Pular para o conteúdo principal
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Baskin" (2015)
Direção: Can Evrenol


Alguns filmes são de difícil assimilação. Outros, simplesmente são apelativos, e não querem dizer coisa nenhuma. E, há aqueles que você assiste e passa um bom tempo sem saber se são bons ou ruins. Apenas que incomodaram, que foram além do que se esperava, mas, que ainda assim, não chegaram a ser geniais, somente, no máximo, interessantes. O turco "Baskin" se enquadra bem nesta última categoria. À primeira vista, parece ser apenas um exemplar mais sisudo e "sério" do que o descartável "O Albergue". Mas, com o passar da narrativa, o filme vai meio que "tomando de assalto" o espectador, mas, sem necessariamente se mostrar antológico no saldo final.

Basicamente, temos a história de cinco policiais muito machistas, irritantes e estúpidos de uma maneira geral tendo que atender a um chamado no meio da noite para irem a uma delegacia abandona, aonde, de acordo com denúncias, coisas estranhas estariam acontecendo. Pronto. E, é somente isto, de início, o que precisamos saber da história em si. No entanto, é preciso certa dose de paciência, pois, o filme começa de maneira péssima, "apresentando" os personagens principais de forma extremamente caricata. Não que personagens amorais não possam ser interessantes (Alex, de "Laranja Mecânica" que o diga), mas, os diálogos introdutórios são tão insuportáveis e carregados de um preconceito tão tosco, que fica a impressão de que o roteirista assistiu aos melhores momentos de Tarantino, e quis imitá-lo através de falas nonsenses (sem êxito, claro).




A partir daí, o filme toma um aspecto mais onírico, repleto de metáforas, a maioria envolvendo sapos, o que deixa a produção mais com cara de David Lynch, o que dá um certo upgrade a "Baskin". Tudo, então, vai se desenrolando de maneira lenta e gradual, até chegarmos ao "inferno" propriamente dito, que é quando os policiais invadem a delegacia abandonada. E, o clima dentro do lugar é extremamente macabro e desconfortável, sendo uma versão bem mais hardcore do que o quarto do serial killer de "Seven". O jogo de câmera, a iluminação e a trilha sonora contribuem muito bem para o clima pesado, proporcionando alguns dos melhores momentos da produção.

Quando o terror, propriamente dito, começa, os fãs de cinema extremo , com certeza, vão adorar, pois, as "criaturas" que habitam o lugar são implacáveis, mas, curiosamente, acaba não sendo algo tão barbaramente violento quanto um "Albergue" da vida, por exemplo, já que tudo é mostrado muito rápido, gerando mais tensão e angústia do que repulsa. É quando aparece um personagem bastante inusitado, que, com certeza, causará calafrios nos mais desavisados, e que acaba sendo a parte mais interessante do filme, apesar de ser a mais longa, e, por isso, cansar bastante em certos pontos. Fosse esse momentos mais editado e mostrado, portanto, de maneira mais concisa, o impacto teria sido maior.




O roteiro, acima da ,édia das produções usuais de terror, aborda temas inusitados, que, unidos à metáforas bem colocadas, e um clima eterno de sonho (ou, de pesadelo) contribuem muito para a produção sair (um pouco) da caixa, e tentar (em parte) mostrar algo novo ao espectador. O problema é que, mesmo com o choque de cenas estranhas e quase filosóficas, o que fica é meio que a catarse pela catarse, o incômodo pelo incômodo. Mesmo que o final seja algo atordoante, e que faça quem assistiu pensar um pouco, e tentar encontrar as suas próprias respostas para o que acabou de ver, "Baskin", apesar de fugir um pouco do óbvio, também não vai muito além do que aquilo que é mostrado. Talvez, nesse aspecto, tenha faltado um pouco mais de ousadia na condução, e, claro, personagens melhores.

As interpretações, pelo menos, não comprometem, e os atores conseguem passar todo o desespero que os seus personagens sentem, tornando a experiência bem mais real. A direção do estreante Can Evrenol também se mostra boa na medida certa, alternando momento violentos com aqueles mais sutis e que exigem um pouco mais da nossa interpretação. E, os momentos em que o terror impera são, sim, sanguinolentos, mas também não chegam às raias de uma grande apelação (e, nesse quesito, o clima onírico ajuda bem a amenizar tais cenas). Unindo bem o conjunto, a parte técnica é um ótimo destaque, não precisando de artifícios tão modernos assim, e investindo numa composição mais clássica, como na entrada dos policiais na delegacia, por exemplo, em que a única luz do cenário são as lanternas deles, gerando, acertadamente, uma expectativa de muita tensão.



No geral, "Baskin" é um filme apenas razoavelmente bom, que, em muitos momentos se sobressai em relação à maioria do que é feito por aí, e, em outros, rende-se aos clichês mais rasos do gênero. Já que esse é apenas o primeiro filme do diretor Can Evrenol, ótimo. Ele ainda tem tempo de melhorar, e, por consequência, conseguir fazer algo verdadeiramente impactante, e que fuja do trivial do começo ao fim, e não apenas em momentos pontuais, sendo clichê no restante do tempo. Os fãs dos filmes de terror, decerto, agradecerão (muito).


Nota: 6/10

Comentários

  1. Haha,lendo, tem ora q dá vontade de assistir,tem ora que não.No geral,impera a curiosidade...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…