Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Stronger Than Ever" (2016)
Artista: Hangar.


E, lá vei o Hangar, firme e forte com o seu 6° lançamento de estúdio, este "Stronger Than Ever". E, pra quem pensa que o metal brasileiro se resume apenas a Sepultura ou Angra (e, até o Dr,. Sin, para aqueles mais antenados), precisa conhecer o trabalho que o Hangar vem fazendo desde 1997, quando começou suas atividades. E, nada melhor do que começar com este que é um dos discos mais completos deles. Sem tempos para brincadeiras, e afiados como instrumentistas e compositores, os componentes da banda se empenharam bastante, e o resultado é um álbum que transpira heavy metal, principalmente aquele mais old school.

Pra quem duvida, basta escutar as duas primeiras faixas do trabalho, "Reality is a Prision" e "The Revenant". Trata-se de uma empolgante atualização de Iron Maiden e Judas Priest, mas, sem soar datado ou mera cópia. Detalhe que é tudo bem dosado, sem exageros, vide a parte "épica" dessas músicas, que não se alongam, e terminam no momento certo. Nada de megalomania ou a técnica pela técnica, somente. Algo que o metal fez muito bem nos anos 80, e que, de certa forma, foi se perdendo no caminho.Escutar esse novo disco do Hangar, portanto, é como voltar no tempo, só que sem nostalgias baratas. O som é atual, contemporâneo, "moderno", como queiram.



E, todos esses predicados com relação a esse lançamento do Hangar se confirmam na estonteante sonoridade de "Forest of Forgotten", que, ora suave e melódica, ora pesada e energética, é excelente para ser tocada ao vivo. Um primor. Já, "A Letter From 1997 (MHJ)" começa de maneira acústica, não muito diferente de tantas outras baladas por aí, mas, convenhamos que é bonita. Essa parte toma conta só nos primeiros segundos, pois, logo após essa "introdução", a música, de fato, começa, e, apesar de ainda mostrar competência por parte dos músicos, ela talvez seja a mais fraca do disco, provavelmente, por abusar de sua melodia. E, sinceramente, ela tira um pouco do brilhantismo de "Stronger Than Ever", já que se arrasta por mais de 7 minutos.

Balada por balada, "Just Like Heaven" (não confundam com aquela outra grande canção, do eterno The Cure) é bem melhor. Curta, serve mais como um momento de alívio, de descanso. Isso porque o começo de "The Silence of Innocent" já mostra a que a música veio: pesada, com ótimos vocais e um instrumental soberbo, é séria candidata a melhor do disco. Merece. Composição completa, cheia de variações, não possui falhas. Ponto alto do disco. "Beauty in Disrepair" é outra composição de grande duração do álbum, mas, ao contrário de "A Letter From 1997 (MHJ)", não é chata de se ouvir. Isso porque a banda consegue manter o pique de sua cadência do começo ao final. Conclusão: "Beauty in Disrepair" é mais uma musicaça desse trabalho.


Estamos quase no final do disco, e as músicas se dividem entre o bom e o regular. "We Keep Runing the Course", por exemplo, pegou todos os clichês que a própria banda forjou neste disco, e fez uma música até competente, mas, sem muito carisma. O bom é que ela é curta, e nem chega a incomodar tanto. Bem mais azeitada é "The Hangar of Hannibal", com batidas quebradas e uma levada até mesmo um pouco mais hardcore. Nada excepcional, é verdade, mas, ela tem "sangue nos olhos", e isso já é o suficiente. O álbum se encerra com uma bem-vinda versão acústica de "Just Like Heaven", que termina tudo de maneira digna e honesta.

O metal nacional sempre foi composto de grandes bandas, e agora, com este "Stronger Than Ever", o Hangar vem engrossar esse caldo. Aproveitando-se dos melhores momentos do gênero, porém, olhando para o futuro, a banda, mesmo passando 7 anos sem lançar um disco novo (o mais recente foi "Infallible", de 2009), prova que tem muita coisa boa pra mostrar, e, sinceramente, este novo trabalho comprova que ainda podem evoluir mais. Basta não se renderem a convenções do mercado, e continuarem provando que o Brasil é (também) o país do metal. Aumentem o som!

Download do disco:
http://metaltorrent.ucoz.com/publ/progressive_metal/hangar_stronger_than_ever_japanese_edition_2016/10-1-0-1565


Nota: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…