve a oportunidade de ler a obra máxima de Lewis Carrol, sabe que, ao contrário do famoso desenho, o livro é sombrio e até triste, mostrando a fuga da realidade de uma menina, que usa sua imaginação para construir um mundo mais adequado para ela.



Com essa premissa, o que Gillian fez? Pegou uma menina (Jeliza-Rose) completamente deslocada no mundo, "cuidando" de pais que se drogam o tempo todo. Após a morte deles, precisa sobreviver de alguma maneira. O jeito encontrado foi através de sua (fértil) mente. Ela "conversa" com cabeças de bonecas como se fossem suas melhores amigas, e por aí vai. Quando ela encontra uma estranha senhora (Dell) e seu irmão com necessidades especiais (Dickens), sua visão ilusória e inocente do mundo não muda; ao contrário, fica mais intensa.

A alegria que pontua o enredo do filme é uma alegria melancólica. O espectador sabe que a vida de Jeliza é horrível, cheia de traumas, mas se conforta com o fato dela fugir disso usando apenas a sua visão de criança. Ela não vê maldade em nada, nem o fato de dizer que está apaixonada por Dickens, e que está "grávida" dele. Também não vê muitos problemas em preparar as seringas cheias de heroína que o seu pai, o que faz com a maior naturalidade. É uma visão de mundo realmente peculiar, e que faz pensar até que ponto enxergamos as coisas; sob uma ótica boa ou ruim.


O filme tem a aura do livro "Alice no País das Maravilhas", mas, podemos encontrar ecos no cinema recente, como "O Labirinto de Fauno" e "Indomável Sonhadora", estes, posteriores a "Tideland". Em todos eles, acompanhamos a luta, por vezes inglória, de crianças usando a imaginação para amenizarem seu sofrimento na vida real. Um tema, portanto, tocante, e é este o elemento humano que talvez tenha feito tanta falta à maioria dos filmes de Terry Gillian. Tanto é que seus arroubos visuais aparecem aqui, mas de forma comedida, porém, fascinantes.

Na narrativa, em si, quase nada acontece. Mesmo assim, ficamos ansiosos com o que vai acontecer a Jeliza-Rose. Como espectadores desesperados, não podemos fazer nada, a não ser torcer por ela, e esperar que a loucura da realidade não destrua sua mente de criança. Pode parecer fácil ter empatia pela protagonista, mas o diretor faz questão de que não tenhamos apenas piedade dela, mas também que mergulhemos junto com ela na sua imaginação. Nesse ponto, Gillian consegue uma imersão fantástica de nós numa história tão surreal.


E, todos os atores estão perfeitos em seus papéis. Uma pena que Jeff Bridges e Jennifer Tilly apareçam tão pouco em cena, pois seus personagens mereciam um tratamenteo maior. Mesmo assim, é compreensível dentro da proposta do enredo. Mas é a Jodelle Ferland (de "O Segredo da Cabana") quem segura o filme nas costas. Sua personagem precisa transitar entre o amadurecimento diante de uma realidade hostil e o escape mental de uma vida mais amena, divertida, e ela consegue passar isso com expressões, tons de fala, e tudo mais.


"Tideland" significa contraponto. E, isto já mostra bem o que vamos encontrar neste trabalho fascinante de Terry Gillian: uma contraponto, uma negação da visão da realidade. Uma realidade que não buscamos mudar, nem nos esforçamos para torná-la mais agradável em nossa imaginação. A personagem Jeliza-Rose, porém, lutou contra isso da melhor forma, e podemos dizer que se trata de uma vitoriosa, independente do que o destino irá lhe reservar. Deu um sorriso para a vida, e achou um sentido para sua existência.


NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…