Pular para o conteúdo principal
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Baskin" (2015)
Direção: Can Evrenol


Alguns filmes são de difícil assimilação. Outros, simplesmente são apelativos, e não querem dizer coisa nenhuma. E, há aqueles que você assiste e passa um bom tempo sem saber se são bons ou ruins. Apenas que incomodaram, que foram além do que se esperava, mas, que ainda assim, não chegaram a ser geniais, somente, no máximo, interessantes. O turco "Baskin" se enquadra bem nesta última categoria. À primeira vista, parece ser apenas um exemplar mais sisudo e "sério" do que o descartável "O Albergue". Mas, com o passar da narrativa, o filme vai meio que "tomando de assalto" o espectador, mas, sem necessariamente se mostrar antológico no saldo final.

Basicamente, temos a história de cinco policiais muito machistas, irritantes e estúpidos de uma maneira geral tendo que atender a um chamado no meio da noite para irem a uma delegacia abandona, aonde, de acordo com denúncias, coisas estranhas estariam acontecendo. Pronto. E, é somente isto, de início, o que precisamos saber da história em si. No entanto, é preciso certa dose de paciência, pois, o filme começa de maneira péssima, "apresentando" os personagens principais de forma extremamente caricata. Não que personagens amorais não possam ser interessantes (Alex, de "Laranja Mecânica" que o diga), mas, os diálogos introdutórios são tão insuportáveis e carregados de um preconceito tão tosco, que fica a impressão de que o roteirista assistiu aos melhores momentos de Tarantino, e quis imitá-lo através de falas nonsenses (sem êxito, claro).




A partir daí, o filme toma um aspecto mais onírico, repleto de metáforas, a maioria envolvendo sapos, o que deixa a produção mais com cara de David Lynch, o que dá um certo upgrade a "Baskin". Tudo, então, vai se desenrolando de maneira lenta e gradual, até chegarmos ao "inferno" propriamente dito, que é quando os policiais invadem a delegacia abandonada. E, o clima dentro do lugar é extremamente macabro e desconfortável, sendo uma versão bem mais hardcore do que o quarto do serial killer de "Seven". O jogo de câmera, a iluminação e a trilha sonora contribuem muito bem para o clima pesado, proporcionando alguns dos melhores momentos da produção.

Quando o terror, propriamente dito, começa, os fãs de cinema extremo , com certeza, vão adorar, pois, as "criaturas" que habitam o lugar são implacáveis, mas, curiosamente, acaba não sendo algo tão barbaramente violento quanto um "Albergue" da vida, por exemplo, já que tudo é mostrado muito rápido, gerando mais tensão e angústia do que repulsa. É quando aparece um personagem bastante inusitado, que, com certeza, causará calafrios nos mais desavisados, e que acaba sendo a parte mais interessante do filme, apesar de ser a mais longa, e, por isso, cansar bastante em certos pontos. Fosse esse momentos mais editado e mostrado, portanto, de maneira mais concisa, o impacto teria sido maior.




O roteiro, acima da ,édia das produções usuais de terror, aborda temas inusitados, que, unidos à metáforas bem colocadas, e um clima eterno de sonho (ou, de pesadelo) contribuem muito para a produção sair (um pouco) da caixa, e tentar (em parte) mostrar algo novo ao espectador. O problema é que, mesmo com o choque de cenas estranhas e quase filosóficas, o que fica é meio que a catarse pela catarse, o incômodo pelo incômodo. Mesmo que o final seja algo atordoante, e que faça quem assistiu pensar um pouco, e tentar encontrar as suas próprias respostas para o que acabou de ver, "Baskin", apesar de fugir um pouco do óbvio, também não vai muito além do que aquilo que é mostrado. Talvez, nesse aspecto, tenha faltado um pouco mais de ousadia na condução, e, claro, personagens melhores.

As interpretações, pelo menos, não comprometem, e os atores conseguem passar todo o desespero que os seus personagens sentem, tornando a experiência bem mais real. A direção do estreante Can Evrenol também se mostra boa na medida certa, alternando momento violentos com aqueles mais sutis e que exigem um pouco mais da nossa interpretação. E, os momentos em que o terror impera são, sim, sanguinolentos, mas também não chegam às raias de uma grande apelação (e, nesse quesito, o clima onírico ajuda bem a amenizar tais cenas). Unindo bem o conjunto, a parte técnica é um ótimo destaque, não precisando de artifícios tão modernos assim, e investindo numa composição mais clássica, como na entrada dos policiais na delegacia, por exemplo, em que a única luz do cenário são as lanternas deles, gerando, acertadamente, uma expectativa de muita tensão.



No geral, "Baskin" é um filme apenas razoavelmente bom, que, em muitos momentos se sobressai em relação à maioria do que é feito por aí, e, em outros, rende-se aos clichês mais rasos do gênero. Já que esse é apenas o primeiro filme do diretor Can Evrenol, ótimo. Ele ainda tem tempo de melhorar, e, por consequência, conseguir fazer algo verdadeiramente impactante, e que fuja do trivial do começo ao fim, e não apenas em momentos pontuais, sendo clichê no restante do tempo. Os fãs dos filmes de terror, decerto, agradecerão (muito).


Nota: 6/10

Comentários

  1. Haha,lendo, tem ora q dá vontade de assistir,tem ora que não.No geral,impera a curiosidade...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…