Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Cure for Pain" (1993)
Artista: Morphine.


O que dizer de uma banda de rock sem guitarras, onde o som delas é substituído por um sax barítono? O que dizer de um grupo cujo vocalista chegou a trabalhar como mestre de obras no Brasil, e é quem construiu seu próprio baixo, de apenas de duas cordas? O que dizer de uma banda onde esse mesmo vocalista morreu, de ataque cardíaco, em cima do palco? Pois, é, o Morphine possuía todas essas características, o que a tornava mais que peculiar, principalmente, numa década em que imperou o barulho das guitarras distorcidas do rock alternativo.

Um ser estranho até no underground, o Morphine foi construindo uma trajetória muito interessante, sempre com shows bastante intimistas, ótimos discos, que mesclavam sons que iam de The Doors a Coltrane, e, pra finalizar, uma história trágica (a referida morte de seu líder, o Mark Sandman). De uma certa forma, direta e indiretamente, tudo isso está explicitado no grande clássico deles, "Cure for Pain", segundo e mais importante trabalho da carreira deles. Aqui, conseguem, sem esforço algum, colocar alma, sentimento, carisma e criatividade num som, aparentemente, improvável.


Além do baixista Mark Sandman, e sua voz rouca, que casava bem com a proposta da banda, completam o trio o estupendo saxofonista Dana Colley e o bom baterista Billy Conway. E, somente o que esses três tiravam de seus instrumentos era algo formidável. As canções de "Cure for Pain" emanam uma aura diferente, nem rock, nem jazz, e, ao mesmo tempo, os dois juntos no que de melhor cada um tem. Desde a melodia contagiante de "Buena", passando pela triste delicadeza de "Candy", até a pesada e poderosa "Thursday", este álbum é irretocável.

Mas, fora essas, há músicas de igual quilate ao longo do disco, como "A Head With Wings" e "Mary Won't You Call My Name?", sem contar interessante interlúdios instrumentais, a exemplo de "Miles Davis' Funeral". Tudo muito redondo e fácil de se ouvir, mas, nunca simplório, pois o cuidado com cada composição por parte da banda fica nítido. Digamos que é uma forma descomplicada de fazer música, sem abdicar da qualidade, e, principalmente, da identidade. Façam o teste: hoje em dia, provavelmente, não há nenhum artista que soe como o Morphine.


Mas, infelizmente, houve o ocaso, e a banda já não existe mais. No entanto, os remanescentes dela, após a morte de Sandman, ainda continuaram com um projeto chamado "Orquestra Morphine", onde as canções da banda eram executadas com um aparato maior de músicos. Esse projeto era formado, essencialmente, por amigos do vocalista, que além de deixarem sua arte viva, ainda levantavam fundos para o Fundo de Educação Musical Mark Sandman. Atitude essa mais do que louvável, principalmente, levando-se me consideração a qualidade musical.


Itens de colecionador, o Morphine e sua obra-prima "Cure for Pain" são indispensáveis para quem quiser conhecer mais do som pra lá de variado que os anos 90 nos legou, um dos últimos momentos de real inventividade na música recente.

É pegar esse disco, e viajar, sem necessidade de volta rápida.


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…