Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"CINEMA, ASPIRINAS E URUBUS" (2005)
Direção: Marcelo Gomes.


Nos últimos anos, o cinema brasileiro vem nos presenteando com ótimas produções. Tudo bem que, de vez em quando, aparecem aquelas obras pedantes, com um baita esquema de marketing, mas que, no fundo, são belos engodos. Felizmente, são a exceção. Ultimamente, filmes como "Cinema, Aspirinas e Urubus" estão sendo a regra....

Tendo como estrutura uma espécie de roadie movie, ele nos mostra, de maneira bem honesta, a relação entre Ranulpho (sertanejo à procura de trabalho) e Johann (alemão que se encontra no sertão pernambucano para vender a mais recente novidade da medicina à época: aspirinas). Ambos, de algum modo, são ariscos e arredios, porém, mesmo sem demonstrarem tão explicitamente, sabemos que os dois nutrem uma amizade sincera entre si.



O fato do filme se passar no ano de 1942, auge da Segunda Guerra, é providencial para a trama, pois isso irá deixar Johann em conflito, principalmente quando o Brasil declara guerra aos alemães e aliados, e ele, por lei, precisa ir pra fora do país, ou aceitar ser levado a um campo de concentração em SP.

Nesse momento, vamos ver uma aproximação ainda maior entre os dois amigos. Com o tempo, um passa a compreender melhor o mundo do outro. Johann entende porque Ranulpho é tão amargo, e este descobre os motivos que levam seu companheiro de viagem a ser tão aventureiro.


O roteiro, mesmo simples, desenrola assuntos interessantes. Identificamos desde questões políticas sobre a guerra e a condição do sertanejo, até pontos mais intimistas. Temos a eterna busca por identidade (Johann sente-se incomodado, às vezes, por ser um estrangeiro no meio de costumes que não conhece) e a aceitação do outro, com suas óbvias diferenças, mas sabendo que se trata de alguém tão humano quanto.

Os atores estão excelentes em cena, com os eventuais sotaques de suas respectivas terras, mas sem soar nada forçado ou caricato. A fotografia, muitas vezes saturada e desoladora, dá o tom amargo e triste em algumas situações, e em outras, mostra-se mais nítida, como se demonstrasse o nível de esperança dos personagens. Uma esperança compartilhada conosco, o que torna a jornada deles bastante emocionante.


"Cinema, Aspirinas e Urubus" pode se gabar de não ser facilmente rotulável. Há partes tristes, mas que não são piegas; há partes reflexivas, porém, sem serem prepotentes; e tem partes alegres e descontraídas, porém, sem exageros. No geral, é uma belíssima obra sobre a vida e suas angústias, mas também sobre esperança e a fé.

Um dos melhores filmes nacionais dos últimos anos, sem dúvida.


NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…