Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"Perfume - A História de Um Assassino" (2006)
Direção: Tom Tykwer.


Adapatações literárias são o calcanhar de Aquiles do cinema. Ou o resultado é satisfatório ou não é. Geralmente, não existe meio termo nesse tipo de gênero. Provavelmente, a preocupação em ser fiel demais com o material impede que a produção tenha vida própria, sendo algo mais altoral do cineasta do que do escritor. "Perfume" é dessas adaptações que consegue superar esse problema.

Mesmo sendo fiel ao livro que o originou, "Perfume" tem uma técnica apurada, que diz muito sobre o seu realizador, Tom Tykwer, o mesmo de "Corra, Lola, Corra". O início se dá quando vemos o protagonista, Jean-Baptiste Grenouille, indo para uma sentença de execução. Não sabemos qual crime ele cometeu; apenas vemos que deve se tratar de algo verdadeiramente horrível, pois sua morte será bastante violenta, enquanto a população urra de felicidade.




Corta para o momento em que Jean-Baptiste nasceu: uma época e um local onde o odor das cidades era insurportável. E, é no meio de tanta podridão que sua mãe lhe dá a luz. Levado para um orfanato, ele cresce e vai descobrindo um dom incomum: o de sentir o aroma de tudo ao seu redor de maneira muito mais apurada do que o normal. É através do olfato que ele entende e contempla o mundo, não fazendo distinção entre cheiros bons ou ruins.

Mas, é quando ele começa a sentir o aroma, depois de adulto, das mulheres e quando ele conhece também o odor de perfumes que ele se vê compelido a fabricar o melhor perfume já feito; um que tenha o cheiro das moças mais belas que ele encontrar. No entanto, para poder preserver tais aromas, ele necessitar matar a pessoa, o que faz com que provoque terror e, ao mesmo tempo, fascínio no vilarejo onde vive.

















O filme é cheio de simbolismos muito bem representados. Por exemplo: essa eterna busca de Jean-Baptiste pelo odor mais sublime expôe a relação de poder entre as pessoas. Exalando o cheiro que sempre buscou, ele tem várias pessoas sob seu "domínio", sendo reverenciado como um rei ou até como um santo. Acima do clero e da Igreja, o protagonista exerce um verdadeiro furor nas pessoas, quase como uma nova religião ou até a essência da vida.

Também é interessante notar como os efeitos plásticos e a câmera do diretor ajudam o expectador a emergir no universo da estória. Assim como no livro, chegamos a "sentir" o cheiro das coisas, desde as mais repugnates até as mais belas.















Algo a se criticar sejam as atuações, que vão do veterano Dustin Hoffman ao novato Ben Whishaw (que faz o protagonista). São boas, diga-se, mas não chegam a se destacarem. O filme se sustenta mesmo pela ótima estória, sua condução envolvente (mesmo que lenta) e uma ambientação de época realmente fabulosa.

"Perfume" ainda possui uma das melhores sequências do cinema recente, bastante surreal e poética. São cenas que explicitam o verdadeiro desejo de Jean-Baptiste: uma ode à vida (já que ele sempre foi um sobrevivente) e ao amor (um sentimento que ele chegou a sentir uma única vez, mas não concretizou).


Esta é uma adaptação que, longe de tentar copiar a obra original, tem luz própria. Um filme de muitos predicados e que, fazendo jus ao personagem principal, precisa ser sentido como um dos melhores aromas.


NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…