Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"Mad Max - A Estrada da Fúria" (2015)
Direção: George Miller.


Um filme de ação pode ter conteúdo? Essa pergunta poderia soar meio estranha tempos atrás, na época de um "Exterminador do Futuro" ou de um "A Outra Face", por exemplo. Afinal, foram produções que, além da adrenalina, tinham uma estória com substância. Dita hoje, essa pergunta tem bastante relevância, pois os filmes de ação atuais sofrem da "síndrome Michael Bay": muito barulho, toneladas de efeitos especiais e um conteúdo que é nada menos que nada."Mad Max - A Estrada da Fúria" conseguiu, de certa forma, ser o filho bastardo dessa recente safra, mesmo pecando em alguns pontos.

Nele, vemos, mais uma vez, um futuro pós-apocalíptico, cuja a estética já tinha sido definida como influência para outros filmes do gênero já no primeiro "Mad Max", no longínquo ano de 1979. Esse tipo de ambientação pode dar diversas possibilidades ao roteiro, que pode expor críticas sociais bem pertinentes. E, de fato, temos muitas boas referências aqui. O vilão da estória, Immortan Joe, é tratado pelo povo da sua cidade como um Deus, ou, de certa forma, como um líder religioso que tem poder sobre uma massa faminta e desesperada. Essa massa passa por diversas necessidades, entre elas, a escassez de água. É uma das maneiras de Immortan Joe manter o controle.



Ele também possui um exército particular, de meninos guerreiros, que, como fanáticos religiosos, seguem todas as suas ordens. Chegam ao ponto de se suicidarem em combate, achando que vão para um paraíso, um tal de Valhalla. Não obstante, Immortan tem algumas mulheres trancadas num cofre, que considera como suas mercadorias. São usadas com um único propósito: procriação. O Islamismo pode ser notado nessas referências, mas também podemos ampliar essa visão a muitos contextos semelhantes com histórico de fanatismo.

No meio disso tudo, está Furiosa, uma imperatriz, que, sob o pretexto de ir buscar mantimentos fora da cidade, tenta resgatar as mulheres trancafiadas por Immortan Joe, e é implacavelmente perseguida por isso. No fogo cruzado, está Max, um renegado, que está ali por ter sido capturado, e ser usado como "bolsa de sangue" para alimentar os guerreiros (justamente, por ser doador universal).


A história, em si, parecia que ia render muito. Mas, não rendeu. A despeito da crítica religiosa e dos ecos feministas, o filme se foca demais nas cenas de ação (que são estupendas, digamos a verdade). Sim, é empolgante ver perseguições hiper realistas, e nisso, o diretor George Miller, no alto de seus 70 anos de experiência, foi perfeito. Mas senti falta de um aprofundamento maior e melhor organizado nos assuntos abordados.

A intenção é boa, e está clara. Só que, talvez, tenha faltado mais sequências do vilão subjulgando seu povo, ou de diálogos envolvendo Furiosa e as mulheres que quer resgatar. Mulheres, inclusive, que são poucas (apenas 5), e, pela lógica, não justificasse tamanho esforço da parte dela, visto que deveriam ter outras na cidade que mereceriam ser salvas também.


Porém, mesmo com essas limitações, "Mad Max - A Estrada da Fúria" passa bem o seu recado. Mostra como a alienação numa fé cega pode fazer mal às pessoas, e ainda mostra a luta de algumas mulheres contra a opressão masculina. O fato de Furiosa aparecer mais do que o próprio Max só reforça isso, dando à produção algo de especial em relação a outras produções do gênero, onde a mulher acaba sempre sendo uma mera válvula de escape para o herói.

Muito se reclamou da atuação de Tom Hardy, pois ele estaria copiando demais os trejeitos de Mel Gibson no filme original. Mas, a questão não é essa. Max é um personagem taciturno, fechado e perturbado. Ou seja, caiu como uma luva para Gibson. Já, Hardy, por outro lado, não quer imitar ninguém, apenas entrega aquilo que Max precisa ser, só que sem tanto carisma.


Porém, é Charlize Theron quem rouba a cena como Furiosa, pois ela não apenas passa a representação de uma guerreira, mas de uma ideologia, de um propósito, que poderíamos chamar de universal, como a esperança e a luta de classes. E, a atriz consegue, de maneira competente, passar esse peso e responsabilidade nos ombros da personagem, além, é claro, de mostrar uma mulher de fibra, que enfrenta homens de igual para igual.

Só que o grande destaque são mesmo as cenas de ação. Gravadas, muitas vezes,  in loco, e com intervenções certeiras de computação gráfica, as perseguições não amenizam em brutalidade e em insanidade, empolgando toda a vez que surgem. Destaque para um guitarrista que "cospe" fogo com seu instrumento.


É um excelente filme de ação? Sim. A história valeu a pena? Também sim, mas ficou devendo em alguns pontos, como uma lógica mais coerente ou uma ousadia mais desconcertante. O filme, com algum esforço, poderia ser insano e coeso ao mesmo tempo. Felizmente, ele não é tão apelativo quanto se poderia supor, evitando até mostrar alguma cena de estupro (o que até seria até condizente com o enredo).

Entre altos e baixos, "Mad Max - A Estrada da Fúria" passou no crivo de um blockbuster que oferece mais do que o óbvio. Mesmo que de forma um tanto superficial, faz boas críticas, e ainda surpreende com cenas de ação bem orquestradas, mas não vazias de propósito. No contexto geral, pelo o que é oferecido pelo cinemão hollywoodiano atualmente está acima da média. E, isso já é muita coisa.


NOTA: 8/10..

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…