Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Cure for Pain" (1993)
Artista: Morphine.


O que dizer de uma banda de rock sem guitarras, onde o som delas é substituído por um sax barítono? O que dizer de um grupo cujo vocalista chegou a trabalhar como mestre de obras no Brasil, e é quem construiu seu próprio baixo, de apenas de duas cordas? O que dizer de uma banda onde esse mesmo vocalista morreu, de ataque cardíaco, em cima do palco? Pois, é, o Morphine possuía todas essas características, o que a tornava mais que peculiar, principalmente, numa década em que imperou o barulho das guitarras distorcidas do rock alternativo.

Um ser estranho até no underground, o Morphine foi construindo uma trajetória muito interessante, sempre com shows bastante intimistas, ótimos discos, que mesclavam sons que iam de The Doors a Coltrane, e, pra finalizar, uma história trágica (a referida morte de seu líder, o Mark Sandman). De uma certa forma, direta e indiretamente, tudo isso está explicitado no grande clássico deles, "Cure for Pain", segundo e mais importante trabalho da carreira deles. Aqui, conseguem, sem esforço algum, colocar alma, sentimento, carisma e criatividade num som, aparentemente, improvável.


Além do baixista Mark Sandman, e sua voz rouca, que casava bem com a proposta da banda, completam o trio o estupendo saxofonista Dana Colley e o bom baterista Billy Conway. E, somente o que esses três tiravam de seus instrumentos era algo formidável. As canções de "Cure for Pain" emanam uma aura diferente, nem rock, nem jazz, e, ao mesmo tempo, os dois juntos no que de melhor cada um tem. Desde a melodia contagiante de "Buena", passando pela triste delicadeza de "Candy", até a pesada e poderosa "Thursday", este álbum é irretocável.

Mas, fora essas, há músicas de igual quilate ao longo do disco, como "A Head With Wings" e "Mary Won't You Call My Name?", sem contar interessante interlúdios instrumentais, a exemplo de "Miles Davis' Funeral". Tudo muito redondo e fácil de se ouvir, mas, nunca simplório, pois o cuidado com cada composição por parte da banda fica nítido. Digamos que é uma forma descomplicada de fazer música, sem abdicar da qualidade, e, principalmente, da identidade. Façam o teste: hoje em dia, provavelmente, não há nenhum artista que soe como o Morphine.


Mas, infelizmente, houve o ocaso, e a banda já não existe mais. No entanto, os remanescentes dela, após a morte de Sandman, ainda continuaram com um projeto chamado "Orquestra Morphine", onde as canções da banda eram executadas com um aparato maior de músicos. Esse projeto era formado, essencialmente, por amigos do vocalista, que além de deixarem sua arte viva, ainda levantavam fundos para o Fundo de Educação Musical Mark Sandman. Atitude essa mais do que louvável, principalmente, levando-se me consideração a qualidade musical.


Itens de colecionador, o Morphine e sua obra-prima "Cure for Pain" são indispensáveis para quem quiser conhecer mais do som pra lá de variado que os anos 90 nos legou, um dos últimos momentos de real inventividade na música recente.

É pegar esse disco, e viajar, sem necessidade de volta rápida.


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…