Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"O Homem de Aço" (2013)
Direção: Zack Snyder.


Às vezes, de onde menos se espera, surgem coisas ótimas. A surpresa é sempre agradável quando pende para o lado positivo, e este "O Homem de Aço" provoca isso. Afinal, depois de tantos filmes de super-heróis capengas e de algumas produções bem medíocres do diretor Zack Snyder, o que esperar de um longa do Super-Homem dirigido por ele? Pra quem assistiu ao insosso "Batman vs Superman", do mesmo diretor, mas, ainda não tinha visto este "O Homem de Aço" talvez se surpreenda com a qualidade dele. Isto porque ele coloca muita produção badalada do gênero no chinelo, incluindo os filmes do próprio Snyder.

A resposta para a tremenda qualidade de "O Homem de Aço" está, principalmente, na sua ficha técnica. Por exemplo, quem o produziu foi um tal de Christopher Nolan, conhecem? Pois, é. A mão do diretor de "Interestelar" está perceptível a cada momento aqui. Um dos principais defeitos de Zack Snyder é o uso excessivo de câmera lenta, num exercício pedante de contemplação, que "trava" muitos de seus filmes. Aqui, não. A narrativa é tão fruída e empolgante, que, quando menos se espera, já estamos na metade da produção. O que é incrível, pois se tratando de um "filme de origem", ele passa boa parte do tempo contando a origem do protagonista, sem sequer expôr os seus super-poderes.




O começo, mostrando a terra natal do Super-Homem, Kripton, sendo gradativamente destruída por seu próprio desgaste natural, e ainda tendo como agravante um golpe de estado perpetrado pelo general Zod é de tirar o fôlego. Nesse meio tempo, conhecemos os pais de Kal-El (verdadeiro nome do Homem de Aço), e como eles tentam alertar para a destruição iminente de Kripton, além de enfrentarem os revoltosos de Zod. Até esse momento, não há espaço para embromação. Mesmo desenvolvendo mais essa parte do enredo do que outros filmes do herói, a história é contada de maneira enxuta, sem excessos.

Quando finalmente vislumbramos Kal-El vivendo entre os humanos, mais uma boa sacada do roteiro: o personagem é mostrado cheio de falhas. Imaturo, mas, com um nítido traço de bondade. Ajudando pessoas em perigo aqui e ali, ele sempre some sem deixar vestígios, fazendo com ele se transforma quase numa lenda urbana. É quando a jornalista Louis Lane decidi investigar quem é esse estranho homem super-poderoso, é que ele fica mais visível (e, vulnerável). Tão vulnerável que atrai Zod à Terra, que havia sido confinado ao espaço como punição por seus crimes, mas, que agora encontrou Kal-El, é a sua chance de reviver Kripton, seu único e insano objetivo.




O roteiro de "O Homem de Aço" é tão bem amarrado, que se dá ao luxo de explorar todas as nuances do personagem principal. Em flashbacks, vemos Kal-El em diversos momentos de sua vida, da infância à fase adulta, sempre amparado pelos pais, ensinando-o a manter o controle de seus poderes num mundo que, talvez, não o compreendesse, e até tivesse medo dele. São passagens muito humanas e tocantes no filme, coisas, às vezes, mal-desenvolvidas nesse tipo de produção. A própria imaturidade do jovem Super-Homem o faz relutante em muitos momentos, mas, com aquele sentido de superação que todo filme de super-herói deveria ter sem soar forçado. E, aqui, é tudo ocorre de forma natural e espontânea.

Claro, o roteiro também tem seus defeitos. É fácil perceber muitos "furos" na história, coisas que até servem para a trama caminhar, mas, que poderiam ter sido evitadas com um pouco mais de cuidado. Porém, isso não estraga a sensação poderosa que o filme emana. Principalmente, porque temos um vilão não tão clichê como vemos por aí. Afinal, Zod não quer destruir a Terra; quer torná-la uma "nova Kripton". E, é uma vontade que ultrapassa todos os limites, fazendo dele um vigoroso antagonista, e provocando uma reação chocante e polêmica do Super-Homem, algo que=, inclusive, incomodou muita gente à época de lançamento do filme.




Talvez, dizer que os efeitos especiais de "O Homem de Aço" sejam excelentes é chover no molhado, mas, não se enganem: o nível, nesse aspecto, realmente está acima da média. As cenas de luta, por exemplo, são mostradas bem próximas dos personagens, e são muito brutais, beirando um incômodo realismo. Tem até imagens que lembram uma câmera amadora, como se estivéssemos vendo um documentário. São coisas assim que fazem a diferença. E, os atores, mesmo limitados, estão bem em seus respectivos papéis. Entregam aquilo que lhes é pedido, de maneira equilibrado, nem pra mais, nem pra menos.

O mais chato de tudo seja constatar o óbvio: o melhor filme de Zack Snyder (tão amado pelos nerds atuais) não é, necessariamente, um filme de Zack Snyder. Com muita interferência dos produtores (o que, neste caso, excepcionalmente, foi ótimo),  o cineasta dosou seus vícios, e entregou um senhor filme de super-heróis. Uma pena que ele não tenha aprendido a lição, pois, naquele que pode ser considerado a sequência natural deste (o horrível "Batman vs Superman"), Snyder retorna com seus costumeiros cacoetes, e nos "presenteia" com um dos piores filmes do ano até agora. É quase constrangedor atestar, pois, que "O Homem de Aço" é uma espécie de "anomalia" na filmografia do cineasta, que, como ele, até provou que pode contar bem uma história. Torcer, então, para que ele, assim como o Super-Homem, amadureça um dia.


Nota: 8,5/10.


Comentários

  1. ahhhhhhhhhhhhhh.... eu quero ver... rsss Muito boa resenha. Empolga ;)
    Gorette

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…