Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"NEVERMIND" (1991)




Alguns discos transcendem a época em que foram lançados, e ganham uma importância absurda dentro da indústria do entretenimento. Só para ficar nos exemplos mais clássicos poderíamos citar "Sgt. Peppers" (Beatles), "The Dark Side of the Moon" (Pink Floyd) e "Nevermind The Bollocks" (The Sex Pistols). Todos de enorme influência até hoje. "Nevermind", do Nirvana, está nesse seleto grupo.

Não que a banda tenha forçado a barra para alcançar o estrelato. Longe disso. No ano em que veio ao mundo, esse álbum teve de concorrer com artistas como Michael Jackson e Witney Huston, reconhecidos campeões de vendas. O susto foi justamente uma banda de garagem, com um trabalho despretensioso, às vezes, cru, desbancar dois medalhões desse porte. Nesse caso, mesmo que temporariamente, o simples superou o elaborado.




O melhor de tudo é que "Nevermind" fez por onde merecer o estardalhaço que causou. É oum trabalho que, como poucos, mistura elementos pop com a fúria e a urgência de um bom rock'n roll. Esses elementos encontramos já na primeira música, "Smells Like Teen Spirit". Bastou os seus primeiros acordes para que ela trouxesse um supro revigorante ao estilo. Um começo avassalador.

Já, a canção seguinte, "In Bloon", é mais cadenciada, mas não menos vibrante (principalmente, em seu refrão). "Come As You Are" é quase uma balada, e isso, por incrível que pareça, é o seu grande mérito. Quantas músicas "comerciais" ouvimos por aí com tamanha qualidade e estilo?




A partir daqui, temos uma variação entre canções mais pesadas, quase punks ("Breed" e "Territorial Pissings") com outras mais introspectivas ("Polly" e "Something in the Way"). Nesse conjunto, destacam-se a maravilhosamente melódica "Lithium" e a explosiva "Stay Away". Ao final, um disco realmente poderoso, com uma porção de músicas que poderiam muito bem fazer sucesso (e fizeram), mas sem perder em peso e garra.

Por sinal, garra é uma das qualidades que devem ser citadas aqui. Kurt Cobain, mesmo limitado como guitarrista conseguiu compor ótimos riffs, além de escrever letras muito boas. Kris Novoselic, como baixista, conseguiu preencher os "espaços" das músicas com excelentes melodias. E, claro, Dave Grohl, na bateria, mostrou um vigor invejável. Bom lembrar que a produção de Butch Vig, que, anos mais tarde, formaria a banda Garbage, ajudou a moldar o som do Nirvana de maneira fenomenal.




Muitos discos vendidos depois, uma influência sem precedentes nos grupos de rock que surgiram posteriormente e o trite suicídio de Kurt Cobain marcaram a imagem do Nirvana eternamente. Talvez a penúltima grande revolução (a verdadeira) no rock (a última mesmo quem nos proporcionou foi o Radiohead e o seu "OK Computer", em 1997).

Apesar de tudo isso, "Nevermind" não é o melhor disco do Nirvana. Antes e depois dele, tivemos o lançamento da pérola "Bleach" e do seminal "In Utero". Mas, o famoso disco do bebê sendo pescado é, sem dúvida, o mais importante. Aprimorou o que o grupo vinha fazendo e proporcionou excelentes possibilidades (afinal, com o sucesso de "Nevermind" eles tiveram aval para lançarem um dos melhores acústicos de todos os tempos).




Um caso raro em que o alternativo se encontra com o mainstream, fazem as pazes e unem forças para levar música visceral às massas. Em tempos de crise artística, um autêntico grito de revolta .


NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…