Pular para o conteúdo principal
DICA DE LIVRO 

"O VÔO" (1995)




As ditaduras militares que assolaram a América Latina entre as décadas de 60 e 80 continuam a ser um período obscuro da nossa história. Assunto tabu, muito ainda se esconde do que, de fato, aconteceu na época. Devido a isso, diversos produtos culturais são feitos para que se dê algumas pistas do que realmente ocorreu. "O Vôo" é um deles. O livro fala, especificamente, do regime ditatorial que se instalou na Argentina entre os anos de 1976 e 1983, e que deixou uma marca absurda de cerca de 30 mil mortos.

O título do livro se refere a uma das operações empregadas para o extermínio dos subversivos. Consistia em capturar pessoas acusadas de serem contra o sistema, para depois, serem fortemente sedadas, e, por fim, jogadas ao mar, estando ainda inconscientes. Horacio Verbitsky, autor do livro, centra-se numa longa entrevista que teve com o capitaão de corveta da época, Adolfo Francisco Scilingo. São declarações bastante reveladoras. Seguem exemplos:




"Hoje, lamentavelmente, como as coisas estão jogadas, como se continua escondendo tudo e não se mostra a cara, acho que tanto os que morreram dessa forma, porque eram jogados, como nós, os que estávamos aí, éramos grupos de idiotas úteis (...) Penso isso hoje, quando sei que não havia necessidade de matá-los".

"Não acredito que haja aberração maior para um pai do que ter um filho desaparecido. Um filho está vivo ou está morto. Mas, desaparecido não existe. E, isso é culpa das Forças Armadas".

"Pode-se aceitar 'não falar', porque são segredos de guerra, durante um determinado períodoMas, terminada a guerra, isto já é história. E, inclusive penso que faz bem à Repúblicaque se saiba não só o que se fez, como também seja obrigatória a entrega de listasde feridos e mortos (...)"

Verbitsky não se limita somente a fazer perguntas, mas interpela de maneira incisiva seu entrevistado sobre as implicações éticas e morais de tais atos. Aqui segue uma das falas feitas diretamente a Scilingo:

"O direito de saber que vai morrer não se nega a nenhum ser humano. É uma medida elemntar de respeito à dignidade humana, mesmo em uma situação limite".




Além disso, o escritor consegue outras horrendas comprovações presentes em documentos e declaradas por pessoas que viveram tudo aquilo:

"A chave que o documento não revelava era precisamente o que aconteceranesse trajeto que vai desde a prisão de uma pessoa viva, com nome e sobrenome que os militares a obrigavam a revelar, até sua transformação em um morto anônimo, cujo cadáver flutuava no limbo. Oitenta por cento dos desaparecidos tinham sido sequestrados de suas casas, na rua ou em seu lugar de trabalho, ante testemunhas. Fora uma guerra sem batalhas".

"Os poucos presos que conseguiram sair com vida da Escola de Mecânica da Armada, liberados ao comprovar-se sua desvinculação para com causaspelas quais foram capturadas, ou, em um caso, por terem fugido, permitem reconstruir aproximadamente a gama de crueldades que ali se aplicava: violentação de mulheres, introdução de camundongos vivos na vagina, mutilação de genitais com laminazinhas de barbear, vivissecção sem anestesia, amputação de membros, arrancamento de unhas de mãos e pés".

Segundo Scilingo, eram de 15 a 20 pessoas jogadas vivas ao mar todas as quartas, durante dois anos. O livro segue, então, intercalando seu depoimento com declarações de outras autoridades das Forças Armadas, o que ocasionou o julgamento de muitos envolvidos nas atrocidades citadas.

Bastante humanista e coerente com sua proposta, "O Vôo" traça um dos aspectos da ditadura militar argentina, mas que serve como parâmetro para comparar com qualquer uma ocorrida na época, inclusive a brasileira. Incita, portanto, o repúdio a toda e qualquer barbaridade ocorrida nesse período, em sua grande maioria, pelos militares.




Ironicamente, é o tenente-general Martín Balza quem melhor resumiu a questão:

"A ética sempre deverá ter primazia. Os fins não justificam os meios. Não há justificativa ética dos fins a partir da ilegitimidade dos procedimentos. A obediêrncia então deve ser valorizada em sua essência e em sua complexidade: todo militar deve dar e receber ordens. Mas, deve fazê-lo como um ser moral e individual; nunca se deve ordenar que se faça algo imoral, pois quando alguém cumpre uma ordem imoral ou a ela obedece, deixamos o terreno da virtude para entrarmos na conduta viciosa".


NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…