Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"III" (1970)
Artista: Led Zeppelin.

Expectativas podem atrapalhar. No caso da música, fãs ávidos por uma novidade de seu artista preferido chegam até a atrapalhar qualquer processo criativo. O caso do Led foi um tanto inusitado. Os dois primeiros discos da banda fizeram um grande sucesso de público, mas a crítica torcia o nariz. Eis que o guitarrista do grupo, Jimmy Page (sempre inquieto), resolve mudar o foco de praticamente tudo. 

Sai a correria e a urgência da composição dos primeiros álbuns, e entra uma, até então inédita, calmaria. Depois de uma intensa turnê na América do Norte, Page e o vocalista Robert Plant se mudam para Bron-Yr-Aur, uma casa de campo do século 18 em Gwynedd, País de Gales. Lá, passam alguns meses compondo e planejando o que viria a ser o terceiro lançamento do Led Zeppelin.
Essa paz de espírito se refletiu, claramente, no som. Apesar de "III" começar de forma eletricamente pesada com "Immigrant Song", o que predomina aqui é a levada acústica. Não que a banda já não tivesse músicas nesse formato, mas agora era um disco inteiro levado nessa estética. E, o resultado ficou brilhante.

"III" tem algumas da melhores e mais importantes canções da carreira do grupo. "Since I've Been Loving You", por exemplo, trouxe uma pegada progressiva ainda mais marcante do que "Dazed and Cofuzed". Já, "Friends", com sua influência oriental, pode ser percebida como o embrião do que viria a ser "Kashimir".


E, é claro, tinham as puramente acústicas, sendo as melhores "That's the Way" e "Gallows Pole", sendo esta última, uma música de arranjo atualizado para uma canção folclórica tradicional chamada "The Maid Freed from the Gallows". Outros destaques desplugados são "Bron-Y-Aur Stomp" e "Tangerine", que sempre foram belíssimas nas execuções ao vivo.


Tanta "ousadia" na mudança de uma sonoridade já consagrada teve seu preço. Ao contrário dos trabalhos anteriores, "III" não vendeu tão bem, mas, foi bem recebido pela crítica, apesar de algumas ressalvas. Alguns, diziam, inclusive, que o Led estava imitando, descaradamente, o Crosby, Stills, Nash & Young. Sobre isso, Jimmy Page disse à época:

"Quando nosso terceiro LP saiu e teve suas opiniões, Crosby, Stills e Nash tinha acabado de se formar. O LP tinha acabado de sair, e por causa de suas guitarras acústicas, tinha vindo à tona de repente: O Led Zeppelin faz acústico! Eu pensei: 'Cristo, onde estão suas cabeças e os ouvidos?' Havia três músicas acústicas no primeiro álbum e duas no segundo."


Pode-se dizer, no entanto, que entre mortos e feridos, todos se salvaram. Isso porque este disco foi meio que a base para a composição de "IV", talvez o maior clássico da banda; aquele que tem "Black Dog", "Rock and Roll", "Stairway to Heaven" e "Going to California", sabem? Ou seja, ainda dá pra subestimar a qualidade de "III", e não considerá-lo um discaço?

NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…