Pular para o conteúdo principal
Disco Mais ou Menos Recomendável

"California" (2016)
Artista: Blink-182.


Podemos analisar esse novo lançamento do Blink-182 sob dois pontos de vista. Primeiro, podemos comparar ele com os trabalhos mais antigos do grupo, aqueles discos engraçadinhos, que tirando o fato de "zoarem" com o mundo pop, eram tão genéricos quanto o alvo de suas piadas, como "Enema of the State", e seu mega-hit "All the Small Things" (quem não lembra do clipe, que tirava o maior sarro das chamadas boy bands?). Ou seja, nessa época, a banda era engraçadinha, e só. O segundo ponto de vista para analisarmos este mais recente disco é o fato de que não demorou muito em o grupo, digamos, "amadurecer", fazendo um som mais sisudo e reflexivo. Exemplo disso foi o intitulado "Blink-182", lançado em 2003.

No fim, vamos perceber que em qualquer uma das duas análise, "California" se encaixa. Sétimo disco de estúdio do Blink, ele não é, necessariamente, um disco ruim, mas, parece ter "estagnado" no tal amadurecimento. Não fazem mais do que o feijão com arroz que já mostraram em outras ocasiões. E, olhem que o álbum até começa um pouco mais potente do que o pop pseudo-punk do grupo, normalmente, tende a mostrar, com a abertura "Cynical", rápida e empolgante, mostrando que, em termos instrumentais, o Blink melhorou bastante, ficando um pouco (mas, só um pouco) mais pesado. Chega (quase) a remeter alguns do melhores momentos do Bad Religion. Boa escolha para abrir esse trabalho.


Em seguida, temos "Bored to Death", que já começa com esses versos: "Há um eco retirando o significado, Resgatando um pesadelo de um sonho, As vozes em minha cabeça estão sempre gritando, Que nada disso significa nada para mim". Ou seja, faz ligação direta com os sons mais melódicos da "fase madura" deles, mas, a música, em si, não é lá grande coisa, ficando, em geral, sem muita identidade. O mesmo vale para "She's Out Her Mind", com direito a coro emocore e tudo. Mais uma vez, é o instrumental que salva o dia aqui, principalmente, o baterista Travis Barker, que continua um "monstro".

Apesar de trazer um refrão propositalmente pop, a canção "Los Angeles" já traz uns elementos mais diferenciados, umas "viradas" no som, que deixa, ao menos, a música agradável. Só que aí chega "Sober", e a coisa não tem jeito: ela é excessivamente sem sal, sem carisma, sem instigação. Ao menos, é curta, assim como "Built this Pool", que em seus 16 segundos consegue ser até melhor que algumas das canções anteriores. "No Future" talvez seja uma das melhores do disco, lembrando um pouco Green Day, e com um som mais encorpado, pesado e interessante. Ponto pra eles por isso.




Só que a falta de substância impera nas três canções seguintes: a lenta "Home is Such a Lonely Place" e as pesadas "Kings of the Weekend" e "Teenage Satellites", que a despeito (mais uma vez) do ótimo instrumental, não têm pode de fogo pra ficar na memória algum tempo depois de escutá-las. "Left Alone" já traz algum diferencial, até mesmo um som mais cadenciado, que torna a audição mais prazerosa. Daí, temos aquela que, assim, como "No Future", é uma grande música no disco: "Habbit Hole", veloz e certeira, que, ao vivo, deve ficar melhor ainda. Só que aí estamos quase no final do álbum, e fica perceptível que pouca coisa realmente se salvou. Tanto é que "San Diego" é uma canção que remete aos momentos mais monótonos desse trabalho, totalmente dispensável..

Ao menos, a parte final do disco melhora (muito) as coisas. A rápida "The Only Thing That Matters" chega a ter influência (acreditem se quiserem!) do The Clash, e é ótima. A música que dá nome ao álbum, "California" é melódica, sim, mas, é melhor do que os "soníferos" anteriores que ouvimos ao longo desse trabalho. E, tudo se encerra com a "versão" de "Bohemian Rhapsody", e seus 30 segundos apenas, mas, que possui mais peso e garra do que 80% do disco todo. E, isso já diz muita coisa.

Sim, talvez esse seja o melhor trabalho do grupo, e sua curta duração não deixa nada ser muito traumático. Mesmo assim, o "melhor" que o Blink pode fazer ainda é algo que chega a ficar, pelo menos, na média. Para os fãs antigos, fica apenas a lembrança de uma banda limitada, mas, engraçada, e que agora, está ora pesada, ora melódica. A quem for se aventurar pelo som do grupo pela primeira vez através deste "California", talvez até goste, porém, existe coisa melhor feita nos dias de hoje em se tratando de rock (e, até os mais jovens sabem disso).

Link para fazer o download do disco:
http://metaltorrent.ucoz.com/publ/rock/blink_182_california_2016/15-1-0-1479


Nota: 6/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…