Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO 

"DE LA TIERRA" (2014)




Às vezes, espectativas erradas podem estragar um bom resultado. Quando foi anunciada a formação da banda De La Tierra, cuja proposta era fazer um "rock latino" (sendo lá o que isso queira significar), muitos esperavam que o primeiro disco tivesse um som calcado somente no Sepultura, devido a Andreas Kisser fazer parte do conjunto. Esqueceram-se, no entanto, que o De La Tierra não é um projeto solo de Andreas, e sim um grupo formado por outros integrantes, nas quais as influências são, de fato, bem diferentes.

Além de Andreas na guitarra, temos o Sr. Flavio (do Los Fabulosos Cadillacs) no baixo, Alex “El Animal” González (do Maná) na bateria e Andrés Giménez (do A.N.I.M.A.L) nos vocais. No balanço geral, são duas bandas de heavy metal, e outras duas que flertam com um pop bem leve e radiofônico. É claro que, numa banda de rock, a guitarra quase sempre se sobressai, e aqui fica claro um ou outro som relacionado ao Sepultura. Mas, não chega tão perto. E, isso é ótimo.




A partir do momento em que componentes de bandas tão díspares se juntam, isso acarreta uma variedade maior à proposta original. O disco, em si, começa de forma climática, com a introdução "D.L.T." (a própria abreviatura da banda) para desembocar na muito boa "Somos Uno". Há outras canções que merecem destaque, como a pesada "Maldita Historia" e a (quase) hardcore "Cosmonauta Quechua".

Dos integrantes do De La Tierra, o foco, obviamente, vai para Andreas Kisser, e este não decepciona. Sua guitarra ora parte para passagens mais trabalhadas e melódicas (com belos solos), ora vai numa linha mais rápida, beirando o punk, e lembrando um pouco o Sepultura do início dos anos 90. O baterista Alex "El Animal" também está bastante introsado, e trazendo algumas levadas um pouco diferentes do habitual, principalmente no começo de algumas músicas. E, Andrés Giménez e Sr. Flavio completam o time com competência.




Reclamaram demais que esse disco poderia ter sido mais "furioso", mais "nervoso", porém, francamente, não há a mínima necessidade disso. O caminho que o De La Tierra quer trilhar não tem nada a ver com algo mais extremista. Logicamente que é o tipo de trabalho que precisa de umas "escutas extras" para ser melhor apreciado. E, não é que falte peso; é preciso somente que haja harmonia em certas partes, o que deixaria algumas canções mais "redondas".

Apesar disso, o primeiro disco do De La Tierra é muito consistente, e chega a ser melhor do que alguns álbuns lançados por aqui sob a alcunha de "rock". É uma banda que, com um tom mais direcionado e livre, ainda renderá muito. Basta não querer que soem como meras cópias de suas outras bandas.




NOTA: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…