Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"CIDADE DE DEUS" (2002)




O cinema brasileiro sempre parece viver de ciclos. Já tivemos produções que exploraram bastante o cangaço e a temática sertaneja, o Cinema Novo, as chanchadas, as pornochanchadas... Enfim, são vários assuntos abordados quase que num mesmo período. De uns tempos pra cá, o mote vem sendo a favela e a criminalidade de uma maneira geral. São filmes que se propõem a ser realistas, esteticamente crus, com uma abordagem um tanto social e com uma uma técnica mais voltada para a produção hollywoodiana. Exemplos são muitos, desde "Carandiru" até "Tropa de Elite", porém, quase todos com qualidade duvidosa. No entanto, quem começou tudo isso, e está anos-luz de seus imitadores é "Cidade de Deus".

Claro, aqui estão todas as características que fizeram fama a essa "estética urbana": frases de efeito, ultraviolência e uma linguagem popular. Só que o primeiro filme do publicitário por formação Fernando Meirelles tem algo a mais: foi feito com vontade e dedicação de mostrar um produto bem acabado, e, tematicamente, não é maniqueísta como os outros que influenciou. Ao expor a surgimento da favela de Cidade de Deus, seus realizadores, primeiro, buscaram recrutar os próprios moradores do local para interpretarem no filme. Isso, com certeza, dá uma veracidade maior à estória.




Estória, essa, que não chega a ser nova, mas a maneira como é contada aqui é bastante interessante. Basicamente, ela trata de escolhas feitas em circunstância poucos favoráveis. Enquanto vemos Zé Pequeno enveredando para o crime, transformando-se num ser dos mais desprezíveis, também temos a oportunidade de conhecermos Buscapé, que, apesar de estar no mesmo ambiente, não se corrompe, e tenta levar a vida trabalhando com o que mais gosta: a fotografia.

Os recursos não foram tão enormes, no entanto, a produção é, tecnicamente, ótima, principalmente em relação à edição. Nesse quesito, temos uma das melhores cenas do longa, quando mostra, em questão de segundos, Buscapé adolescente até chegar na infância; tudo num mesmo take. A trilha sonora, que inclui desde Elza Soares até Tim Maia, também é outro destaque mais do que positivo.




A violência mostrada aqui (mais brutal do que a de "Carandiru" ou a de "Tropa de Elite") talvez incomode a muitas pessoas, mas, assim como no melhores filmes da década de 70, como "Taxi Driver", ela não está presente apenas como um adorno, e sim, como parte integrante da trama, a consequência natural diante de tantas falhas, de tanta corrupção, de tanto descaso. Por isso, "Cidade de Deus" não é um produto esquemático, nem maniqueísta. Não existem vilões ou heróis; apenas pessoas comuns que escolheram, e pagaram por isso.

"Cidade de Deus" é, sem dúvida, um dos melhores filmes brasileiros já feitos. Uma produção que, em muitos momentos, choca, porém, que é necessária ser vista. Se seus seguidores ficaram inferiores, não culpemos o filme por isso. Certos raios só caem uma vez no mesmo lugar.


NOTA: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…