Pular para o conteúdo principal
DICA DE LIVRO

"FUP" (1983)




Por vezes, a simplicidade diz mais do que um extenso discurso, regado a palavras rebuscadas. Basta que seu autor tenha conhecimento do material que vai produzir e queira, de fato, que o maior número possível de pessoas tenham acesso a ele. "Fup" pertence a esse seleto grupo. Um livro pequeno, com cerca de 90 páginas, mas que se atém a questões tão importantes que fica difícil não colocá-lo na categoria de clássicos.

De início, a estória fala de um senhor que não se enquadra nas superficiais esferas sociais que encontra pelo caminho. O livro começa falando do nascimento dele, chamado Jake, passando pelo nascimento de sua filha, e, posteriormente, de seu neto, para desembocar na morte dela, e na subsequente adoção da criança pelo avô. Apelidado de "Miúdo", ele recebe todos os cuidados possíveis de Jake, que passa, mesmo que temporariamente, a mudar alguns de seus hábitos devido ao novo hóspede, menos um: o de fabricar seu próprio uísque, o "Velho Sussurro da Morte".




Com o tempo, "Miúdo" cresce (até demais, tornado seu apelido algo irônico), passando a ter verdadeira fixação por fazer cercas. Eis que ele encontra, um dia, uma pata filhote abandonada num dos buracos dessas cercas. Seu avô é quem dá o nome de Fup ao pequeno animal, e sua presença na casa, mesmo que indiretamente, muda o cotidiano de todos, principalmente, em termos de comportamentos. É bom lembrar que nesse meio tempo, "Miúdo" tenta matar, há anos, um javali (o "Cerra-Dente"), que destroi todas as cercas dele.

Jim Dodge, o autor do livro, fez um trabalho fascinante com muito pouco. Sempre permeado por narrativas curtas, ele nos faz íntimos dos personagens, mesmo que sejam todos eles bem diferentes entre si. Jake, desbocado e feroz em suas ideias, é o oposto de "Miúdo", um rapaz sempre calmo, tranquilo, e focado em seu trabalho na fazenda onde vivem. Num determinado momento, é assim que o escritor se refere aos dois:

"Suas diferenças, apesar de numerosas, eram superficiais; suas semelhanças eram poucas, mas tinham um alicerce: eram ligados pelo espantoso amor que tinham um pelo outro, uma amabilidade que ia além da mera tolerância, uma compreensão sanguínea daquilo que movia seus corações".




A pata Fup também tem sua personalidade bem delineada no livro, ora tendo um temperamento forte, ora sendo afável com seus donos. É ela o fator que quebra esteriótipos dos personagens, mostrando mais as diferenças entre avô e neto. Com sua obsessão em matar "Cerra-Dente", "Miúdo" acaba perdendo um pouco de sua característica calma e começa a ficar mais irritado, e Jake, sempre tão impulsivo, aconselha o rapaz a moderar mais suas atitudes.

Quando menos se espera, o livro acaba, e em poucas páginas, percebemos que lemos um mosaico de ações e sentimentos, desde o sentido da amizade e do respeito, até a valorização das atitudes mais simples em busca do que chamam de realização pessoal, ou, apenas, felicidade. E, uma ode a uma brutal honestidade e espontaneidade, mesmo tendo como consequência direta o afastamento às convenções sociais, que mais se assemelham a dogmas. Uma obra "perigosa", e que, com certeza, merece ser conhecida por um número maior de pessoas.


NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…