Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"ST. ANGER" (2003)




Essa dica daqui é polêmica, mas só o fato de um álbum ser tão massacrado como este, é merecido que ele seja escutado com atenção redobrada sempre que possível. Principalmente, se levarmos em consideração que a banda em questão é a clássica Metallica. Quando iniciou  suas atividades, exatamente 20 anos antes do lançamento deste "St. Anger, ela sempre foi criticada e/ou mal-interpretada pelo público de heavy metal. Hoje, por exemplo, seus primeiros discos são considerados obras-primas, mas na época, foram malhados sem dó nem piedade. Depois, foram julgados dentro do universo musical por diversos motivos: por terem gravado seu primeiro videoclipe ("One"), por terem feito estrondoso sucesso com o "Black Album", por terem optado pelo Hard Rock ao invés do Thrash Metal em "Load" e "Re-Load"...

Com um histórico assim, "St. Anger", mesmo antes de lançado, já nasceu com status de lixo. Virou o disco ideal para ser rechaçado. Porém, nada nele justifica tamanhas críticas; ao contrário. Tudo aqui está acima da média, mas como no mundo do Metal as coisas só tem valor se seguirem à risca fórmulas já consagradas, o disco pagou um preço alto pela ousadia de tentar fazer diferente.




Os principais argumentos contra "St. Anger" não se sustentam até hoje. O primeiro diz que o álbum não possui solos de guitarra, e por isso, é ruim. Bem, Kirk Hammett é um exímio instrumentista, mas não é obrigado a fazer malabarismos o tempo todo com seu som. Se solos fossem sinônimo de qualidade, o que dizer de Beatles e Ramones? Já o outro argumento diz que o disco não presta devido ao seu som seco de bateria, rústico e primal. Mas, essa era, justamente, a proposta desde o início: fazer um som de garagem, sem grandes pretensões.

Tirando esses dois pontos, que nada mais são do que birra de muita gente, "St. Anger" é uma ótima coleção de músicas intensas e empolgantes. Já começa com a paulada "Frantic", cuja parte melódica é muito boa. Segue, então, para a faixa-título, que não deixa dúvidas de que estamos ouvindo um álbum com muita energia, e que é desnecessário querer compará-lo com os trabalhos da banda nos anos 80. Os tempos mudaram, meus caros. Conformem-se!




O fato do Metallica, à época deste álbum, ter passado por momentos difíceis, como a saída do baixista Jason Newsted e os problemas com álcool do vocalista James Hetfield, contribuíram para o clima das composições. As letras falam por si. Em "Dirty Window" (Eu vejo meu reflexo na janela / Ele parece diferente, tão diferente do que você vê / Projetando julgamentos no mundo), "My World" (Quem está no controle da minha mente hoje? / Demônios dançando em forma de anjos) e "Shoot me Again" (Todos os tiros que eu tomo / Eu cuspo de volta em você) são exemplos claros desse ambiente nas gravações.

Todas as músicas são longuíssimas, beirando os 8 ou 9 minutos de duração, e a maioria não cansa (ao contrário do tão alardeado "retorno às raízes" que foi o "Death Magnetic"). A parte melódica é muito bem dosada e os refrões, impactantes. No geral, não se trata de um disco super-clássico, mas de um ótimo trabalho de uma banda aguerrida, que persistiu no que queria, e isso, por si só, já é digno de nota.




Portanto, não tem motivo algum para "St. Anger" ser tão odiado. A história de sua concepção é muito boa, e, como música, ele se sustenta fácil. Agora se você é daqueles que exigem que a banda faça sempre a mesma coisa, sem direito a mudanças, sugiro procurar outra para ser fã. O Metallica já provou que não está preso a nada, muito menos a rótulos.


NOTA: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…