Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Blue & Lonesome" (2016)
Artista: Rolling Stones


No ocaso de 2016, um ano bem moroso em termos de música, eis que um dinossauro surge, rústico, empolgante e despretensioso. Sim, os Stones estão de volta, fazendo o que sabem de melhor. Mas, não esperem os arroubos juvenis de 40 anos atrás, muito menos, algo verdadeiramente revolucionário. Não, meus caros, os bons e velhos tempos de "Sympathy for the Devil" e "Satisfaction" estão no passado, devidamente registrados para todo mundo voltar a ouvir essas pérolas. Mas, não esperem escutar neste novo lançamento uma banda em franca decadência. Ao contrário, a categoria da banda transpira por todos os poros do disco, e, ao mesmo tempo que ela se mostra mais do que madura, também exalam aquele frescor de gente que está começando agora.

Composto só de covers dos bambas do blues, o álbum parece saído diretamente dos anos 50/60, porém, não soa a mera velharia. De cara, um som que salta aos ouvidos é o da gaita tocada por Mick Jagger, envolvente, compondo um belo alicerce para as primeiras canções ("Just Your Fool", de Buddy Johnson e "Commit a Crime", de Howlin' Wolf), que, rápidas na execução, dão o tom do que vamos encontrar ao longo do disco. É preciso dizer que a banda toda está um primor. Jagger continua com os seus trejeitos vocais inconfundíveis. Já, Ron Wood e Charllie Watts continuam com a classe de sempre; simples, mas, concisos. E, claro, há o eterno Keith Richards, literalmente, um sobrevivente do rock, e que aqui mostra o porquê é um dos guitarristas mais respeitados de todos os tempos.


Com duas músicas formidáveis abrindo "Blue & Lonesome", o jogo já fica ganho fácil. Prova disso, é a terceira faixa, que dá título ao trabalho, e que foi composta pelo lendário Little Walter. Trata-se de um blues sensacional, que, nas mãos dos Stones, ficou com uma sonoridade mais encorpada e emocionante. Igualmente um blues de rasgar a alma é "All of Your Love", de Magic Sam, cujas incursões de piano e gaita dão à canção um tom bem poeril. A agitada "I Gotta Go", novamente, de Little Water, com uma levada mais country, pode soar um tanto "datada", mas, convenhamos: possui um clima irresistível, possuindo forma e jeito de trilha sonora de algum filme ambientado no Mississippi.

O blues arrastado, passional, triste por natureza, volta a dar as caras com "Everybody Knows About My Good Thing", de Miles Grayson Lermon Horton, onde o senhor Richards, simplesmente, dá um show de feeling e carisma com a sua guitarra.  "Ride 'Em On Down", de Eddie Taylor, é uma das mais simplórias do disco, até por possuir uma estrutura bastante clichê do blues. Mesmo assim, é competente e dadas as excepcionais execuções anteriores, essa passa bem rápido, sem maiores transtornos. Até porque, somos brindados a seguir com a ótima "Hate to See You Go", mais uma vez, de Little Water, uma música que, na versão dos Stones, poderia pertencer, tranquilamente, a alguns dos melhores trabalhos do Black Crowes, devido ao seu swing e cadência.


"Hoo Doo Blues", de Otis Hicks e Jerry West, tem a "sujeira" dos melhores blues, unida a um som mais moderno, mas, que não destoa da canção, fazendo dela um dos melhores momentos do disco. Já, "Little Rain", de Ewart G.Abner Jr. e Jimmy Reed, é assustadoramente intimista, como se fosse um descanso à beira da estrada antes de voltar à viagem (seja ela qual for). Categoria ímpar. O álbum fecha com duas boas composições de Willie Dixon: "Just Like I Treat You" e "I Can't Quit You Baby", esta, famosíssima na versão do Led Zeppelin. Pra encerrar da mesma maneira que iniciou: instigante.

Os fãs mais ardorosos dos Stones talvez torçam o nariz por quererem um lançamento com material inédito da banda. Mas, enquanto, isso não acontece (e, isso é perfeitamente possível, já que os seus integrantes parecem ser imortais), é ficar com este "Blue & Lonesome", um trabalho honesto, simples, mas, feito com o esmero de quem conhece do riscado. Afinal, já são décadas de rock'n roll, e quem já foi rei, não perde a majestade. Recomendado para quem gosta de Stones ou de blues, ou, simplesmente, de boa música (o que, no caso, inclui-se os Stones e o blues juntos, fácil, fácil).

Download:
http://raptorrents.com/torrent/5322686/The+Rolling+Stones+-+Blue+%26+Lonesome+(2016).html


Nota: 8,5/10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…