Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Toxicity" (2001)
Artista: System of a Down.



Estigmas são difíceis de se retirar. Do final dos anos 90 pro início dos 2000, a música pesada vai ser sempre taxada pelo insosso new metal. Verdade que existiam bandas realmente horríveis capitaneando esse movimento, como o Limp Biskit, por exemplo. Mas, pra toda exceção existe uma regra, e, nesse caso, quem salvou o new metal de ser um completo embuste foi o System of a Down, principalmente, devido este "Toxicity".

Três anos antes, a banda já havia lançado seu poderoso disco homônimo, que já possuía características muito próprias: uma guitarra com andamentos inusitados, um vocalista que fazia estripulias interessantíssimas e mais uma pitada de elementos orientais, pra deixar tudo com uma cara muito peculiar, criativa, mas, sem deixar de lado o peso, e uma bem-vinda crítica social, na mesma linha do Rage Against the Machine, só que mais irônico.


Coincidência ou não, o álbum foi lançado uma semana antes dos atentados de 11 de Setembro, e a revolta exposta em cada acorde do disco caiu como uma luva para aquele momento. A começa pela faixa de abertura, "Prision Song", com suas mudanças de andamento e uma letra que, de cara, já diz a que veio: "Seguindo os movimentos dos direitos / Que você segurou com seus punhos de ferro / Drogas se tornaram convenientemente / Disponíveis para todas as crianças".

Já nessa primeira música percebe-se o que tornou o System diferente das outras bandas de new metal: além de um claro engajamento político, o som não remetia apenas a uma mistura de heavy metal com rap, mas, sim a outros elementos que tornavam a música mais rica, empolgante. Podia ser algo mais hard rock aqui, ou um timbre mais psicodélico acolá, e até o jeito do vocalista Serj Tankian cantar, ora suave, ora gutural, faziam grande diferença na mesmice que tomava conta do estilo.


O disco segue com as maravilhosas "Needles", "Deer Dance", "Jet Pilot" e "X", todas diferentes entre si, mas, com a identidade do System. Destaque nessa seguência para "Deer Dance", e sua letra pra lá de provocativa: "Além dos grandes centros você pode ver a América / Com sua desgraça cansada, pobre, vingativa / Jovens amáveis e pacíficos contra a brutalidade / Uma existência plástica".

Então, surge o primeiro single do trabalho, a não menos fantástica "Chop Suey", com as já costumeiras mudanças de ritmo, um trabalho digno de nota dos instrumentistas, Tankian se esgoelando insanamente, e uma letra que transita entre o sublime e o sarcástico: "Eu acho que você não confia em meu suicídio justo / Eu choro quando os anjos merecem morrer." A rápida "Bounce" é para provar que a banda também sabe se divertir, sem ser tão sisuda. Ótimo alívio depois das porradas anteriores, por sinal.


A segunda parte do disco é formada por canções mais climáticas, mais "operísticas", mas, de jeito nenhum, descartáveis. Tudo o que faz o System ser quem é está lá, só que mais introspectivo. Exemplo são as fantásticas "Forest" e "Atwa". As aceleradas "Science" e "Shimmy" servem como belas introduções à música que dá título ao álbum: "Toxicity". Esta é, sem dúvida, o auge do trabalho, e que mostra o porquê do disco ter feito tanto sucesso. Refrão pra cantar junto, sem esquecer do som contagiante e inteligente e mais uma ótima letra.

É quando chegamos ao final com a interessante "Psycho" e a grandiloquente "Aerials", que, inclusive, termina com uma batucada indígena fenomenal. Impossível, depois dessas 14 faixas espetaculares como essas, não dar replay no som, e ter o prazer de escutar tudo de novo, e perceber ainda mais detalhes escondidos em cada nuance de cada acorde.


Portanto, fica até simplista taxar este disco (e toda a banda, por tabela) de new metal. Os mais atentos perceberão mais semelhanças com Rage Against the Machine ou Faith no More do que com outros grupos mais recentes, como Korn. O que o System sempre fez (em especial, no "Toxicity") nunca foi mera cópia, mas, adaptar um som extremamente bem trabalhado, pesado, crítico e divertidos aos novos tempos. Basta, enfim, abrir bem os ouvidos.


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…