Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"III" (1970)
Artista: Led Zeppelin.

Expectativas podem atrapalhar. No caso da música, fãs ávidos por uma novidade de seu artista preferido chegam até a atrapalhar qualquer processo criativo. O caso do Led foi um tanto inusitado. Os dois primeiros discos da banda fizeram um grande sucesso de público, mas a crítica torcia o nariz. Eis que o guitarrista do grupo, Jimmy Page (sempre inquieto), resolve mudar o foco de praticamente tudo. 

Sai a correria e a urgência da composição dos primeiros álbuns, e entra uma, até então inédita, calmaria. Depois de uma intensa turnê na América do Norte, Page e o vocalista Robert Plant se mudam para Bron-Yr-Aur, uma casa de campo do século 18 em Gwynedd, País de Gales. Lá, passam alguns meses compondo e planejando o que viria a ser o terceiro lançamento do Led Zeppelin.
Essa paz de espírito se refletiu, claramente, no som. Apesar de "III" começar de forma eletricamente pesada com "Immigrant Song", o que predomina aqui é a levada acústica. Não que a banda já não tivesse músicas nesse formato, mas agora era um disco inteiro levado nessa estética. E, o resultado ficou brilhante.

"III" tem algumas da melhores e mais importantes canções da carreira do grupo. "Since I've Been Loving You", por exemplo, trouxe uma pegada progressiva ainda mais marcante do que "Dazed and Cofuzed". Já, "Friends", com sua influência oriental, pode ser percebida como o embrião do que viria a ser "Kashimir".


E, é claro, tinham as puramente acústicas, sendo as melhores "That's the Way" e "Gallows Pole", sendo esta última, uma música de arranjo atualizado para uma canção folclórica tradicional chamada "The Maid Freed from the Gallows". Outros destaques desplugados são "Bron-Y-Aur Stomp" e "Tangerine", que sempre foram belíssimas nas execuções ao vivo.


Tanta "ousadia" na mudança de uma sonoridade já consagrada teve seu preço. Ao contrário dos trabalhos anteriores, "III" não vendeu tão bem, mas, foi bem recebido pela crítica, apesar de algumas ressalvas. Alguns, diziam, inclusive, que o Led estava imitando, descaradamente, o Crosby, Stills, Nash & Young. Sobre isso, Jimmy Page disse à época:

"Quando nosso terceiro LP saiu e teve suas opiniões, Crosby, Stills e Nash tinha acabado de se formar. O LP tinha acabado de sair, e por causa de suas guitarras acústicas, tinha vindo à tona de repente: O Led Zeppelin faz acústico! Eu pensei: 'Cristo, onde estão suas cabeças e os ouvidos?' Havia três músicas acústicas no primeiro álbum e duas no segundo."


Pode-se dizer, no entanto, que entre mortos e feridos, todos se salvaram. Isso porque este disco foi meio que a base para a composição de "IV", talvez o maior clássico da banda; aquele que tem "Black Dog", "Rock and Roll", "Stairway to Heaven" e "Going to California", sabem? Ou seja, ainda dá pra subestimar a qualidade de "III", e não considerá-lo um discaço?

NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…