Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"O HOMEM DUPLICADO" (2013)




Solidão, rotina, vazio. Solidão, rotina, vazio. Solidão, rotina, vazio. Um ciclo sem fim ignorado pela maioria absoluta das pessoas em seu cotidiano. Inclusive, por Adam. Sua inquietação não vai além de um mero incômodo. Ele precisa, urgentemente, de outra vida. Ele sabe disso; todos nós sabemos. Sua profissão de professor de História, seu romance com uma jovem, sua relação com a cidade onde mora; tudo está no piloto automático. Não existe prazer genuíno; apenas, obrigação de seguir uma linha reta, sem mudanças ou emoções bruscas.

Essa é a espinha dorsal do filme "O Homem Duplicado", baseado em obra do escritor José Saramago, e dirigido por Denis Villeneuve, cineasta canadense do ótimo "Incêndios" e do mediano "Os Suspeitos". Deste último, por sinal, vem o ator Jake Gyllenhaal, repetindo a parceria com o diretor em menos de um ano. Sua representação do personagem Adam é boa e convincente; um dos (muitos) pontos positivos do longa.




Voltando à estória, Adam passa a assistir filmes para se distrair e quebrar um pouco de sua rotina. Só que, um dia, vê um ator que, estranhamente, é muito parecido com ele; até demais. Esse ser idêntico (sua perfeita duplicata) chama-se Anthony. A semelhança, no entanto, é somente física, pois a personalidade dos dois é bem distinta. Enquanto um é cheio de pudores e escrúpulos, o outro é impulsivo e de caráter duvidoso. O encontro deles suscita a possibilidade de um viver a vida do outro.

"O Homem Duplicado" é repleto de simbolismos. O mais forte, sem dúvida, é a presença bizarra de algumas aranhas. Na parte metafórica, pode significar o poder feminino, ou na psicanalítica, desejos sexuais reprimidos do protagonista. Ambas as interpretações são coerentes, diga-se, pela vida que leva Adam, principalmente pelo fato da presença da mulher na sua vida não ser realmente resolvida.




Tecnicamente, assim como em outros filmes do diretor, este é bastante criativo, com cenas parecendo pinturas e pouco foco, como se as imagens fossem sonhos (em alguns casos, pesadelos). Vale destacar que as tomadas externas são bastante abertas, e as internas, bem fechadas, como se passassem a ideia que, no mundo atual, todos estamos trancafiados em nossos pequenos mundos, cada vez mais egoístas e individualistas. Mundos, esses, claustrofóbicos e opressores. Essa temática, que dá respaldo para inúmeros debates, é bem abordada ao longo do roteiro.

Muito se questiona do ritmo lento do filme, chegando a classificá-lo de enfadonho. No entanto, não há como acusar  Villeneuve de oportunismo ou de se render a uma estética. A contemplação já faz parte de sua identidade artística há tempos. Até mesmo no conceituado "Incêndios", há inúmeras cenas paradas, reflexivas. E, isso não é ruim; somente estamos acostumados ao ritmo acelerado do cinemão hollywoodiano, que despeja imagens sem muito conteúdo.




"O Home Duplicado" é, por vezes, parecido com um enigma, precisando ser codificado e sentido aos poucos. Claro que, em algumas cenas, o diretor poderia ter imprimido uma narrativa mais enxuta e, em outras, ter se alongado um pouco mais. Porém, o que importa é que a essência da mensagem não se perde, muito pelo contrário.

Esse, realmente, é um filme incomum. Típico caso de dividir opiniões. Como cinema, está acima da média de muita coisa feita hoje. Pelo menos, ele consegue ser melhor que "Os Suspeitos", produção anterior de Villeneuve. Com algum ou outro ponto mais explorado, ele ficaria mais completo. De qualquer jeito, assistir algo do diretor é sempre uma experiência única, e esse aqui não é exceção.


NOTA: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…