Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Os Amores de uma Loira" (1965)
Direção: Milos Forman


O DOLOROSO UNIVERSO FEMININO PELO OLHAR DE MILOS FORMAN

Mesmo depois de  tantas lutas e conquistas (além de algumas derrotas também), o que é ser mulher nos dias de hoje? Mesmo após certos avanços, ser mulher pode significar inúmeras possibilidades negativas, entre elas, ser assediada, tratada apenas como um objeto de desejo, para depois, ser descartada. Se hoje, essa realidade ainda é palpável, imaginemos, então, como não eram as coisas na longínqua década de 60 num país como a Tchecoslováquia, por exemplo, que ainda vivia sub o jugo da antiga União Soviética (a Primavera de Praga só ocorreria em 1968). E, é desse período "Amores de uma Loira", segundo filme do ainda novato Milos Forman.




A paisagem melancólica do local vai nos envolvendo aos poucos. Vamos percebendo, antão, que estamos numa pequena cidade, daquelas tradicionalistas. Com um porém: a guerra ainda é uma realidade, e soldados chegam e vão a todo momento. As mulheres trabalham num fábrica de roupas, possuindo alojamentos próprios pagos pelo governo, tanto quanto os homens, que também possuem alojamentos particulares. Vez ou outra, é organizada uma espécie de "festa" para juntarem os casais, e tentar levantar a moral dos jovens. E, é em uma dessas festas que boa parte do filme se desenrola. É quando conhecemos Andula, que está com mais duas amigas.

Nesse momentos, a produção mostra o porquê de ter sido classificada como comédia. Simplesmente, as "investidas" dos homens às mulheres são ridículas, patéticas, constrangedoras. Do tirar uma aliança de casamento às pressas, ao pedir para um garçom levar uma bebida numa mesa, e ele entregar no lugar errado, as situações beiram o dantesco, e, de fato, fazem rir com certa leveza. Desencontros vão acontecendo, o que culmina numa sequência chave, que transforma "Os Amores de uma Loira" num drama desconfortável (pelo menos, para as mulheres ou para quem tem o mínimo de senso do que significa abuso). Como consequência, o filme fica mais triste, deixando o humor de lado para dar lugar à reflexão.




O roteiro ainda que paradigmas na famigerada cena do abuso, pois, se tudo indicava que algo de ruim aconteceria com as meninas por causa dos soldados que estavam na festa, foi justamente o homem com trejeitos meigos e educados quem se mostrou o vilão nesse sentido. Só por causa disso, não se enganem: não é fácil julgar os personagens de "Os Amores de uma Loira", principalmente, a protagonista, Andula. Com olhares menos atentos, muitos questionarão as atitudes dela. Por que se sujeita a essas humilhações? Por que não reage? Por que preencher uma carência afetiva desse jeito? Mas, repito, não é simples julgar, e o enredo demonstra bem isso. Todos ali (principalmente, as mulheres) vivem um cotidiano opressor, sem grandes perspectivas na vida, trabalhando em subempregos. Logo, qualquer oportunidade de sair dessa vida é muito bem-vinda. 

O retrato dos personagens, foge do caricato, mas, inquieta na medida em que expõe seus piores defeitos. E, os que mais apresentam defeitos de ordem moral aqui são os homens. Muitos que vão às festas encontrarem um par são casados, porém, essa atitude deles é considerada normal. Já, as mulheres, mesmo as solteiras, caso levem um homem para algum de seus alojamentos, logo serão chamadas a atenção. E, isso para depois voltarem ao estafante trabalho nas fábricas. Diante disso, quando Andula encontra uma oportunidade, por mínima que seja, ela a agarra, e, esperançosa, prevê uma condição melhor para a sua vida. Não à toa, a primeira cena do filme é uma das amigas dela contando uma triste composição ao violão, enquanto a câmera passeia de forma desoladora pelos quartos dos alojamentos. 




O enredo, sem soar simplista, ainda se propõe a explicar causa e efeito que expliquem a personalidades de alguns personagens. O principal exemplo é do rapaz pelo qual Andula se sente atraída, mas, que se mostra um inveterado mulherengo, além de ser alguém que não demonstra escrúpulos, principalmente, em relação às mulheres. É quando, algum tempo depois, conhecemos os seus pais, e que mostra o porquê ele age dessa maneira, visto que o pai é completamente relapso em relação ao filho, e a mãe é bastante conservadora. Notem, não por acaso, que a primeira cena com eles é uma em que ambos dormem à mesa após assistirem muita televisão. Essa alienação familiar, portanto, alguém que, além de abusar de uma mulher, ainda repete a mesma atitude inúmeras vezes, todas as noites. É risível ver pai, mãe e filho discutindo na cama, enquanto tentam dormir. Ao passo que, na sala, está Andula, e não deixa de ser triste e dolorosa não somente a sua humilhação, mas, a representação de todas as humilhações que, naturalmente, as mulheres sofrem (até hoje). 

Pertinente falar que, nessa época, o escritor Milan Kundera, conterrâneo de Forman, não nutria simpatia pelo cineasta. Também pudera: "Os Amores de uma Loira" é a ridicularização da figura masculina, em contrapartida ao sofrimento latente da figura feminina. E, Kundera, machista e misógino que sempre foi (suas obras, destratando a imagem da mulher de todas as formas possíveis, estão aí para serem conferidas), obviamente, não achou de bom grado que a figura do homem fosse tão criticada. Para o autor de "A Insustentável Levez do Ser", o homem é este ser que precisa ser conquistador o tempo todo, enquanto as mulheres são apenas troféus a serem adquiridos. Exatamente como ocorre em "Os Amores de uma Loira". A diferença é que, neste filme, Forman censura esse tipo de atitude. Kundera, ao contrário, exalta.

"Os Amores de uma Loira" é, por assim dizer, peculiar entre as obras peculiares de Forman. Mesmo não tendo a força de um "Estranho no Ninho" ou a crítica mordaz de um "O Povo Contra Larry Flynt", este pequeno grande filme (ainda de sua fase tcheca) já demonstra grande maturidade ao abordar situações relativamente simples, e transformando-as em algo maior, que atinja uma mensagem mais universal. Trata-se de cinema, aparentemente, sem grandes pretensões, que parece que está dizendo uma coisa, quando, na realidade, está dizendo outra. Quando percebemos, já estamos envoltos em alguma forma de tristeza, incômodo e, porque não, até asco. É, por fim, cinema de alta qualidade, e com sutis, mas, certeiras, cargas dramáticas. 


Nota: 9/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…