Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"A Mulher do Fim do Mundo" (2015)
Artista: Elza Soares.



Algumas obras são um tanto complicadas de resenhar. Não porque, a priori, sejam boas ou ruins. Mas, é pelo fato de que sejam complicadas de enquadrá-las. Particularmente, nunca fui um grande fã de Elza Soares. O pouco que sabia eram alguns fatos de sua vida pessoal, e que ela foi endeusada por Adoniran Barbosa, num programa de TV, quando ainda ela era jovem. Só.

Portanto, fui ouvir este "A Mulher do Fim do Mundo" sem muita bagagem. De cara, achei o disco meio "solto", e um tanto cansativo. Então, dei mais uma chance, e o ouvi de novo. Resultado: a segunda audição, quem diria, ficou melhor, e pude vislumbrar uma obra mais completa e mais consistente.

Pra início de conversa, sim, Elza merece a alcunha de diva. Mesmo sem o alcance vocal dos tempos de outrora, ela ainda tem uma voz forte, potente, e que preenche os ambientes de forma competente. A dobradinha que abre este trabalho, "Canção do Mar / A mulher do Fim do Mundo" exemplifica bem isso. Enquanto uma mostra Elza cantando à capela, a outra nos presenteia com um som exuberante, bem tocado e envolvente.


"Me deixem cantar até o fim!"

Não diria necessariamente que se trata de um disco "temático", mas as letras têm um evidente cunho social, com um apelo que pode, muito bem, ser enquadrado como feminista. "Você vai se arrepender de levantar a mão pra mim", canta em "Maria da Vila Matilde". Atitude, meus caros, algo que novos e velhos artistas precisam voltar a ter. Em frente, Elza!

Uma das coisas que mais me impressionou positivamente no álbum é a sonoridade. É samba, é rock, é tudo. Mas, com uma unidade incrível. Créditos e palmas para o produtor e baterista Guilherme Kastrup, unido a um time de respeito: Kiko Dinucci (guitarra), Marcelo Cabral (baixo), Rodrigo Campos (guitarra) e Felipe Roseno (percussão), velhos conhecidos da cena independente paulista.

Outra canção que merece bastante destaque é "Pra Fuder". Embalada por um samba-enredo magnífico, possui uma provocativa mensagem. Uma ode à liberdade, nada careta. O que é até normal, dados os anos bem vividos de Elza. Já, a guitarrinha esperta de "Benedita" prepara uma música, cujo ambiente de violência urbana conhecemos bem : "Homicida, suicida, apareceu, aparecida, é maldita, é senhora, é bendita, apavora, vem armada, não rendida, faz do beco sacristia."



A atmosfera descontraída de "Firmeza", por outro lado, lembrou a mim os bons tempos do Funk Como Le Gusta. É malandragem autêntica, sem lugar para manés. Chegamos ao bolero pós-moderno de "Dança", e só nos resta contemplar uma Elza ainda dolente, que sabe cantar e interpretar. "O que me fez morrer, vai me fazer voltar."

No final, duas ótimas canções. Uma delas, "Canal", inclusive, chega a remeter ao som mais pop que a NAÇÃO zumbi adotou em "Cicatriz". Prova de que a incansável diva está sempre atrás de renovar a sua música. O disco termina com mais uma dobradinha, como iniciou: "Solto / Comigo". A primeira é um classicismo bonito, mas um tanto frouxo. A segunda, porém, é arrebatadora. Distorção, para depois, ouvirmos apenas a voz de Elza. Nada mais. Grand finale.


Não é o disco do ano, muito menos o maior clássico da cantora. Mas, com certeza, é um dos mais agradáveis e coesos de 2015 (o que já é muito). E, que Elza ainda continue sua jornada, como mulher e como ser humano, neste fim de mundo. Ela pode; ela deve.


NOTA: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…