Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"A Colina Escarlate" (2015)
Direção: Guilhermo Del Toro.


Chega a ser muito fácil repetir lugares-comuns amplamente divulgados. Quando uma opinião categórica é dada, muitos seguem, sem, muitas vezes, questionar ou entender do assunto em questão. Quando "A Colina Escarlate" estreou, foi quase unânime que o filme era um dos piores trabalhos do diretor Guilhermo Del Toro. Convenhamos: realmente, ele não se compara a "O Labirinto do Fauno", a obra máxima do cineasta. Mas, também, está bem longe de ser algo "menor" em termos de cinema. Na realidade, trata-se de um belo filme (em todos os sentidos), com uma aura clássica que tanto faz falta nas produções de hoje.

Olhando friamente, "A Colina Escarlate", nada mais é, do que um romance (e, dos bons), com a presença de fantasmas. O que não é nenhuma novidade, em se tratando da filmografia de Del Toro, cujos monstros e fantasmas em suas produções ora são seres meramente atormentados, sendo os humanos os grandes vilões, ora simplesmente metáforas para críticas sociais. Essa prerrogativa, inclusive, é dita pela própria protagonista deste filme, que é aspirante à escritora, e escreve romances onde seres sobrenaturais não são mais do que simbologias de alguma mensagem que ela desejar passar ao leitor. Esta é a proposta da produção, o que, pelo visto, pouca gente entendeu.




De início, conhecemos a personagem principal, Edith, que se mostra independente e com uma aptidão peculiar para escrever romances. Mas, quando um misterioso homem (Sir Thomas Sharpe) e sua irmã (Lucille) chegam para fazer negócios com o seu pai, a vida da moça muda. Apaixonando-se por Thomas, e após a morte acidental de seu pai, Edith vai morar numa velha mansão com ele e sua irmã. Porém, estranhos acontecimentos sobrenaturais fazem ela desconfiar de que há algo muito errado com seu marido, segredos que, aos poucos, vão sendo revelados.

Sim, a sinopse pode parecer algo meio clichê, e é mesmo. O roteiro não esconde sua intenção de fazer uma história à moda antiga, onde vemos monstros com sentimentos, e pessoas praticados ações escabrosas. Não à toa, uma das autoras preferidas de Edith é Mary Shelley, criadora de Frankestein. Só que mesmo aparentando ser um melodrama piegas, o filme desenvolve muito bem a ação dos personagens, e o romance que vemos em tela não é excessivamente açucarado. Ao contrário, chega a ser muito bonito de se ver.




Por sinal, falando em beleza, a parte técnica do filme é impecável. Del Toro demonstra ser um dos diretores mais inventivos de sua geração, compondo ambientes e climas que mais parecem personagens à parte. A velha mansão de Sharpe, por exemplo, parece ter vida própria, e a perspectiva da câmera permite que ele preencha a tela por completo. Um deleite visual. Em se tratando dos famosos monstros de Del Toro, eles estão aqui, em menos profusão que em filmes anteriores, mas, muito bem feitos (e aterrorizantes).

No campo das atuações, Mia Wasikowska faz até uma Edith competente, mas, nada de extraordinário. Os destaques mesmo vão para Tom Hiddelstom, como Thomas, e Jessica Chainstain, como Lucille. As interpretações dos dois são na medida certa, onde, às vezes, um simples olhar já denota toda a emoção pela qual estão passando. Por fim, a direção de Del Toro torna tudo muito agradável de se assistir. Quase duas horas que passam rápido, com um bom ritmo, apesar da história sem contadas nos nuances, nos detalhes, muitas vezes.





O que temos aqui, portanto, não é um filme de terror como é vendido. Na realidade, em determinados momentos, chega a ser tão triste quanto "O Labirinto do Fauno". E, é aí que está o deferencial na obra do diretor. O maior medo não está em seres do outro mundo, e sim, nos nossos próprios sentimentos, que, às vezes, nutridos de tanto ódio, chegam a ser dignos de piedade. Já deveríamos estar acostumados com o cinema peculiar de Del Toro. Mas, pra quem ainda tinha dúvidas, "A Colina Escarlate" deixa tudo mais às claras. E, por isso mesmo, não deixa de ótimo.


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…