Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"O HOMEM DUPLICADO" (2013)




Solidão, rotina, vazio. Solidão, rotina, vazio. Solidão, rotina, vazio. Um ciclo sem fim ignorado pela maioria absoluta das pessoas em seu cotidiano. Inclusive, por Adam. Sua inquietação não vai além de um mero incômodo. Ele precisa, urgentemente, de outra vida. Ele sabe disso; todos nós sabemos. Sua profissão de professor de História, seu romance com uma jovem, sua relação com a cidade onde mora; tudo está no piloto automático. Não existe prazer genuíno; apenas, obrigação de seguir uma linha reta, sem mudanças ou emoções bruscas.

Essa é a espinha dorsal do filme "O Homem Duplicado", baseado em obra do escritor José Saramago, e dirigido por Denis Villeneuve, cineasta canadense do ótimo "Incêndios" e do mediano "Os Suspeitos". Deste último, por sinal, vem o ator Jake Gyllenhaal, repetindo a parceria com o diretor em menos de um ano. Sua representação do personagem Adam é boa e convincente; um dos (muitos) pontos positivos do longa.




Voltando à estória, Adam passa a assistir filmes para se distrair e quebrar um pouco de sua rotina. Só que, um dia, vê um ator que, estranhamente, é muito parecido com ele; até demais. Esse ser idêntico (sua perfeita duplicata) chama-se Anthony. A semelhança, no entanto, é somente física, pois a personalidade dos dois é bem distinta. Enquanto um é cheio de pudores e escrúpulos, o outro é impulsivo e de caráter duvidoso. O encontro deles suscita a possibilidade de um viver a vida do outro.

"O Homem Duplicado" é repleto de simbolismos. O mais forte, sem dúvida, é a presença bizarra de algumas aranhas. Na parte metafórica, pode significar o poder feminino, ou na psicanalítica, desejos sexuais reprimidos do protagonista. Ambas as interpretações são coerentes, diga-se, pela vida que leva Adam, principalmente pelo fato da presença da mulher na sua vida não ser realmente resolvida.




Tecnicamente, assim como em outros filmes do diretor, este é bastante criativo, com cenas parecendo pinturas e pouco foco, como se as imagens fossem sonhos (em alguns casos, pesadelos). Vale destacar que as tomadas externas são bastante abertas, e as internas, bem fechadas, como se passassem a ideia que, no mundo atual, todos estamos trancafiados em nossos pequenos mundos, cada vez mais egoístas e individualistas. Mundos, esses, claustrofóbicos e opressores. Essa temática, que dá respaldo para inúmeros debates, é bem abordada ao longo do roteiro.

Muito se questiona do ritmo lento do filme, chegando a classificá-lo de enfadonho. No entanto, não há como acusar  Villeneuve de oportunismo ou de se render a uma estética. A contemplação já faz parte de sua identidade artística há tempos. Até mesmo no conceituado "Incêndios", há inúmeras cenas paradas, reflexivas. E, isso não é ruim; somente estamos acostumados ao ritmo acelerado do cinemão hollywoodiano, que despeja imagens sem muito conteúdo.




"O Home Duplicado" é, por vezes, parecido com um enigma, precisando ser codificado e sentido aos poucos. Claro que, em algumas cenas, o diretor poderia ter imprimido uma narrativa mais enxuta e, em outras, ter se alongado um pouco mais. Porém, o que importa é que a essência da mensagem não se perde, muito pelo contrário.

Esse, realmente, é um filme incomum. Típico caso de dividir opiniões. Como cinema, está acima da média de muita coisa feita hoje. Pelo menos, ele consegue ser melhor que "Os Suspeitos", produção anterior de Villeneuve. Com algum ou outro ponto mais explorado, ele ficaria mais completo. De qualquer jeito, assistir algo do diretor é sempre uma experiência única, e esse aqui não é exceção.


NOTA: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…