Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"TRANSCENDENCE - A REVOLUÇÃO" (2014)
Direção: Wally Pfister.


O que anda acontecendo com o público e a crítica especializada em cinema, hein? Tudo bem que quase tudo o que faz sucesso não é, necessariamente, sinônimo de qualidade, e, não raro, as melhores coisas são aquelas que estão longe dos holofotes.

Mas, tem uma penca de ótimos filmes feitos em Hollywood nos últimos anos que estão sendo relegados ao esquecimento ou simplesmente estão sendo tachados de "lixo". Exemplos não faltam: "O Nevoeiro", "O Preço do Amanhã", "Uma Noite de Crime"... Todos muito bons dentro de suas propostas, e que ousaram mostrar um pouco além para se diferenciarem do resto.

No entanto, são os heróis da Marvel e as adaptações ruins de livros igualmente ruins os constantemente bajulados, muitas vezes, alçados ao panteão das grandes artes. Pois é; não dá pra entender...



Com isso, chegamos a "Transcendence", mais recente filme com o sempre ótimo Johnny Depp. Essa produção se enquadra perfeitamente na descrição acima, ou seja, um longa que explorou muito bem suas ideias, mas que não foi devidamente compreendido.

Talvez, o maior pecado dele tenha sido sua divulgação. "Transcendence" foi vendido como uma super-produção de ficção científica, coisa que ele não é. Trata-se (vejam só) de um drama intimista, bonito e bem construído, de um casal, embalado por algumas pitadas de ficção científica e ação. Eis a diferença.

Porém, desde "Matrix", tudo o que vem com essa embalagem tem que ser movimentado, e recheado de tiroteios e efeitos mirabolantes. Resultado: tanto público quanto crítica não perdoaram. Colocaram "Transcendence" como uma decepção, o que está longe de ser.


A estória, por si, já é fascinante: acompanhamos, de início, a trajetória do dr. Will Caster, o mais famoso pesquisador sobre inteligência artificial dos nossos dias. Só que seus avanços científicos desagradam um grupo de ativistas que acreditam que essa nova tecnologia pode ser prejudicial à humanidade.

É então que Caster sofre um atentado, e sobrevive. Mas, descobre que a bala estava infectada, causando uma grave enfermidade, o que lhe dá apenas alguns meses de vida. Prestes a morrer, consegue convencer sua esposa Evelyn e seu amigo Max a fazerem o "upload" de sua mente para o computador, fazendo dele o primeiro caso de verdadeira inteligência artificial que se tem notícia.

Só que tanto o governo quanto os ativistas que atentaram contra sua vida anteriormente veem nisso uma grande ameaça, pois a mente de Will está se expandindo muito rápido, e isso pode acarretar num controle desproporcional da vida humana.


A partir daí, seria ação do início ao fim, certo? Errado!

Desse instante em diante, o filme passa a ficar mais lento e introspectivo, com pouquíssima movimentação, e com raros (mas, eficientes) efeitos especiais. O que pouca gente entendeu é que o foco não é uma "batalha do bem x mal", como vemos tantas vezes em produções do gênero. É uma estória reflexiva sobre os limites do poder e da consciência. Até que ponto as pessoas podem ser ajudadas, para, depois, tornarem-se escravas?

Só pra ilustrar: na base que Will "constrói", ele recebe vários moradores locais com diversas enfermidades; todas, sem solução pela ciência usual. Usando de nanotecnologia, ele vai curando essas pessoas, mas com um adendo: implanta microchips nelas, deixando-as conectadas a ele. Todas ainda possuem autonomia, mas podem ser comandadas para as tarefas que Will quiser.


Então, fica a questão: é certo livrar as pessoas de seus problemas, mas deixá-las sob alguma espécie de controle? Com o uso indiscriminado da ciência, não estaríamos nos tornando deuses?

São esses debates éticos que vão pontuando o filme ao longo de sua duração, sempre com bastante equilíbrio e evitando os lugares-comuns. Paralelo a isso, vemos o drama de Evelyn, que ainda ama Will, mas não concorda com os métodos que ele passa a usar após ter virado "uma memória digital".

Muito se criticou as atuações, principalmente, a de Johnny Depp. Particularmente, não vi nada demais nelas. Não chegam a serem fabulosas, porém, todos os atores (em especial, Rebecca Hall e Morgan Freeman) estão bastante seguros em seus personagens.


Mas, o que chateou muita gente deve ter sido mesmo o andamento do filme. Calmo, introspectivo, reflexivo, um pouco denso, e algumas vezes romântico. Não são características que se esperam em uma super-produção de ficção científica, concordam? E é justamente isso que a torna especial.

Mesmo que de forma não tão aprofundada, "Transcendence" quebrou alguns paradigmas, e como público e crítica estão hoje em dia numa certa zona de conforto, ele pagou seu preço, sendo duramente hostilizado e rotulado como um filme ruim.

Que tal a gente "transcender" a mediocridade atual, e passar a dar crédito a produções bem acabadas como esta? Assim, damos a possibilidade de suas ideias serem melhor elaboradas em filmes futuros, e nos salvamos de super-produções badaladas (e banais).


NOTA: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…