Pular para o conteúdo principal
Lista

10 Começos Impactantes de Filmes


O início de qualquer coisa é importante, pois, é a partir dele, que surgem as primeiras impressões que serão determinantes para determinada opinião de algo. No caso do cinema, começar bem um filme é fundamental para prender o espectador, e fazer com que ele se sinta interessado pelo filme até o final. Com base nisso, segue uma lista com 10 começos impactantes no cinema, que acabam, no geral, sendo determinante para a qualidade dos filmes, ou, em alguns casos, é a sua melhor parte.


10°
"Akira"
Tudo bem, destruir o mundo já é de praxe de um monte de filmes-catástrofes por aí. Mas, o início desta animação é tão sombria a seca a respeito desse assunto, que acaba gerando uma curiosidade automática pela história. "Akira", por sinal, foi determinante para a popularização dos chamados animes japoneses no Ocidente. Com um orçamento avaliado à época de cerca de 8 milhões de dólares, o desenho foi enorme sucesso e fonte de influência pra muitas ficções científicas que vieram depois.



"Batman - O Cavaleiro das Trevas"
Convenhamos que o filme todo é espetacular. Porém, a apresentação dele, que mostra, de cara, o seu principal personagem (o vilão Coringa) é o que vai dar o tom da produções no restante de suas duas horas e meia. De quebra, a representação do ator Heath Ledger como o arqui-rival do Batman se tornou uma das mais poderosas interpretações de um vilão no cinema.



"O Resgate do Soldado Ryan"
É verdade que o filme todo não é lá grande coisa, mas, ele será para sempre lembrado por ter mostrado uma das mais brutais sequências de guerra nos seus minutos iniciais. Sem romantizar a violência ali contida, Spielberg não economiza em explosão, tiroteios, corpos dilacerados e muito desesperado nesse episódio histórico que ficou conhecido como o Dia D.



"Cidadão Kane"
Até hoje, a obra máxima de Orson Welles é apontado como um dos mais importantes filmes já realizados, devido ao seu pioneiros técnico e narrativo. E, é no seu início que está concentrada toda a força da produção, mostrando lugar sombrio e decadente, que um dia já foi morada de um dos maiores magnatas da comunicação do século passado. Todo o clima gerado nessa pequena sequência é um primor.



"O Rei Leão"
Este, que é talvez o melhor filme da Disney, já começa de forma soberba, mostrando, de maneira muito bela, o ciclo natural da vida que continua com o nascimento do filho do rei das selvas, Simba. A grandiloquência das cenas, ainda hoje, coloca muita super-produção no chinelo, e se tornou uma das sequências mais poderosas do cinema.



"Cidade de Deus"
Vindo da área da publicidade, o diretor Fernando Meirelles conseguiu fazer de "Cidade de Deus" um marco do cinema nacional, e muito desse mérito se deve o dinamismo com que a narrativa se desenrola. Dinamismo esse que está escancarado na alucinante sequência inicial, que, de engraçada passa a ficar tensa em poucos segundos.



"Aguirre - A Cólera dos Deuses"
O cineasta alemão Werner Herzog é um profissional sem concessões. É capaz de tudo para realizar um filme, inclusive, correr riscos inimagináveis. Foi o que aconteceu em "Aguirre", aonde ele levou uma numerosa equipe técnica e vários figurantes para as florestas tropicais da América do Sul, algo que pode ser estupendamente comprovado em sua sequência de abertura. Arrebatador.



"Apocalipse Now"
O início deste clássico de Coppola retrata como poucos a loucura da guerra. Bastou pra isso, umas das mais emblemáticas músicas do The Doors ("The End") servimdo como pano de fundo para cenas com helicópteros e explosões, e um Martin Sheen completamente transtornado.



"Bastardos Inglórios"
O começo deste grande filme de Tarantino é um dos mais violentos da história recente do cinema. Porém, a violência é totalmente psicológica, calcada nos diálogos, e na maravilhosa atuação de Christopher Waltz. Poucas vezes, uma simples conversa causou tanta tensão na tela grande.



"O Poderoso Chefão"
Não é essa a sequência que inicia o livro, e mesmo assim, o filme enxugou alguns diálogos entre Bonasera e Don Corleone. Mas, isso pouco alterou o impacto da sequência, que é uma das mais primorosas do cinema em todos os sentidos (atuações, clima, narrativa...). É bom que se diga que esta é apenas uma dentre as várias cenas magistrais do filme; aquele tipo de união de talentos que só acontece uma vez de tempos em tempos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…