Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Adeus"
2011
Direção: Mohammad Rasoulof


UM RETRATO AO MESMO TEMPO INTIMISTA E ANGUSTIANTE SOBRE A RESTRIÇÃO DE DIREITOS CIVIS NO IRÃ, EM ESPECIAL, DAS MULHERES

Algumas coisas são básica. Tipo: a liberdade e a própria vida. Inegociáveis, porém, há lugares que desrespeitam facilmente esses princípios. Seja devido à religião, ou qualquer outro fator, é certo, por exemplo, que a vida das pessoas (principalmente das mulheres) no Irã é complicada. e, um dos filmes recentes a explorar bem essas questões é "Adeus". Não por acaso, ele é dirigido por Mohammad Rasoulof, cineasta iraniano, que, junto com outras 16 pessoas, foi preso em março de 2010, e, mesmo aguardando julgamento, foi autorizado pelo governo a dar continuidade ao projeto deste filme. No entanto,o longa continua não tendo autorização para ser exibido no Irã.




Toda a carga de opressão que permeou a realização de "Adeus" está presente no filme de maneira muito sutil, mas, avassaladora. O ritmo é lento; muito lento. Mas, não é chato ou pedante. A narrativa, muitas vezes composta da "não-ação" inquieta e provoca o tempo todo, principalmente para nós, que vivemos num ambiente com alguma liberdade. Nesse universo claustrofóbico, vamos acompanhando a via crucis de Noura, advogada especializada (ironicamente) em direitos humanos, cuja licença foi caçada e seus casos judiciais retirados. O marido, jornalista, teve o jornal em que trabalhava fechado, e agora presta serviços de construção no meio do deserto. Resta a Noura uma única saída: a sua gravidez, já que se tiver um filho fora do Irã, não será obrigada a regressar. Aos poucos, vemos todo o seu planejamento para fugir do país, ao mesmo tempo em que enfrenta um regime cada vez mais autoritário.

Só que todos esses pormenores da trama não são dados de mão beijada para o espectador. São pequenos momentos, olhares, diálogos curtos e a própria ambientação que vão contando tudo isso, mas, de maneira sóbria e reflexiva. A intenção é que sintamos o sofrimento de Noura, mas, sem apelações ou artifícios baratos. É um sofrimento palpável, nítido e que nos faz pensar de verdade sobre as condições de direitos humanos no Irã. Numa determinada cena, por exemplo, uma amiga da advogada lhe diz que uma de suas antigas clientes foi condenada à morte por enforcamento, e que outras duas aguardam julgamento. Não é preciso mostrar esse fato em si para deixar a atmosfera pesada e desesperadora. Em outra ocasião, agentes do governo iraniano interceptam Noura, para fazerem uma vistoria em seu apartamento. A sequência é longa e sem cortes, não mostrando violência explícita ou qualquer coisa do gênero, mas, a ação demonstra uma brutalidade tão implícita, uma violência à dignidade humana tão voraz, que já é o suficiente para deixar a cena incomodamente contundente.




Interessante notar como todos os personagens masculinos do filme ou são covardes ou são simplesmente fracos. O único homem que, aparentemente, teria uma espécie de coragem maior para enfrentar essas dificuldades, seria o marido de Noura. Este, porém, aparece uma única vez durante todo o longa, e se mostra abatido e vencido por esses sistema. A grande potência, a grande força para tentar subjugar esse sistema de opressão vem quase que exclusivamente das mulheres. Aqui, muitas têm ciência do que ocorre com Noura (e, com elas, por tabela), e muitas tentam ajudar (ou, amenizar) o sofrimento da advogada como podem. Através de gestos ou apenas de olhares há uma certa compreensão entre elas, ao mesmo tempo que algumas se propõem a ajudar a protagonista mediante "propina", o que mostra que a condição financeira de Noura facilita um pouco a sua situação. No entanto, o filme ainda consegue mostrar que, independente da classe social, os direitos humanos (especificamente das mulheres) são violados com frequência no Irã. Não à toa, a produção continua sendo proibida por lá.

Todas as atuações aqui estão ótimas, em especial, Leyla Zareh, que interpreta a personagem principal. Muitas vezes, sem dizer uma única palavra, a atriz passa toda a angústia de Noura, numa interpretação tocante, sem ser forçada para o pieguismo puro e simples. Em termos de direção, temos em "Adeus" um baita trabalho de Mohammad Rasoulof. Suas nuances, a escolha por uma fotografia bastante escura (que combinasse com algo bastante opressor) e certos planos sequência deixam o filme arrebatador, narrando a trama sem atropelos e nos dando as informações certas nos momentos certos. O uso de uma trilha natural, que privilegiou o ambiente também ajuda na concepção das cenas. Não é pra menos que Rasoulof ganhou a Palma de Ouro pra este filme. Um prêmio, acima de qualquer suspeita, merecidíssmo.




"Adeus", acima de tudo, é um filme corajoso, que, a despeito de todas as dificuldades que enfrentou, expõe uma chaga social do Irã que o Ocidente, convenientemente, ignora. Mas, a arte (sempre ela) consegue, muitas vezes, ser mais autêntica e humana do que qualquer telejornal oportunista. Como um verdadeiro tour the fource contra um sistema que não deveria existir nos tempos atuais, o longa de Mohammad Rasoulof evoca com maestria a necessidade da vida e da liberdade, e, principalmente, que a falta desses elementos provoca um sofrimento ainda maior em grupos específicos, como o das mulheres. Um filme que provoca, em doses iguais, tanto o Oriente (por seu sistema opressor, geralmente, baseado na religião), como o Ocidente (que se cala diante dessas constante violações dos direitos humanos). Uma prova, em forma de cinema, que estamos (muito) atrasados.


Nota: 9/10



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…