Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"Zona de Conflito" (1999)
Direção: Tim Roth.


A aparente normalidade de uma família pode esconder segredos dos mais terríveis. Certamente o cinema já explorou bastante esse, mas "Zona de Conflito", é, digamos, poderoso. É um filme que incomoda bastante ao expor que as aparências, muitas vezes, são isso mesmo: meras aparências. E, que as piores coisas podem acontecer por trás de uma aparente tranquilidade.

Por sinal, a produção é a estreia do ótimo ator Tim Roth na direção. Mas, nem parece. Ele conseguiu uma segurança tremenda na condução do longa, que deixa muito veterano no chinelo. E, não se enganem: ele fez as escolhas mais difíceis, e foi até ousado ao falar de um tema delicado e que está no seio de muitas famílias por aí.



Como simples espectadores que somos (e, nada mais) vemos o cotidiano de pessoas, à primeira vista, normais. Um casal de meia idade, com dois filhos adolescente, e um bebê que acaba de chegar. O pai, super atencioso, a mãe, carinhosa e atenta, a filha cheia de energia, e o filho um pouco mais fechado, mais tímido. Tudo como teria de ser. "Teria"...

O que se desenvolve a partir daí são descobertas e acontecimentos, que não apenas desestruturam essa família, para nós até então, perfeita, mas que desnudam o caráter de cada um dos seus membros. Acreditem: todos se mostram muito diferentes da imagem social que passam. E, o que desencadeia esses conflitos é um fato, realmente, chocante, que cabe a quem assistir descobrir.



O que mais chama a atenção no filme é, sem dúvida, a direção de Tim Roth. A ação, de tão fria, estática e opressora deve ter pego muita gente de surpresa, já que ele trabalhou em muitos filmes recentes com o alucinado Tarantino, e talvez se esperasse algo na suia estreia também movimentado. Mas, não. Tudo ocorre no momento certo, sem furos ou nada que soe forçado e deslocado.

Num tipo de produção dessas, com alta carga emocional, geralmente, os atores estão ótimos, e aqui não é diferente. Todos se empenham em entregar algo de impacto, e conseguem, e o demonstra Tim Roth também como um exímio diretor de atores, e não somente um (muito) competente contador de estórias.



Porém, "Zona de Conflito" não é um filme de fácil digestão. Os temas que aborda, mesmo sem se mostrarem com alguma forma de apelação, são pesados, densos, e extremamente dramáticos. A quem passou por traumas semelhantes deve ser difícil se deparar com uma produção assim. E, ao mesmo tempo, o longa se mostra corajoso, e até pertinente, ao nos lembrar que nem tudo é o que aparenta numa família, aparentemente feliz.

Maravilhosamente conduzido, mas tenso até a medula, esse filme merece ser visto e indicado como a grande obra que é. Um mosaico sofrido de alguns dos desejos mais nefastos que o ser humano pode ter, além de expor, criticamente, o perigo das aparências sociais.



Parabéns, Tim Roth.


NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…