Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"A Fonte da Vida" (2006)
Direção: Darren Aronofsky


O que a arte se não ir além das expectativas, provocar, instigar, ser um pouco mais profundo do que a realidade que nos rodeia? De livros de auto-ajuda, as prateleiras das livrarias já estão cheias, bem como a superficialidade e a futilidade estão presentes nos programas de TV. Então, sobre ao cinema uma tarefa um tanto ingrata: ser mais engajado que o que habitualmente enxergamos. Não que seja uma obrigatoriedade, mas, quando um filme se torna relevante e, para algumas pessoas, até essencial de ser visto, mostra o quanto de poder tem a sétima arte. Porém, não é fácil, visto que o velho "desligue o cérebro, e divirta-se" continua em alta, a todo vapor. Em contrapartida, há os "marginais", que ousam um pouco mais, e realizam obras como este "A Fonte da Vida".

Quem conhece o cinema de impacto do diretor Darren Aronofsky, não vai se espantar tanto aqui, principalmente, pra quem assistiu o poderosíssimo "Réquiem para um Sonho". Evidente que em "A Fonte da Vida" não teremos nada tão visceral e incômodo, No entanto, veremos, em iguais proporções, uma tristeza muito latente pela incompreensão da morte, e por conseguinte, da própria vida. Honra, amor, vaidade... São muitos sentimentos abordados, e todos canalizados numa pessoa: Tommy, cientista que vem passando por dificuldades devido à doença de sua esposa. Mas, esperem? E, o início do filme, com Tommy sendo um cavaleiro real do século 16, em busca de um fonte que dizem ter o segredo da imortalidade? Antes disso, ainda, temos Tommy sendo uma espécie de budista, resiliente, meditando ao lado de uma árvore. E, tendo lembranças. E, no quê tudo isso se encaixa?




"A Fonte da Vida" é o tipo de filme que é preciso ficar atento, pois, todas as cenas têm ligação lógica entre si, mesmo que, eventualmente, você queira ter sua própria interpretação da história. As cenas, aparentemente, são desconexas. Não sabemos se estamos no passado, no presente ou no futuro dos protagonistas. Mas, no final, isso importa, mesmo? A própria vida, em si, tem uma ordem lógica a ser seguida? Porém, uma coisa liga os "três mundos" de Tommy: o amor que sente por sua esposa Izzi, retratada em seus mundos de uma forma diferente em cada um. Um amor que, inclusive, vai além do contemplativo, e do piegas, numa luta entre o platônico e o imaginário com o racional. 

De fato, não é o tipo de produção que se vê todo dia, e melhor: não soa pedante. Sabem os mais recentes filmes de Mallick? Pois bem, este aqui passa longe desses, e, ironicamente, tem bastante familiaridade com a melhor obra do próprio Mallick: "A Árvore da Vida". Em ambos, através das dores particulares, individuais, vislumbramos os problemas universais, e concluímos que não passamos de um grão de areia perto de tanta vastidão. Nos dois filmes, esses simbolismos são materializados através do cosmo, do nascimento e morte de estrela, do universo em expansão, da vida que começa em algum lugar. E, por fim, a experiência de assistí-los é inteiramente sensorial; ou você "se entrega" à história, ou achará tudo muito chato.




O roteiro, escrito pelo próprio diretor Aronofsky, consegue transitar muito bem nessa seara de reflexões mais profundas, e mesmo assim, tem uma narrativa que prende a atenção, e nós leva a esperarmos o desfecho de tudo (no caso, o último capítulo do livro. Mas, que livro é esse? Só assistindo para saber...). Algumas metáforas são mais sutis, outras, não, mas, todas são muito interessantes. Exemplo disso é quando Tommy perde sua aliança, e, após certos acontecimentos, "tatua" um anel em seu dedo com tinta (e, mais uma vez, só assistindo para entender). São realmente muitos significados, e é preciso ver o filme todo, e compreendê-lo como um todo, formado por um mosaico de ações e sentimentos humanos dos quais, muitas vezes, não paramos para sentir. 

Nesse contexto, é surpreendente a atuação de Hugh Jackman, que, longe das produções de super-heróis, mostra densidade dramática suficiente para rivalizar com muitos atores badalados por aí. Não é exagero dizer que ele rouba o filme a cada momento, compondo um Tommy melancólico, digno de piedade. E, não é só carisma; é passar todas as nuances que um personagem pede, chorando quando tem que chorar, introspectivo quando é necessário e alegre quando é preciso. Rachel Weisz, que interpreta Izzi, também comove e a veterana Ellen Burstyn dá dignidade à sua Dra. Lillian. Mas, nada comparado ao que Jackman faz. Nisso tudo, ajuda muito uma direção mais calma e elegante de Aronofsky, e uma composição visual de se encher os olhos. Tudo, óbvio, amparado por um roteiro que consegue fugir da trivialidade do cinema norte-americano atual. Um conjunto, portanto, fascinante.




Não estamos diante de um filme de "fácil assimilação", mas, mesmo assim, é uma experiência que pode dar uma percepção diferenciada do que seja o cinema atual. Pra uns, é verdade, continuará sendo chato, sacal, pedante ou "cabeça" demais. Faz parte. O vício no que é mais simples de ser entendido é algo muito vivo por aí. Filmes como "A Árvore da Vida", "Vocês, os Vivos", "Holy Motors" e este "A Fonte da Vida" continuarão por um bom tempo sob a aura da incompreensão. O que não percebemos é que, como arte, uma obra pode (e, deve) ser interpretada de diversas maneiras, sendo que o essencial, é que ela provoque essa interpretação, que tire o espectador do lugar comum. Não tem problema assistir uma produção como essa duas vezes, ou mais, se preciso for. Um livro precisa de um ponto final; nosso entendimento das coisas, não.


Nota: 9/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…