Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"Para Sempre Lilya" (2002)
Direção: Lukas Moodysson.


A sociedade e seus excluídos. Marginalizados. Abandonados. Mesmo quando teimam em sobreviver, são hostilizados. A bem da verdade, muito já não nem sequer uma "vida". Nesse panorama desolador, temos filmes brilhantes que retratam esses personagens de maneira bela e não-maniqueísta. "Para Sempre Lilya" é um deles.

O próprio ambiente em que se passa a estória já é desolador: uma antiga União Soviética, onde chove o tempo todo. As pessoas não se ajudam, não estão preocupadas com mais ninguém a não consigo. A mãe de Lilya se enquadra nessa categoria. Muda-se para os EUA com seu novo companheiro, deixando a filha a própria sorte.


De início, Lilya vai tentar morar com uma tia opressora, porém, obviamente, a convivência não dá certo. Vivendo praticamente na miséria, ela não vê outra alternativa a não ser se prostituir para conseguir o mínimo necessário. Seu único alento é a amizade de Volodya, um garoto que, assim como Lilya, foi abandonado pelos pais.

Aparentemente, tudo isso pode parecer um melodrama dos mais piegas. Mas, não. O filme, em si, tem uma ótima lição de vida, no entanto, não é moralista. Mostra a hipocrisia das pessoas ao tratar Lilya como uma pária da sociedade, desde os garotos da vizinhança que a acham uma vagabunda, mas não têm pudor em violentá-la, até sua "amiga", que espalha uma séria difamação contra ela.


Todos a julgam, porém, ninguém a ajuda. Essa crítica é muito bem colocada no filme. Lilya é a vítima, só que não é mostrada como uma pobre coitada. Ela sempre tem um impressionante equilíbrio diante das situações mais difíceis. Por sinal, os diálogos são bem construídos, fugindo dos clichês. Aqui está um deles:

“Lembra daquela vez que estávamos no banco e você estava escrevendo ‘Lilya Para Sempre’ nele? E aí aqueles babacas cuspiram na gente? Eu disse para irmos embora, mas você disse que não estava pronta, pois queria terminar de escrever. É o que está acontecendo agora. Todo mundo está cuspindo em você, mas você ainda não está pronta. Não tem problema se você pular, eu te pego. Mas aí você perde e os babacas vencem.”


Mesmo expondo tanto sofrimento, o diretor Lukas Moodysson tem a sensibilidade suficiente para não cair na armadilha do apelativo. As cenas em que Lilya faz sexo com seus "clientes" não são explícitas, sempre mostrando o ponto de vista dela, gerando desconforto em quem assiste. Afinal, estamos de falando praticamente de estupros, e não caberia espetacularizar essas situações.

Outro ponto forte do filme é a trilha sonora, pontuada por muita eletrônica, mas tendo numa música específica da banda alemã Rammstein o ponto crucial da trama. Trama essa que tem um desfecho, para muitos, ambíguo, mas extremamente poético e triste. É bom lembrar que as atuações também estão fantásticas, com todos desempenhando seus papéis de forma muito segura.


É bom ressaltar que o filme se baseia na trágica estória real de Danguole Rasalaite, uma lituana de 16 anos, que foi manchete na Suécia em 2000, e que depois descobriu-se os horrores pelos quais ela sofreu. Chocante, pois, pensar que essa produção está retratando algo que, de fato, ocorreu e que deveria revoltar a todos.

Mostrando um mundo em clara decadência moral, principalmente, a incapacidade de cuidarmos de nossas crianças e jovens, "Para Sempre Lilya" é forte, opressor e coloca o dedo na ferida. Uma ferida aberta que ainda teimamos em ignorar.


NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…