Pular para o conteúdo principal
DICA DE DISCO

"ST. ANGER" (2003)




Essa dica daqui é polêmica, mas só o fato de um álbum ser tão massacrado como este, é merecido que ele seja escutado com atenção redobrada sempre que possível. Principalmente, se levarmos em consideração que a banda em questão é a clássica Metallica. Quando iniciou  suas atividades, exatamente 20 anos antes do lançamento deste "St. Anger, ela sempre foi criticada e/ou mal-interpretada pelo público de heavy metal. Hoje, por exemplo, seus primeiros discos são considerados obras-primas, mas na época, foram malhados sem dó nem piedade. Depois, foram julgados dentro do universo musical por diversos motivos: por terem gravado seu primeiro videoclipe ("One"), por terem feito estrondoso sucesso com o "Black Album", por terem optado pelo Hard Rock ao invés do Thrash Metal em "Load" e "Re-Load"...

Com um histórico assim, "St. Anger", mesmo antes de lançado, já nasceu com status de lixo. Virou o disco ideal para ser rechaçado. Porém, nada nele justifica tamanhas críticas; ao contrário. Tudo aqui está acima da média, mas como no mundo do Metal as coisas só tem valor se seguirem à risca fórmulas já consagradas, o disco pagou um preço alto pela ousadia de tentar fazer diferente.




Os principais argumentos contra "St. Anger" não se sustentam até hoje. O primeiro diz que o álbum não possui solos de guitarra, e por isso, é ruim. Bem, Kirk Hammett é um exímio instrumentista, mas não é obrigado a fazer malabarismos o tempo todo com seu som. Se solos fossem sinônimo de qualidade, o que dizer de Beatles e Ramones? Já o outro argumento diz que o disco não presta devido ao seu som seco de bateria, rústico e primal. Mas, essa era, justamente, a proposta desde o início: fazer um som de garagem, sem grandes pretensões.

Tirando esses dois pontos, que nada mais são do que birra de muita gente, "St. Anger" é uma ótima coleção de músicas intensas e empolgantes. Já começa com a paulada "Frantic", cuja parte melódica é muito boa. Segue, então, para a faixa-título, que não deixa dúvidas de que estamos ouvindo um álbum com muita energia, e que é desnecessário querer compará-lo com os trabalhos da banda nos anos 80. Os tempos mudaram, meus caros. Conformem-se!




O fato do Metallica, à época deste álbum, ter passado por momentos difíceis, como a saída do baixista Jason Newsted e os problemas com álcool do vocalista James Hetfield, contribuíram para o clima das composições. As letras falam por si. Em "Dirty Window" (Eu vejo meu reflexo na janela / Ele parece diferente, tão diferente do que você vê / Projetando julgamentos no mundo), "My World" (Quem está no controle da minha mente hoje? / Demônios dançando em forma de anjos) e "Shoot me Again" (Todos os tiros que eu tomo / Eu cuspo de volta em você) são exemplos claros desse ambiente nas gravações.

Todas as músicas são longuíssimas, beirando os 8 ou 9 minutos de duração, e a maioria não cansa (ao contrário do tão alardeado "retorno às raízes" que foi o "Death Magnetic"). A parte melódica é muito bem dosada e os refrões, impactantes. No geral, não se trata de um disco super-clássico, mas de um ótimo trabalho de uma banda aguerrida, que persistiu no que queria, e isso, por si só, já é digno de nota.




Portanto, não tem motivo algum para "St. Anger" ser tão odiado. A história de sua concepção é muito boa, e, como música, ele se sustenta fácil. Agora se você é daqueles que exigem que a banda faça sempre a mesma coisa, sem direito a mudanças, sugiro procurar outra para ser fã. O Metallica já provou que não está preso a nada, muito menos a rótulos.


NOTA: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…