Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"NEVERMIND" (1991)




Alguns discos transcendem a época em que foram lançados, e ganham uma importância absurda dentro da indústria do entretenimento. Só para ficar nos exemplos mais clássicos poderíamos citar "Sgt. Peppers" (Beatles), "The Dark Side of the Moon" (Pink Floyd) e "Nevermind The Bollocks" (The Sex Pistols). Todos de enorme influência até hoje. "Nevermind", do Nirvana, está nesse seleto grupo.

Não que a banda tenha forçado a barra para alcançar o estrelato. Longe disso. No ano em que veio ao mundo, esse álbum teve de concorrer com artistas como Michael Jackson e Witney Huston, reconhecidos campeões de vendas. O susto foi justamente uma banda de garagem, com um trabalho despretensioso, às vezes, cru, desbancar dois medalhões desse porte. Nesse caso, mesmo que temporariamente, o simples superou o elaborado.




O melhor de tudo é que "Nevermind" fez por onde merecer o estardalhaço que causou. É oum trabalho que, como poucos, mistura elementos pop com a fúria e a urgência de um bom rock'n roll. Esses elementos encontramos já na primeira música, "Smells Like Teen Spirit". Bastou os seus primeiros acordes para que ela trouxesse um supro revigorante ao estilo. Um começo avassalador.

Já, a canção seguinte, "In Bloon", é mais cadenciada, mas não menos vibrante (principalmente, em seu refrão). "Come As You Are" é quase uma balada, e isso, por incrível que pareça, é o seu grande mérito. Quantas músicas "comerciais" ouvimos por aí com tamanha qualidade e estilo?




A partir daqui, temos uma variação entre canções mais pesadas, quase punks ("Breed" e "Territorial Pissings") com outras mais introspectivas ("Polly" e "Something in the Way"). Nesse conjunto, destacam-se a maravilhosamente melódica "Lithium" e a explosiva "Stay Away". Ao final, um disco realmente poderoso, com uma porção de músicas que poderiam muito bem fazer sucesso (e fizeram), mas sem perder em peso e garra.

Por sinal, garra é uma das qualidades que devem ser citadas aqui. Kurt Cobain, mesmo limitado como guitarrista conseguiu compor ótimos riffs, além de escrever letras muito boas. Kris Novoselic, como baixista, conseguiu preencher os "espaços" das músicas com excelentes melodias. E, claro, Dave Grohl, na bateria, mostrou um vigor invejável. Bom lembrar que a produção de Butch Vig, que, anos mais tarde, formaria a banda Garbage, ajudou a moldar o som do Nirvana de maneira fenomenal.




Muitos discos vendidos depois, uma influência sem precedentes nos grupos de rock que surgiram posteriormente e o trite suicídio de Kurt Cobain marcaram a imagem do Nirvana eternamente. Talvez a penúltima grande revolução (a verdadeira) no rock (a última mesmo quem nos proporcionou foi o Radiohead e o seu "OK Computer", em 1997).

Apesar de tudo isso, "Nevermind" não é o melhor disco do Nirvana. Antes e depois dele, tivemos o lançamento da pérola "Bleach" e do seminal "In Utero". Mas, o famoso disco do bebê sendo pescado é, sem dúvida, o mais importante. Aprimorou o que o grupo vinha fazendo e proporcionou excelentes possibilidades (afinal, com o sucesso de "Nevermind" eles tiveram aval para lançarem um dos melhores acústicos de todos os tempos).




Um caso raro em que o alternativo se encontra com o mainstream, fazem as pazes e unem forças para levar música visceral às massas. Em tempos de crise artística, um autêntico grito de revolta .


NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…