Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"LAVOURA ARCAICA" (2001)




"Quanto mais unida a família, mais violento é o baque"

Expurgo das dores da alma. Algo caro para todos nós, principalmente aqueles com sensibilidade acima da média para as coisas do mundo. Nem todos possuem o equilíbrio necessário para suportar tamanha enfermidade, e muitos sucumbem. Raduan Nassar entendeu isso, e, rapidamente, mostrou-nos sua visão de mundo, para depois, recolher-se no isolamento. Usou, como toda grande pessoa, a arte para expor suas mais profundas inquietações. Escreveu dois grandes livros de nossa literatura: "Um Copo de Cólera" e "Lavoura Arcaica". Enquanto o primeiro partia de uma briga de casal para expandir os limites de sua crítica para toda a sociedade, o segundo traçava a desunião de uma conservadora família para falar das contradições do mundo, voltar novamente a falar da família, e assim sucessivamente, nesse jogo onde os universos, muitas vezes, confundem-se.

Como se vê, transpor duas obras assim para o cinema seria uma tarefa das mais densas. A adaptação de "Um Copo de Cólera", por exemplo, mesmo contando com um texto brilhante, ficou, como filme, extremamente medíocre. Felizmente, precisou existir um cineasta como Luiz Fernando Carvalho para dar a um texto de Nassar o devido respeito que merece. O resultado ficou não menos que soberbo.




"O mundo das paixões é o mundo do desequilíbrio"

"Lavoura Arcaica", perdão o clichê, é um filme difícil. Não que ele seja incompreensível, mas suas mais de duas horas de duração exigem uma entrega do espectador, não bastando apenas assisti-lo, mas, senti-lo, alegrar-se, incomodar-se e, desesperar-se com ele. Começa com uma longa cena de masturbação do personagem André, intercalada com o som de uma locomotiva. Após o gozo do ato, ele apenas para, e olha com expressão vazia para o nada, como se precisasse de alguma válvula de escape que pudesse impulsioná-lo a algum lugar. Bastante sensorial.

Então, Pedro, seu irmão, bate à porta de seu pequeno e sujo apartamento para tentar buscá-lo de volta, já que ele fugiu da fazenda da família por não suportar mais o convívio com seus pais e irmãos. O que se segue é a expurgação. A princípio, Pedro se mostra firme em seus princípios e relutante em relação às ações de André. Típico confronto entre irmão mais velho e experiente e irmão mais novo e imaturo (pelo menos, aparentemente). Porém, o tempo passa... E, André vai expondo seus motivos, um a um, desesperado, acuado, entregue e, acima de tudo, honesto. Não vê mais sentido em nada (família, religião, amigos, amores). Não se trata de um suicida, mas apenas de uma criatura exausta com as incompreensíveis obrigações que as pessoas lhe oferecem.




Sentindo-se incapaz de continuar longe da família, mesmo repudiando-a, André volta com Pedro para casa. E, lá, na conversa que terá com seu rigoroso pai, irá se desnudar para ele como nunca vez. Aceita ser submisso às regras do lugar, mesmo tendo certeza de que, nas suas palavras, "não há grandeza, como se dizem, no amor familiar".

Vale ressaltar que a religiosidade também se faz muito presente na obra. O pai de André mostra-se exigente quanto a postura dos filhos nesse aspecto, e, sempre que pode, conversa com eles à mesa, usando parábolas bíblicas para passar certos ensinamentos. Porém, ele não é, de fato, uma má pessoa. Como o próprio texto expõe, é apenas mais um que está perdido nos arroubos da vida, usando a religião como refúgio. No entanto, em outra cena, em que André interpela sua irmã numa pequena capela, é mostrado que uma educação estritamente religiosa pode provocar seu completo oposto: uma severa profanação dos dogmas mais sagrados.




"A impaciência também tem seus direitos"

Logo de início, podemos notar que as atuações aqui são magistrais, em especial, de Selton Melo e Raul Cortez. Na conversa de pai e filho na mesa, após o regresso deste, a cena é toda primorosa, mostrando a entrega total dos atores aos seus personagens. Não que exista alguém que esteja ruim em seu papel neste filme, mas, com certeza, esses dois estão em outro patamar. Também ajudou bastante a fotografia belíssima de Walter Carvalho e a direção envolvente de Luiz Fernando. E, por fim, claro, temos o texto de Nassar. Palavras postas em papel que mereciam realmente uma adaptação dessas, com cuidado e esmero.

"Eu posso ser o profeta da minha própria história"

O expurgo sempre é necessário. Mesmo que a inércia cotidiana nos obrigue a aceitar tudo de bom grado, em algum momento, precisaremos expor nossos demônios. O texto de Raduan Nassar em "Lavoura Arcaica" não só proporcionou uma das melhores obras do nosso cinema, mas um valoroso objeto de reflexão, uma forte mexida nas ideias, um alarme para toda essa mediocridade, tão latente. São diversas mentiras aceitas, entre elas, tudo o que se relaciona com o seio familiar. Nossas impressões são apenas fumaça, um esboço opaco de uma realidade que teimamos em esconder. "Lavoura Arcaica" (livro e filme) nos diz isso e muito mais.




Nota: especificamente, este filme ficará sem nota. Não julgo necessário.

Comentários

  1. Excelente análise meu caro. Ainda considero "Lavoura Arcaica" a obra mais próxima da perfeição já produzida por nosso cinema!

    ResponderExcluir
  2. Sim, nobre. Não sei se chega a ser o melhor brasileiro que já assisti, pois "Terra em Transe" também é fenomenal.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…