Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"MAGNÓLIA" (1999)
Direção: Paul Thomas Anderson.


A vida e seus pequenos pormenores; as suas minúsculas desgraças; os seus tão formidáveis egoísmos. Somos feitos de nossos (muitas vezes) pequenos problemas; e é isso o que nos define, o que determina quem seremos. É quase uma determinação do destino ou coisa que o valha.

E, tudo parece estar interligado, unido numa lógica que não se entende quando se está no olho do furacão. Mas, visto de longe, são mosaicos; vidas tão minúsculas, e ao mesmo tempo, importantes dentro do seu contexto.



Em linhas gerais, o filme "Magnólia" é isso: um apanhado de sofrimentos humanos, ligados um ao outro, mas sem ninguém (ou quase ninguém) se dar conta de quem está ao seu lado, em muitos casos, com um sofrimento maior do que o seu.

A produção começa acelerada, bastante histérica, mostrando que pequenos atos podem causar incríveis acontecimentos. Não por acaso, o narrador dessa e de outras tantas estórias é um policial que acredita no seu dever.

Não, ele não é um alienado, "cego" pela sua profissão, mas alguém que "vê" mais à sua volta do que os outros, e faz do seu emprego de policial uma oportunidade a mais para ajudar a quem precisa. E, o que não faltam são pessoas necessitadas...


Aqui, conhecemos um garoto prodígio, explorado pelo pai, e obrigado a participar de um campeonato de perguntas e respostas na TV. Já, o apresentador desse programa está gravemente doente, e à beira da morte.

Ao mesmo tempo, ele possui uma filha, a qual ele abusou quando criança, e hoje se transformou numa pessoa perturbada e viciada em drogas. E, é essa moça que uma das pessoas que o policial (narrador da estória) vai tentar ajudar.

Vamos encontrar várias outras correlações entre personagens em "Magnólia". Nenhuma é forçada; todas são verdadeiras e possíveis de encontrarmos em qualquer lugar.


Palmas para o diretor Paul Thomas Anderson, que além de dirigir, roteirizou a estória, e o fez de maneira brilhante. Algumas situações, é verdade, beiram o ridículo, mas são desculpáveis pelo conjunto mostrado.

As atuações estão belíssimas, em especial, Tom Cruise, como um escritor machista, e Juliane Moore, como esposa de um senhor que está nos últimos momentos de vida, e passa a decidir o que tornar o seu fim mais confortável.

A duração do filme (3 horas batidas e certas) pode incomodar a maioria do público. Afinal, são 180 minutos de sofrimentos humanos bem palpáveis, e, às vezes, patéticos.


Mas, o policial, interlocutor entre Paul Thomas Arderson e o espectador, é o fio da narrativa que tenta mostrar alguma esperança (mesmo que, aparentemente, ingênua).

A emblemática chuva de sapos já bem no final pode ser entendida como uma metáfora religiosa: o banho necessário que irá "lavar" todas as nossas desgraças, que irá, de alguma maneira, nos mostrar um pouco de redenção. E, como uma peste enviada pelos deuses, essa chuva também é a nossa merecida punição.


Simbólico e fascinante, "Magnólia" é uma experiência sensorial das mais doloridas, mas, também, das mais belas. Um retrato, por vezes borrado, de uma sociedade doente, mas que pode ter salvação.

Pois, a vida precisa continuar...


NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Documentário

"O Ódio na Internet" (2014)
Direção: Rokhaya Diallo e Mélanie Gallard.


Infelizmente, nos últimos tempos, a Internet vem se transformado numa plataforma muito eficiente para disseminar o ódio e a intolerância. Uma das vítimas dessa recente "modalidade" na Rede foi a jornalista francesa Rokkaya Diallo. Muito ativa nas redes sociais, ela sempre expôs muito de sua opinião nelas, e isso sempre gerava discursos enraivecidos contra sua pessoa. A gota d'água foi quando recebeu, via Twitter, uma ameaça de estupro: "Alguém tem que estuprar a idiota da Rokhaya. Assim, o racismo acaba." Em ataques anteriores, Rokhaya ignorou as ofensas. Desta vez, no entanto, decidiu revidar, e foi daí que surgiu a ideia deste documentário.
Primeiro, procurou um advogado para saber que atitude tomar. Surpresa, viu que os trâmites para se denunciar um crime virtual é mais complicado do que se imagina, principalmente, devido à empresa que controla determinada pla…
DICA DE FILME

"Para Sempre Lilya" (2002)
Direção: Lukas Moodysson.


A sociedade e seus excluídos. Marginalizados. Abandonados. Mesmo quando teimam em sobreviver, são hostilizados. A bem da verdade, muito já não nem sequer uma "vida". Nesse panorama desolador, temos filmes brilhantes que retratam esses personagens de maneira bela e não-maniqueísta. "Para Sempre Lilya" é um deles.

O próprio ambiente em que se passa a estória já é desolador: uma antiga União Soviética, onde chove o tempo todo. As pessoas não se ajudam, não estão preocupadas com mais ninguém a não consigo. A mãe de Lilya se enquadra nessa categoria. Muda-se para os EUA com seu novo companheiro, deixando a filha a própria sorte.


De início, Lilya vai tentar morar com uma tia opressora, porém, obviamente, a convivência não dá certo. Vivendo praticamente na miséria, ela não vê outra alternativa a não ser se prostituir para conseguir o mínimo necessário. Seu único alento é a amizade de Volodya, um ga…