Pular para o conteúdo principal
DEBATE SÓCIO-POLÍTICO

O ÓDIO À DEMOCRACIA




A confusão parece estar sendo a grande característica dessa geração. Uma coisa é facilmente tomada por outra, quando, na verdade, uma rápida reflexão já bastaria para reconhecer onde está o erro.

Depois dessas recentes eleições, o Brasil tem passado por isso de maneira preocupante. O mote agora é dizer que o país está dividido. Se a referência a essa "divisão" fosse à porcentagem de votos que os dois principais candidatos obtiveram, seria ótimo.




Disputas acirradas fazem parte do processo, e são, até certo ponto, justas e necessárias.

Mas, o que, perigosamente, está sendo colocado é que a nação está dividida em duas regiões bem distintas, que votaram em dois partidos bem diferentes. E isso está causando uma verdadeira avalanche de discursos de ódio.

Os alvos principais estão sendo pobres e nordestinos, teoricamente, os "culpados" pela reeleição de Dilma Roussef, do PT. Não é preciso muito para encontrar a falha nessa linha de pensamento.




Primeiro, se formos analisar friamente, o candidato Aécio Neves perdeu por (de)méritos próprios. Alguém que consegue perder, proporcionalmente, em dois turnos seguidos em seu estado de origem (no caso, Minas Gerais), só pode ter algo de errado com ele.

Além disso, tirando o fato de que em São Paulo, os votos no candidato tucano foram bem maiores, em todo o país (repito: EM TODO O PAÍS), a quantidade de votos foi muito bem distribuída entre ambos os candidatos, como bem demonstra o quadro abaixo:




"Culpar" uma região ou classe social é arrumar as desculpas mais frouxas para expôr preconceitos e intolerâncias de toda a espécie. Trata-se, pois, de um problema educacional, da aceitação do outro; algo bem longe da questão político-partidária, portanto.

Falando em aceitação, toda essa celeuma também resvala em nossa preguiça. Sim, porque, a partir do momento em que questionamos o processo de uma eleição, e voltamos a pedir até intervenção militar no caso, é porque queremos ser mandados, pois achamos que não temos capacidade de auto-gestão, nem que conseguimos "votar bem".




O ódio, aqui, também está contra a democracia, considerado um sistema falho. A prerrogativa é a corrupção generalizada. No entanto, esquecemos de que a corrupção existe em sistemas tanto democráticos quanto ditatoriais. Com uma diferença:

numa ditadura, qualquer desmando torna-se pior, pelo simples fato de que toda informação é censurada. Onde há censura, não há denúncia, e o corrupto fica bastante à vontade, sem ser incomodado.

Percebe-se que todo esse discurso de "volta à Ditadura Militar" tem como base o ódio a quem pensa diferente e à não-aceitação da democracia, sem que se deem conta, no entanto, de que eles próprios só conseguem dizer o que pensam porque estamos nesse tipo de sistema.




Ao que tudo indica, essas eleições ainda deixarão muitas marcas difíceis de apagar logo. Temos muito o que aprender. Precisamos combater os desmandos políticos, mas respeitando os processos democráticos legítimos, pois eles (e, só com eles) temos a base para essa luta.

Nos próximos meses, o governo tentará aprovar o tão falado projeto da Reforma Política. Antes, contudo, precisaremos passar por três outras importantes reformas:

EDUCAÇÃO, CONSCIÊNCIA E TOLERÂNCIA.


Erick Silva
29/10/2014.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…